Pés Fortes

Por Fernanda Rizzo
Fisioterapeuta 


O pé é uma estrutura complexa, composto por várias articulações, músculos, ligamentos e tendões. Além de ser nossa base de apoio quando ficamos em pé, parados, durante a caminhada e corrida ele deve se tornar adaptável a atenuar “as cargas” impostas ao corpo, e nos “empurrar” para frente ao final de cada passada na corrida.

Podemos comparar a função de seus músculos e tendões durante a corrida com uma “mola” que armazena e libera energia a cada passo.

No treinamento físico e reabilitação o conceito de “CORE” é bem conhecido para a região do abdômen (engloba também região da pelve e coluna). Mas o que quer dizer esse conceito? Ele vem da idéia de que, através da ação em conjunto de músculos locais (“estabilizadores”) e músculos globais (executores) geramos movimentos das pernas e braços muito mais eficientes e com qualidade.

O mesmo conceito foi atribuído ao pé e é bastante utilizado e disseminado por um grupo de pesquisadores liderado pela fisioterapeuta Irene Davies (Harvard). O CORE do pé pode ser descrito como o conjunto de 3 subsistemas:

1 – Passivo: ossos, ligamentos e cápsulas articulares que mantém os 4 arcos do pé

2 – Ativo: músculos e tendões intrínsecos e extrínsecos

3 – Neural: receptores sensoriais localizados na fáscia plantar, ligamentos, cápsulas articulares, músculos e tendões

Alguns estudos sugerem que fortalecer os pés ajuda na prevenção de lesões relacionadas a corrida, além de melhorar a biomecânica da corrida.

A seguir algumas dicas de exercícios!!

Short Foot – Sentado, com 90 graus de flexão do joelho e tornozelo, aproxime a cabeça do primeiro metatarso em direção ao calcanhar sem flexão dos dedos, “encurtando” os pés. A parte da frente do pé e o calcanhar não devem sair do chão.

Pe forte 1

Sentado, com o calcanhar fixo e em contato com o chão, levante o dedão mantendo o dedinho no chão. Depois eleve os outros dedos do pé e mantenha o dedão no chão. Faça isso devagar e sob controle total.

Pés fortes 2                      Pés fortes 3

Sentado, com 90 graus de flexão do joelho e tornozelo, abduza (abra) e aduza (feche) os dedos dos pés ritmicamente.

Pés fortes 4

Fortalecimento de panturrilha: elevação do calcanhar em pé. Você pode começar com os dois pés e evoluir para 1 pé só.

Pés fortes 5

Além dos exercícios, andar de descalço também ajuda a fortalecer os pés!!

E atenção!! Se você pensa em correr descalço ou migrar para um tênis minimalista, considere realizar uma transição progressiva (pelo menos 3 meses). Não tenha pressa!!

Regulamento Super Copa Trail

A “Super Copa Trail” da Revista Trail Running será realizada em território Nacional nas modalidades Assessoria/Treinador, Grupos de Atletas, Equipe de Performance e Individual. As disputas serão definidas por livre competição com ranking Nacional e Regional, adulto e juvenil, tanto para atletas do sexo masculino quanto feminino.


1.Rankings:

Art. 1º: Haverá somente um ranking para todas as distâncias, onde a disputa seguirá as seguintes regras:

Parágrafo 1. Haverão três rankings nacionais, por equipes, assessorias e individual, sendo que o individual se dividirá em Adulto e Juvenil e em cada um serão premiados atletas masculinos e femininos.

Parágrafo 2. Os Rankings Nacionais serão os principais e deles serão extraídos os todos os outros resultados de ranking.

Parágrafo 3. Haverão, ainda, os rankings Regionais, por equipes, assessorias e individual, sendo que o individual se dividirá em Adulto e Juvenil e em cada um serão premiados atletas masculinos e femininos.

Parágrafo 4. As equipes, assessorias e atletas individuais poderão se cadastrar na Super Copa Trail a qualquer tempo, sendo certo que sua pontuação, bem como sua classificação no ranking somente será válida após o pagamento da taxa anual de filiação pertinente dos atletas.

Parágrafo 5. Os atletas deverão efetuar o pagamento da taxa até o último dia do mês de JUNHO de 2021 para que seus resultados anteriores ao pagamento sejam validados, após esta data, os atletas que efetuarem o pagamento somente terão os resultados válidos e aplicados no ranking a partir da data do pagamento da taxa.

1.1 Ranking – Assessorias e treinadores

Art. 2º: Toda assessoria e treinadores poderão se habilitar para a Super Copa Trail preenchendo o formulário constante no site da Revista Trail Running (https://www.rtrailrunning.com.br/cadastro-assessorias/).

Parágrafo 1. Qualquer Assessoria/treinador poderá se cadastrar desde que tenha no mínimo 2 atletas habilitados no site da Revista Trail Running. As Assessoria/treinador não terão limite de atletas.

Parágrafo 2. Todo atleta, para se habilitar na Super Copa Trail Trail, deverá se cadastrar e pagar a taxa anual de filiação, ou se tornar assinante da Revista Trail Running.

Parágrafo 3. Toda equipe habilitada formalmente na Super Copa Trail terá um cupom¹ exclusivo para que seus atletas possam se tornar ASSINANTES da Revista Trail Running.

Parágrafo 4. Os atletas somente poderão correr por uma Assessoria/treinador durante o ano, sendo que a janela para mudança de Assessoria/treinador se dará entre os dias 16/12 a 16/01 de cada ano.

