Agência Mundial Antidopagem é acusada de acobertar testes irregulares da Espanha.

Agência Mundial Antidopagem é acusada de acobertar testes irregulares da Espanha. De acordo com jornal espanhol, a instituição permitiu que a Agência Nacional Antidopagem da Espanha evitasse que testes positivos fossem sancionados.

Segundo uma investigação realizada pelo jornal espanhol Relevo, a Agência Mundial Antidopagem (WADA) permitiu que a Espanha deixasse impunes vários testes de doping positivos. Além disso, de acordo com o jornal, a Agência Nacional Antidopagem do país (CELAD) evitou que esses testes fossem sancionados. A agência espanhola teria utilizado fundos públicos para pagar a testagem irregular durante pelo menos cinco anos.

De acordo com a investigação do Relevo, a Agência Mundial Antidopagem possui documentos que comprovam a existência de resultados positivos ilícitos no desporto espanhol. Segundo a reportagem, o órgão internacional responsável pela promoção, coordenação e monitorização das testagens estava ciente sobre as irregularidades e permitiu que a Espanha não aplicasse sanções aos atletas que violassem as regras antidopagem. O jornal ainda revelou que, durante pelo menos cinco anos, a agência antidoping espanhola pagou testes irregulares com dinheiro público. Tudo indica que a situação se manteve entre 2017 e 2022, com o conhecimento do diretor, José Luis Terreros, e do chefe do departamento de controle antidopagem, Jesús Muñoz-Guerra.

<Polêmica envolvendo atletas do Trail>

Majida Maayouf, corredora Basca queria experimentar a corrida de montanha, pois começava a ter mais dinheiro para gerar renda. Majida focou em cross e corrida de montanha. A realidade não era outra, mais do que correr nas montanhas você precisa de outras habilidades além de correr e com sua marca no asfalto, ela não se destacaria acima do resto dos corredores, enfim, esse não era o lugar dela.

“Vou ganhar Zegama Aizkorri, esse tempo é muito viável para uma maratona de montanha” Estas palavras saíram da boca de Maayouf em várias ocasiões, na sua boca e na boca de pessoas próximas, ressoaram fortemente no País Basco, havia nelas um passado histórico, porque outro ciclista, neste caso do ciclismo, tinha dito exatamente a mesma coisa. Meses depois foi sancionado por doping, neste caso por EPO, estamos a falar do ex-ciclista, Aitor Osa.

“Nada vai me impedir de alcançar o que tanto sonhei” Maayouf definitivamente não se concentrou nas montanhas, ele viu que com suas “novas pernas” ela poderia ter muito mais do que várias lesões com as descidas. Iniciava sua caminhada rumo à nacionalização. Rapidamente, ela começou a baixar seus melhores tempos, até que colocou os 10k em 31 minutos, (no intervalo de 2022 a 2023 ela conseguiu baixar de 33 minutos para 31:21) o próximo passo seria atacar a distância da maratona, ela poderia!

Todos pudemos observar o que Majida conseguiu em Valência, o recorde espanhol na modalidade (2:21:01), mas será que é legal?

O quadro internacional que permitiu cobrir um teste positivo para doping um ano depois. O caso da maratonista Majida Maayouf evidencia as fissuras em um sistema internacional que permitiu ao antidoping espanhol neutralizar um teste positivo um ano depois.O Código Mundial Antidopagem é claro: no interesse de uma justiça desportiva justa e eficaz, as organizações antidopagem devem concluir a Gestão dos Resultados no prazo de seis meses a contar da notificação (artigo 4.2). Mas o Código é sempre cumprido e, portanto, a referida justiça desportiva é alcançada? A resposta é NÃO.

8 de novembro de 2020. Majida Maayouf competiu na prova de estrada de 10 quilômetros da Laufszene Invitational Run em Dresden, Alemanha. Ele ficou em segundo, com o tempo de 33min27s. Mais um passo para se preparar para o seu objetivo: melhorar o seu recorde pessoal nos 42.195 metros da maratona que lhe permitiria saltar para a elite internacional e com isso a sua naturalização. Nesse teste, Maayouf foi submetido a um teste antidoping aleatório realizado pela Agência Nacional Antidoping da Alemanha (NADA). O resultado de Majida foi positivo, ou como é chamado tecnicamente, ela obteve um resultado analítico adverso.

O motivo? Majida Maayouf, apesar de ser de origem marroquina, competiu sob uma licença da federação espanhola. José Luis Terreros, diretor-geral da agência antidopagem espanhola, que a princípio não sabia detalhes do caso, garantiu à Relevo que eles foram contratados para ser a autoridade gestora do resultado da federação internacional em 4 de dezembro de 2020, e a Agência Mundial Antidoping endossou que deveria ser assim em 13 de dezembro do mesmo ano.

Foi nessa época que começaram as suspeitas sobre os Terreros e o CELAD espanhol em geral.

Poucos, mas muito notórios casos no nosso esporte dispararam alarmes, muitos deles não deram em nada, devido a defeitos de forma ou devido a “imperícias” por parte das agências antidopagem, espanholas ou mundiais. O que é claro é que hoje existem muito poucos controles, podemos praticamente contá-los nas nossas mãos. Alguns campeonatos espanhóis, campeonatos mundiais, algumas corridas de renome internacional como Zegama, Sierre Zinal, Templiers e pouco mais. É fácil e simples e não punível recorrer a técnicas de doping em nosso país, como já lemos antes. Então, o doping existe no nosso esporte? Para nós, é um SIM retumbante.

No caso de Didier Zago (Corredor trail francês), testou positivo para EPO, sendo um corredor que quase não competiu em quilômetros verticais. Muitos outros casos foram deixados de lado ou justificados pelo uso legal de drogas, como o caso de Maude Mathys, já que ela tomava hormônios para poder engravidar. Mas outros casos, como o da francesa Cristelle Dewalle, em 2016, durante o campeonato mundial em Barruera (onde foi proclamada a primeira na vertical), não eram muito notórios, mas existiam.

Seja como for, cada vez mais mediadores, como o caso de Jornet, pedem mais controles e maior pressão contra este flagelo.

«Mais controles de doping dentro e fora de competição e mais transparência sobre os pontos positivos para que coisas como essa não voltem a acontecer.”Jornet após saber do caso Kongogo na Sierre Zinal 2022.

Fontes: |Globo Esporte, Carreras por Montaña e Jornal Relevo.

Sobre Bruno Mattos

Atleta Trail Running e Social Media Revista Trail Running