Parágrafo 5. O atleta que sair de uma Assessoria/treinador no decorrer do ano desfalcará sua Assessoria/treinador e não poderá somar pontos para uma nova Assessoria/treinador, seus resultados e pontos somente valerão para a premiação individual, equipe de performance e/ou para seu e para sua Assessoria/treinador caso permaneça nele.

Nota 1: O cupom somente será válido para nova ASSINATURA, não será válido para o atleta que quiser pagar somente a taxa anual de filiação.

Art. 3º: A classificação do Ranking por Assessoria/treinador NACIONAL será obtida através da pontuação dos atletas de cada Assessoria/treinador (masculino/feminino) independente da distância, ressalvado o peso de cada faixa de distância.

Art. 4º: A classificação do Ranking por Assessoria/treinador REGIONAL será obtida através da pontuação dos atletas de cada Assessoria/treinador (masculino/feminino) independente da distância, ressalvado o peso de cada faixa de distância.

Parágrafo único: Sendo certo que as Assessoria/treinador poderão competir e somar pontos em provas em todas as regiões do Brasil, entretanto, o ranking Regional será somente entre Assessoria/treinador da região específica.

Ex. Assessoria/treinador da Região Norte competem no ranking da Região Norte, enquanto Assessoria/treinador da Região Sudeste competem com Assessorias/treinadores da Região Sudeste.

Art. 5º: Serão premiadas as 10 (dez) melhores Assessoria/treinador do Ranking Nacional.

Art. 6º Serão premiadas 3 (três) Assessoria/treinador do Ranking Regional.

OBS. Será disponibilizado VIRTUALMENTE as 10 (dez) melhores Assessorias/Treinadores de cada Estado, entretanto, não haverá premiação local.

1.2 Ranking – Grupos de Atletas

Art. 7º: Todo Grupo de Atleta poderá se habilitar para a Super Copa Trail preenchendo o formulário constante no site da Revista Trail Running (www.rtrailrunning.com.br).

Parágrafo 1. Qualquer Grupo de Atleta poderá se cadastrar desde que tenha no mínimo 2 atletas habilitados no site da Revista Trail Running. Os Grupos de Atletas não terão limite de atletas.

Parágrafo 2. Todo atleta, para se habilitar na Super Copa Trail Trail, deverá se cadastrar e pagar a taxa anual de filiação, ou se tornar assinante da Revista Trail Running.

Parágrafo 3. Todo Grupo de Atleta habilitado formalmente na Super Copa Trail terá um cupom¹ exclusivo para que seus atletas possam se tornar ASSINANTES da Revista Trail Running.

Parágrafo 4. Os atletas somente poderão correr por um “Grupo de Atleta” durante o ano, sendo que a janela para mudança de Equipe se dará entre os dias 16/12 a 16/01 de cada ano.

Parágrafo 5. O atleta que sair de um Grupo de Atleta no decorrer do ano desfalcará seu Grupo de Atleta e não poderá somar pontos para uma novo Grupo de Atleta, seus resultados e pontos somente valerão para a premiação individual, equipe de performance e/ou para sua Assessoria/treinador caso permaneça nela.

Nota 1: O cupom somente será válido para nova ASSINATURA, não será válido para o atleta que quiser pagar somente a taxa anual de filiação.

Nota 2: O atleta somente precisará pagar a taxa de filiação uma única vez para participar de todos os rankings da Super Copa, exceto o ranking exclusivo para assinantes da Revista Trail Running.

Art. 8º: A classificação do Ranking por Grupo de Atleta NACIONAL será obtida através da pontuação dos atletas de cada Grupo de Atleta (masculino/feminino) independente da distância, ressalvado o peso de cada faixa de distância.

Art. 9º: A classificação do Ranking por Grupo de Atleta REGIONAL será obtida através da pontuação dos atletas de cada Grupo de Atleta (masculino/feminino) independente da distância, ressalvado o peso de cada faixa de distância.

Parágrafo único: Sendo certo que os Grupos de Atletas poderão competir e somar pontos em provas em todas as regiões do Brasil, entretanto, o ranking Regional será somente entre Grupos de Atletas da região específica.

Ex. Grupos de Atletas da Região Norte competem no ranking da Região Norte, enquanto Grupos de Atletas da Região Sudeste competem com Grupos de Atletas da Região Sudeste.

Art. 10º: Serão premiados os 10 (dez) melhores Grupos de Atletas do Ranking Nacional.

Art. 11º Serão premiados os 3 (três) Grupos de Atleta do Ranking Regional.

OBS. Será disponibilizado VIRTUALMENTE os 10 (dez) melhores Grupos de Atletas de cada Estado, entretanto, não haverá premiação local.

1.3 Ranking – Equipes Performance

Art. 12º: Toda equipe poderá se habilitar para a Super Copa Trail preenchendo o formulário constante no site da Revista Trail Running (https://www.rtrailrunning.com.br/cadastro-equipes/).

Parágrafo 1. Qualquer Equipe poderá se cadastrar desde que tenha no mínimo 2 atletas habilitados no site da Revista Trail Running.

As Equipes terão limite máximo de 10 atletas, entre homens e mulheres.

Parágrafo 2. Todo atleta, para se habilitar na Super Copa Trail Trail, deverá se cadastrar e pagar a taxa anual de filiação, ou se tornar assinante da Revista Trail Running.

Parágrafo 3. Toda equipe habilitada formalmente na Super Copa Trail terá um cupom¹ exclusivo para que seus atletas possam se tornar ASSINANTES da Revista Trail Running.

Parágrafo 4. Os atletas somente poderão correr por uma Equipe durante o ano, sendo que a janela para mudança de Equipe se dará entre os dias 16/12 a 6/01 de cada ano.

Parágrafo 5. O atleta que sair de uma Equipe no decorrer do ano desfalcará sua equipe e não poderá somar pontos para uma nova Equipe, seus resultados e pontos somente valerão para a premiação individual e para sua Assessoria/treinador caso permaneça nela.

Nota 1: O cupom somente será válido para nova ASSINATURA, não será válido para o atleta que quiser pagar somente a taxa anual de filiação.

Nota 2: O atleta somente precisará pagar a taxa de filiação uma única vez para participar de todos os rankings da Super Copa, exceto o ranking exclusivo para assinantes da Revista Trail Running.

Art. 13º: A classificação do Ranking por equipes NACIONAL será obtida através da pontuação dos atletas de cada Equipe (masculino/feminino) independente da distância, ressalvado o peso de cada faixa de distância.

Art. 14º: A classificação do Ranking por Equipe REGIONAL será obtida através da pontuação dos atletas de cada equipe (masculino/feminino) independente da distância, ressalvado o peso de cada faixa de distância.

Parágrafo único: Sendo certo que as Equipes poderão competir e somar pontos em provas em todas as regiões do Brasil, entretanto, o ranking Regional será somente entre Equipes da região específica.

Ex. Equipes da Região Norte competem no ranking da Região Norte, enquanto Equipes da Região Sudeste competem com Equipes da Região Sudeste.

Art. 15º: Serão premiadas as 5 (cinco) melhores Equipes do Ranking Nacional.

Art. 16º Será premiada 1 (uma) Equipe do Ranking Regional.

OBS. Será disponibilizado VIRTUALMENTE as 10 (cinco) melhores Equipes de Performance de cada Estado, entretanto, não haverá premiação local.

1.3 Ranking EXCLUSIVO ASSINANTES DA REVISTA TRAIL RUNNING

Art. 17º: Haverá um ranking exclusivo para assinantes da Revista Trail Running com premiação dos 10 melhores atletas masculinos e femininos a nível nacional e dos 5 melhores atletas masculinos e femininos em cada região do Brasil.

Parágrafo 1. Para participar do Ranking EXCLUSIVO DE ASSINANTES DA REVISTA TRAIL RUNNING Os atletas deverão efetuar o pagamento da ASSINATURA até o último dia do mês de JUNHO de 2021 para que seus resultados anteriores ao pagamento sejam validados, após esta data, os atletas que efetuarem o pagamento somente terão os resultados válidos e aplicados no ranking a partir da data do pagamento da taxa.

1.4 Ranking – Individual

Art. 18º: Todo atleta para se habilitar na Super Copa Trail deverá se cadastrar e pagar a taxa anual de filiação, ou se tornar assinante da Revista Trail Running.

Parágrafo único: Pessoas que já sejam assinantes da Revista Trail Running, antes do lançamento da Super Copa Trail estarão, automaticamente, habilitas para as disputas, entretanto, caso a pessoa queira integrar alguma assessoria/treinador, Grupo de Atleta ou Equipe de Performance, ela deverá entrar em contato com a Revista Trail Running pelo email ([email protected]) e solicitar a inclusão da assessoria/treinador, Grupo de Atleta e Equipe de Performance em seu cadastro.

Art. 19º: A classificação do Ranking individual NACIONAL será obtida através da pontuação nas provas da Super Copa independente da distância, ressalvado o peso de cada faixa de distância.

Art. 20º: A classificação do Ranking individual REGIONAL será obtida através da pontuação nas provas da Super Copa, independente da distância, ressalvado o peso de cada faixa de distância.

Art. 21º: A classificação será dividida por sexo, masculino e feminino.

Art. 22º: Serão premiados os 10 melhores atletas Nacionais masculinos e femininos.

Art. 23º: Serão premiados os 5 (cinco) melhores atletas de cada região do Brasil (masc/fem).

OBS. Será disponibilizado VIRTUALMENTE os 10 (dez) melhores Atletas (masc/fem) de cada Estado, entretanto, não haverá premiação local.

Parágrafo 1: Serão premiados, ainda, os 3 melhores atletas masculinos e femininos de cada categoria de idade no Ranking Nacional.

Parágrafo 2: CATEGORIAS DE IDADE

  • 1- Menores de 23 anos (juvenil) – Categoria à parte;
  • 2- 24 a 35 anos;
  • 3- 36 a 45 anos;
  • 4- 46 a 55 anos;
  • 5- 56 a 65 anos;
  • 6- acima de 65 anos.

Art. 24º: Haverá premiação dos 3 melhores atletas de cada Região do Brasil masculino e feminino.

Art. 25º: Haverá classificação específica para atletas juvenis.

Parágrafo único. Considera-se juvenil o atleta masculino e feminino menor de 23 anos até a data da última competição da Super Copa.

Art. 26º: Serão premiados os 5 primeiros atletas juvenis Nacionais masculinos e femininos.

Art. 27º Haverá premiação do melhor atleta juvenil de cada Região do Brasil masculino e feminino.

OBS. Será disponibilizado VIRTUALMENTE os 5 (cinco) melhores Atletas Juvenis de cada Estado, entretanto, não haverá premiação local.

2. Competições duplas, trios e quartetos.

Art. 28º: As competições que tiverem disputas com duplas ou mais pessoas, estes pontuaram para suas assessorias e equipes normalmente desde que os atletas participantes sejam da mesma equipe ou assessoria. Caso os atletas sejam de equipes ou assessorias diferentes, não serão creditados pontos para nenhuma das assessorias ou equipes.

Art. 29º: Os atletas que competirem em duplas ou maior número de atletas pontuarão normalmente no ranking individual, desde que TODOS tenham feito o percurso inteiro, caso seja em revesamento, os atletas pontuarão com o peso das faixas de distâncias correspondente a distância executada.

3.Pontuação e pesos das faixas de distâncias.

3.1. Pontuação:

Art. 30º: O Super Copa Trail “by” Revista Trail Running distribuirá pontos para todos atletas FINISHERS em todas as provas da Super Copa (masc/fem) como segue:

1º = 50 pontos;
2º = 45 pontos;
3º = 40 pontos;
4º = 35 pontos;
5º = 30 pontos;
6º = 25 pontos;
7º = 20 pontos;
8º = 18 pontos;
9º = 16 pontos;
10º = 14 pontos;
11º = 12 pontos;
12º = 10 pontos;
13º = 8 pontos;
14º = 7 pontos;
15º = 6 pontos;
16º = 5 pontos;
17º = 4 pontos;
18º = 3 pontos;
19 = 2 pontos;
20º em diante = 1 ponto.

3.2 Pesos por faixas de distâncias.

Art. 31º: As distâncias das provas terão diferentes pesos para cada faixa de distâncias.

Parágrafo 1: O intuito em adotarmos o sistema de pesos é pelo fato de um atleta que corre distâncias menores ter condições de participar de um número de provas muito maior que um atleta que corre uma distância mais larga como 100km ou 160km. Enquanto um atleta de 10km ou 21km poderia correr praticamente todo fim de semana, um atleta que corre uma prova de 160km correrá no máximo 4 provas no ano.

Art. 32º: Os pontos conquistados por cada atleta em sua classificação serão multiplicados pelo valor do peso de sua faixa de distância e este será o valor que constará em todos os rankings, seja por equipes ou individual.

    • Até 21km – peso 1;
    • Entre 22km até 49km – peso 2;
    • Entre 50km até 99km – peso 3;
    • Acima de 100km – peso 4.

Parágrafo 1: Não será considerado para efeito de “peso por faixa de distância” o quilômetro/esforço – que é o cálculo feito entre a relação distância e ganho/perda de altimetria.

Parágrafo 2: A distância a ser considerada para efeito e aplicação dos “pesos por faixa de distância” será o divulgado oficialmente pela organização da prova, sendo descartado qualquer prova em contrário oferecida por um ou mais atletas, mesmo que por associações, grupos de atletas ou assessorias esportivas.

4. Organizadores e eventos da Super Copa 2021

Art. 33º: Os eventos participantes da Super Copa Trail serão aqueles realizados por organizadores registrados previamente e que obedeçam a seleção em qualidade organizacional, percursos e estrutura.

Art. 34º: Fazem parte da Super Copa Trail as seguintes organizações: (SUJEITO A MUDANÇAS)

  • Ultra do Céu
  • KTR (Kailash Trail Run)
  • La Misión Brasil
  • WTR (Serra do Mar e Arraial do Cabo)
  • Camelbak Mountain Race
  • Indomit (Bombinhas, Pedra do Baú, Serra da Mantiqueira)
  • XC Run (Búzios e Itaipava)
  • Desafio das Serras (Brasil, Ultra)
  • Circuito das Serras
  • UT Eventos (Jaraguá SkyMarathon, Extreme Winter, Odisseia Ultra e Rota das Águas)
  • TRC – Brasil (Ultramaratona dos Perdidos e Araçatuba HalfMarathon)
  • Xtreme Run Gramado
  • Evolution
  • Pedra grande Ultra Trail
  • Mountain Do (Costão do Santinho, Lagoa da Conceição, Fernando de Noronha)
  • Run Brasil Ride
  • Insanity (Mestre Álvaro, Buenos Aires, Polenta Off Road, Venda Nova)
  • Mons Ultra Trail
  • Ladeiras da Penha
  • Xterra Brasil (Estrada Real, Costa Verde e Búzios)
  • UltraMacho (Senta a Púa, Vale das Águas, Águas do Cerrado, Toroari e Rondonópolis)
  • Desafio das Serras Off Road (Monte das Gameleiras, Bananeiras, Bonito e Fernando de Noronha)
  • Serra dos Matões
  • To Goal (Circuito trilha e praia (4 etapas), Desafio espírito do guerreiro da selva, Viva+ Trail Run e Ultra Trail Amazônica)
  • Desafio Delta do Parnaíba
  • Desafio Raiz Tapera
  • Beach Run
  • Gantuá (Gantuá e Ultra Trail Chapada Diamantina)
  • Forrest Run
  • Desafio Serra da Bodoquena
  • Bocaina Park Trail
  • Caraça Marathon

Art. 35º: As datas e regulamentos são de encargo de cada evento.

Art. 36º: Assinantes da Revista Trail Running têm descontos exclusivos em todas etapas de quaisquer eventos acima citados, basta, para tanto, requisitar seu cupom no site da própria Revista Trail Running no endereço (www.rtrailrunning.com.br/eventos).

5. Do Vale Dourado.

Art. 37: Haverão 3 (três eventos) com o “Vale Dourado”:

1º: O evento “Ultra do Céu” será o evento de abertura da Super Copa Trail e os vencedores (masculino e feminino) das modalidades 80 e 50km conquistarão o Vale Dourado para a “Final da Super Copa Trail” no evento “Caraça Marathon” a se realizar no fim do ano, em data a ser anunciada oportunamente.

2º: Os vencedores (masculino e feminino) das modalidades 80 e 45km da “Ultramaratona dos Perdidos” conquistarão o Vale Dourado para a “Final da Super Copa Trail” no evento “Caraça Marathon” a se realizar no fim do ano, em data a ser anunciada oportunamente.

3º: Os vencedores (masculino e feminino) das modalidades 105, 85 e 55km da “Mons Ultra Trail” conquistarão o Vale Dourado para a “Final da Super Copa Trail” no evento “Caraça Marathon” a se realizar no fim do ano, em data a ser anunciada oportunamente.

6. Caraça Marathon

Art. 38: O Evento Caraça Marathon será realizado na cidade de Catas Altas, em Minas Gerais, em data a ser definida. Trata-se de um percurso único de 42km com características de Montanha de altitude, com cumes que ultrapassam os 2.000m de altitude, o terreno por ser muito técnico e por ter uma relação distância/ganho de elevação muito acentuado se apresentará como uma chave de ouro da Super Copa Trail.

Parágrafo único: Para os atletas juvenis haverá o percurso de 21km onde somente estes poderão competir.

6.1 Como participar

Art. 39. As 25 melhores Assessorias/Treinadores da Super Copa Trail estarão classificadas e cada Assessorias/Treinadores terá direito a inscrever 3 (três) atletas masculinos e 3 (três) atletas femininos, desde que tenham participado do campeonato brasileiro e não tenham corrido por outra Assessorias/Treinadores no ano vigente.

Art. 40. Os 25 melhores Grupos de Atletas da Super Copa Trail estarão classificadas e cada Grupo de Atleta terá direito a inscrever 3 (três) atletas masculinos e 3 (três) atletas femininos, desde que tenham participado do campeonato brasileiro e não tenham corrido por outro Grupo de Atleta no ano vigente.

Art 41. As 25 melhores Equipes de Performance da Super Copa Trail estarão classificadas e cada Equipe terá direito a inscrever 2 (dois) atletas masculinos e 2 (dois) atletas femininos, desde que tenham participado do campeonato brasileiro e não tenham corrido por outra Equipe no ano vigente.

Parágrafo único: Não será necessário que os atletas sejam os maiores pontuantes da Assessorias/Treinadores ou Equipes, eles poderão ser selecionados de acordo com os critérios de cada Assessoria/treinador ou Equipe.

Art. 42. Com o intuito de ampliar a participação de atletas juvenis, será admitida a inscrição e participação de atletas que não tenham participado da Super Copa Trail.

Art. 43. O atleta juvenil que se classificar no ranking adulto poderá abrir mão de participar da prova juvenil e competir na prova adulto desde que seja maior de idade no sentido legal. Esta decisão deverá ser comunicada a organização com no mínimo 30 dias de antecedência.

Art. 44. Os 50 primeiros atletas da classificação geral (masculino e feminino) terão vaga garantida na final na Caraça Marathon em Catas Altas.

Parágrafo único: Caso algum atleta da lista dos 50 primeiros já tenham sua vaga no evento por conta de sua Assessoria/Treinador, Grupo de Atleta ou equipe o ter escalado, serão chamados os próximos da classificação até que se completem as vagas.

Art. 45. Os 10 primeiros atletas (ASSINANTES DA REVISTA) da classificação geral (masculino e feminino) terão vaga garantida na final na Caraça Marathon em Catas Altas.

Parágrafo único: Caso algum atleta (ASSINANTES DA REVISTA) da lista dos 10 primeiros já tenham sua vaga no evento por conta de qualquer outra escalação, serão chamados os próximos da classificação até que se completem as vagas.

Art. 46. Serão reservadas 50 vagas para atletas de elite (masculino e feminino) independente de participação no Ranking.

Parágrafo único: Considera-se atleta de elite os atletas com os seguintes pontos ITRA:

    • Masculino: 700 pts
    • Feminino: 600 pts

Art. 47. Atletas, comprovadamente, residentes nas cidades do entorno da Serra do Caraça como, Catas Altas, Barão de Cocais, Santa Bárbara, terão 20 (vinte) vagas na Caraça Marathon.

A eleição de melhores do ano da RTR Awards será feita em paralelo e a premiação realizada no mesmo evento de premiação da Super Copa Trail.

Uma reflexão sobre a repercussão da pandemia de coronavírus e do isolamento social nos treinos e o futuro das competições esportivas de Trail Running.
Por Sinara Piassi


Confinados, não imaginávamos a proporção que o isolamento poderia tomar e as restrições impostas à prática esportiva. As sociedades médicas ligadas ao esporte reforçam a necessidade de fazer exercício tomando todas as cautelas que a situação ainda pede diante da segunda onda.

Se para as pessoas que corriam duas ou três vezes por semana o cenário ficou complicado, imagine para os atletas profissionais. Pegos de surpresa com a paralisação dos treinos, muitos foram compulsororiamente colocados na geladeira, isolados e sem prazo para voltar à ativa.

Atletas tiveram rotinas alteradas, com impactos na alimentação, no acompanhamento, na forma e no desempenho físico. Isso sem falar nas repercussões no trabalho, com redução salarial, perda de patrocinadores e a ausência de competições.

Há uma preocupação ainda maior com o risco de lesões após tanto tempo sem treino e condicionamento. Por isso não devemos focar somente nessas pré-temporadas, mas numa temporada pós-Covid, onde estaremos mentalmente mais treinados para que possa haver uma adaptação gradual e o retorno das competições.

Opinião do Treinador

Segundo o treinador, atleta e profissional de educação física, Raphael Bonatto, este momento está sendo o maior desafio do ano de 2020:

Manter os alunos motivados sem ter uma meta específica é um grande desafio. 2021 será um cenário de incertezas, grandes competições no mundo todo dificilmente serão realizadas se não estivermos com a vacina.

Bonatto juntamente a equipe Go On Outdoor, estão promovendo Camps de treinamento. Eles acreditam e apoiam os desafios pessoais e competições virtuais, para seus alunos se manterem ativos, psicologicamente bem e focados nos treinos.

Visão do atleta

A atleta de grande destaque Ana Paula Silveira, já estava de passagens compradas para o Mundial de Skyrunning para qual foi convocada a disputar em 2020, porém diante do momento, teve que se reinventar e procurar novas rotas:

Eu tive que rever todos os meus planos, minha vida profissional mudou totalmente, eu passei a trabalhar todas as noites nos meses mais críticos, eu deixei de fazer meus treinos na montanha e fui pro asfalto, pois tivemos muitas trilhas fechadas aqui no Rio. Eu tive que me reinventar totalmente, descobrir treinos indoor, e estou buscando evoluir nos meus pontos fracos, descobri a bike como uma alternativa de aumentar o volume semanal sem muito impacto e sem sair de casa, disse.

Ana esteve presente na prova Camelbak Race, e observou que o maior desafio na retomada das provas tem sido o medo. “Os atletas terão que acreditar nas medidas de segurança, vamos acreditar. Manter o foco, escolher bem as provas e aguardar a vacina.”

A atleta Linabel Iramaia Pimentel, ex atleta da Seleção Brasileira Juvenil de Skyrunnning 2019 , relatou que a maior batalha foi continuar com os treinos sem provas alvo e o quanto foi importante uma assessoria para ajudar a estar motivada sempre:

No início foi difícil ver minha prova alvo ser cancelada. Eu tive que aprender a gostar de treinar mesmo sem competir. Meus treinadores me ajudaram a segurar essa barra até que eu percebi que gostava do desconforto e da dor do treino e segui de cabeça firme, pensando em uma futuro melhor. Tive que adaptar toda a minha casa para manter meus treinos online e manter uma outra disciplina. Eu fui fazendo desafios e testes durante esse tempo, melhorei os pontos onde estava com dificuldades e sigo acreditando na volta das competições, relatou.

É preciso nos reinventar

Milhares de corredores já estavam inscritos em muitas provas, que foram entretanto adiadas ou anuladas. É uma situação frustrante, depois de terem sido criadas grandes expetativas para esta ou aquela prova. Mas nas atuais circunstâncias, há valores mais importantes na vida. É preciso reinventar-nos, seja no treino, competindo com nós mesmos, criar novos desafios.

Cada um está vivendo de uma maneira única o seu confinamento – uns mais facilmente, outros com mais dificuldade. Mas saberemos ultrapassar esta fase negativa ocasionada pela pandemia e voltar a ver sorrisos sem máscaras.

As corridas fazem parte das nossas vidas e, como estamos acostumados a superar metas e desafios, este problema será mais um a ser ultrapassado.

One Hundred

O atleta luso-brasileiro e CEO da One Hundred, João Andrade, e a atleta brasileira, Ana Luiza, estiveram, no dia 12 de novembro, percorrendo o "Caminho do Imperador" na tentativa de registrar pela primeira vez o tempo mais rápido conhecido no trecho entre Barra Mansa e a Catedral de Petrópolis, no Rio de Janeiro.

Dois fins de semana se passaram com duas baterias de tentativas de quebra dos recordes e a cada fim de semana o nível vai se elevando fazendo com que o trabalho dos próximos a se desafiar seja ainda mais difícil.


João e Ana Luiza inauguraram o percurso, Ana Luiza sempre constante, conseguiu correr bem e fechou a prova sem muitos problemas em 22h 30min, enquanto João Andrade, CEO da One Hundred, lesionou sua panturrilha direita e teve problemas para desenvolver sua corrida a partir do km 135 mais ou menos, fechando o percurso em 19h 24min.

Na semana seguinte muita expectativa em torno dos atletas, eram 5 (cinco) homens a tentar baixar o tempo de João, não houveram mulheres nesta primeira tentativa de quebra de recorde.

Três atletas saíram com muita força, uma estratégia arriscada até mesmo para os mais experientes. Rodrigo, Sérgio e Jorge estavam acelerando muito e um a um foram perdendo rendimento, exceto Rodrigo que não diminuía o ritmo e aparentava muita força durante todo o trajeto.

O atleta Marcelo Amorim teve problemas de saúde durante a prova e foi obrigado a abandonar precocemente, bem como Sérgio que não teve outra alternativa a não ser abandonar a prova com muitas dores, enquanto o atleta Roger Darrigrand, mais conhecido como Gringo Mineiro, vinha em uma estratégia mais conservadora e consistente, crescia na prova e estava a caça de Rodrigo até que começaram os problemas estomacais que o obrigaram a diminuir o ritmo.

Rodrigo também teve problemas a partir de certa quilometragem, mas nada que o detivesse, sendo o primeiro a cruzar a linha de chegada com o ótimo tempo de 16h 42min.

Roger finalizou a prova em 19h 17min, apenas 7min mais rápido que João Andrade, antigo detentor da melhor marca.

Jorge fechou a prova com 20h 24min e pondo fim a primeira bateria do Rio - FKT Caminho do Imperador One Hundred.


No último fim de semana aconteceu mais uma bateria com 5 atletas, 4 homens e uma mulher com a mesma missão, baixar o melhor tempo conhecido do Rio FKT - Caminho do Imperador da One Hundred.

Adriana Rosa, mais conhecida como Drica, Adriano Ribeiro, Cesar Condrati, Davi Marques e Cesar Picinin foram os escolhidos para a missão. Dada a largada, Picinin tomou a frente e se manteve entre 2 e 5km atrás do "fantasminha - recorde" de Rodrigo, detentor da melhor marca.

Cesar Condrati, Adriano Ribeiro começaram bem próximos um do outro enquanto Drica e Davi Marques também corriam próximos.

Com o desenvolver e passar das horas, Cesar Picinin se manteve constante e ultrapassou o fantasminha de Rodrigo e foi abrindo vantagem por volta do km 100 da prova, Cesar Condrati que vinha em um ótimo ritmo logo atrás de Picinin perdeu um pouco de ritmo e se distanciou bastante, Davi Marques acabou por desistir repentinamente enquanto Drica e Adriano seguiam fortes no caminho do Imperador.

Drica se mostrou muito forte e concentrada durante a segunda parte da prova e abrindo vantagem considerável de Adriano Ribeiro, este confiante em continuar e terminar a prova a qualquer custo.

Cesar Picinin continuou a abrir distância do "fantasminha" de Rodrigo e finalizou a prova em um belo sprint com o tempo de 15h 46min, estraçalhando o recorde da prova e deixando um trabalho bem complicado para os próximos atletas que virão nos próximos rounds.

Condrati conseguiu se manter firme na missão e terminou as 100 milhas do Caminho do Imperador em exatos 19h 35min, um baita resultado para tamanho desafio.

O recorde de Ana Luiza, assim como o de Rodrigo Jararaca, foi quebrado em quase 2 horas, Drica (Adriana Rosa) fechou as 100 milhas em incríveis 20h 43min e as próximas a se desafiarem terão que montar uma ótima estratégia e contar com a sorte para conseguir baixar este magnífico tempo.

Adriano Ribeiro foi a chave de ouro do fim de semana. Mesmo com muitos problemas e já fora do tempo limite estabelecido, ele decidiu finalizar o percurso e com muita garra finalizou com o tempo de 25h 54min (OTL - Outside the limit).


Há que salientar o belíssimo trabalho das 5 equipes presentes nos dois fins de semanas passados, aqui salientamos as vitórias pessoais de cada atleta que enfrentou e percorreu as 100 milhas do Rio - FKT Caminho do Imperador da One Hundred, mas não haveria vitória ou atletas no percurso se não houvessem pessoas tão empenhadas em apoiar, correr, passar a madrugada acordada para que isso fosse possível. Vocês, todos, são campeões, parabéns!


A One Hundred vem fazendo um trabalho diferenciado dentro do cenário Trail e por isso parabenizamos muito o trabalho e empenho da organização e também das pessoas envolvidas em todo processo.

Trans Peneda Gerês

TransPeneda-Gerês – Corrida dos 4 castelos, é uma prova para conquistadores!


Uma prova para Conquistadores de Castelos e serão 4 os castelos a conquistar na versão completa das 100 milhas.

Conquistadores de Paisagens de tirar o fôlego! À medida que os quilômetros vão avançando a paisagem vai mudando constantemente, tornando a prova surpreendente a cada momento!

Conquistadores de sonhos! Serão centenas que, certamente, ano após ano, vão tentar conquistar o seu sonho! O Ultra Trail tem na distância das 100 milhas uma referência mas, pelo fato de se realizar no Parque Nacional Peneda-Gerês, em Portugal, tem um atrativo ainda mais especial! Para imortalizar todos os finishers conquistadores dos quatro castelos na versão 100 milhas, vamos construir um Mural dos Conquistadores no castelo de Montalegre, onde os 88 finishers de Outubro serão os primeiros a ter os seus nomes ali gravados.

Trans Peneda Gerês

Conquistadores de desnível, e são mais de 9.500m de desnível positivo, tornando a prova um autêntico desafio de superação. E a prova não poderia começar melhor com a primeira subida de Melgaço ao alto de Fiães: 1.200m D+ em cerca de 8 quilómetros! Seguem-se a subida da Sra. da Peneda, a incrível subida à Serra Amarela e a subida da Calcedónia. Já na Vila do Gerês e a meio da prova, seguem-se a subida ao miradouro da Pedra Bela e a subida da Cascata do Thaiti ao alto de Pincães, passando por Fafião. O muro de Cabril será a grande novidade, com cerca de 700m D+ em 2,5 quilómetros. A última subida está reservada no planalto da Mourela à saída de Pitões das Júnias.

Um autêntico carrossel de sobe e desce, com uma identidade muito própria, e um desafio tremendo a quem se proponha conquistar.

Queremos um TPG para todos, para todos que tenham a coragem de se aventurar nestas 100 milhas! Para isso damos 50 horas de tempo limite. Desta forma qualquer atleta que faça uma preparação dedicada e uma boa gestão da prova, terá a oportunidade de concluir com sucesso este grande desafio.

Trans Peneda Gerês

Partilhar este desafio com amigos é uma experiência para a vida e poder correr as 100 milhas em equipes de 3 amigos é um atrativo muito enriquecedor.

O TPG existe também para os que querem subir gradualmente na distâncias. Têm como opção os 27, 55 e 105 quilômetros. Todas estas provas são um enorme desafio e permitem viver a experiência deste magnifico evento da Peneda-Gerês.

O TPG é uma prova competitiva mas é muito mais que isso. É um desafio de superação pessoal, uma oportunidade de viver uma experiência memorável convivendo com uma população e cultura muito ricas, é exploração do único parque nacional português! Estas são algumas das razões pelas quais todos os trail runners deveriam participar nesta prova um dia.

Trans Peneda Gerês

Portanto, a solo ou em equipe, não percas esta oportunidade de se tornar um conquistador do TransPeneda-Gerês! Aproveita até ao final do mês as inscrições a preços mais reduzidos.

No dia 12 de novembro às 17h, sob muita chuva, foi dada a largada para a primeira tentativa de FKT (Fastest Known Time – tempo mais rápido conhecido) no percurso denominado “Caminho do Imperador”.

O Percurso teve início em Barra Mansa/RJ e chegada na Catedral de Petrópolis/RJ. Os atletas, João Andrade e Ana Luiza, enfrentaram um percurso bem peculiar com grande desnível nos últimos 44km.

Cada atleta tinha direito a um carro de apoio com no mínimo dois e no máximo 4 pessoas para serem seu suporte, o evento não conta com marcações, cada atleta deve seguir o caminho através de aplicativo que faça a navegação pelo GPX oficial do percurso, bem como a organização disponibiliza GPS para o atleta e o carro de apoio para que as pessoas consigam acompanhar on-line onde o atleta se encontra! Está é a primeira vez que isso é acontece em terras brasileiras.

João Andrade estava a voar pelais caminhos do imperador até que por volta do km 120, ele sentiu a panturrilha direita e perdeu muito tempo pois não conseguia correr a subir nem tampouco a descer.

Ana Luiza, muito experiente, soube dosar muito bem o ritmo e foi constante durante todo o trajeto, sempre com muita alegria e sorriso largo no rosto!

Com o tempo de 19h24min o atleta Luso-brasileiro fechou o percurso e estabeleceu a primeira marca do Caminho do Imperador enquanto Ana Luiza fechou com co tempo de 22h30min.

Crédito: Lipe Nascimento / Clube Radical

Nas quatro próximas semanas 20 (vinte) atletas (entre homens e mulheres) buscarão baixar o tempo de João Andrade e Ana Luiza. Vocês podem acompanhar tudo pelas mídias sociais da One Hundred e também pelo Instagram da Revista Trail Running.

A Revista Trail Running é mídia oficial da One Hundred e estará presente nos próximos desafios!

 

Torrent 2

Novo modelo da marca francesa, ele garante agilidade, propulsão, conforto e cravos agressivos.

Um tênis para provas curtas e médias, tem Cabedal respirável e pra quem gosta e faz questão, este é um tênis VEGANO, ou seja, não utiliza nenhum processo que envolva animais.


Pontos a serem analisados: leveza, ajuste no pé, agilidade, conforto, respirabilidade, durabilidade, proteção dos pés, Grip e preço.

Mas O que a Hoka One One diz do tênis?

Um tênis de corrida ágil, a silhueta aerodinâmica do Tênis Torrent 2 Hoka One One incorpora uma combinação aparentemente contraditória de amortecimento e agilidade. O desempenho leve é possível com uma entressola PROFLY™️, que fornece uma aterrissagem suave e a ponta do pé responsivo. Desenvolvida com uma parte superior de malha projetada, o Torrent 2 utiliza fios reciclados Unifi REPREVE®️ derivados de resíduos de plástico pós-consumo.

Com Cravos realinhados e multidirecionais para melhorar a tração, este tênis de corrida enfrenta uma variedade de terrenos com uma sola de borracha pegajosa.

Vamos partir para a análise ponto a ponto, deste ágil e responsivo tênis, o mais minimalista da marca maximalista (se é que se pode dizer isso para a Hoka).


Tração e Grip: Sem delongas vamos falar do solado, feito para não escorregar em nenhum terreno, a borracha dá uma sensação pegajosa na mão que se confirma durante os treinos, as garras são multidirecionais e bem salientes que proporcionam estabilidade em terrenos molhados como charcos e muita lama.

Impermeabilidade: É um tênis respirável, seu pé não vai ficar abafado lá dentro e a água entra e sai com a mesma facilidade, seu pé não fica ensopado depois de atravessar um rio, por exemplo.

Entressola: tecnologia PROFLY, que une aterrizagem suave e propulsão responsiva na ponta do pé. E DROP de 5mm, diferença entre o calcanhar e a parte da frente do tênis.

Cabedal: Desenhado e projetado para performance, o cabedal não é largo e nem muito estreito, ele acomoda seu pé bem no TOEBOX.

A malha é feita com fios reciclados UNIFI REPREVE (que vem de resíduos de plásticos pós consumo).

Outro ponto importante é a proteção que ele dá nas laterais do tênis com esta espécie de ranhuras para que o desgaste não rasgue o cabedal e que proteja seus pés daqueles tropicões clássicos.

Amarração: Um ponto que me surpreendeu bastante, eu testei o cadarço com somente um laço para ver o quanto ele aguentava sem desamarrar e no fim de seguidos treinos de mais de 6h o cadarço não desfez e seguiu firme, mas claro que eu recomendo (SEMPRE) que você dê laço duplo por melhor que seja o cadarço.


Teste:

Eu aproveitei um feriado e fui para o Parque Estadual de Ibitipoca em Minas Gerais para testar este tênis, foram 3 dias de trail pelas mais duras trilhas e mais de 40km percorridos entre variados tipos de terrenos.

Um dos pontos que mais me chamaram atenção foi como o tênis mesmo sendo maximalista conseguiu me dar estabilidade, isso graças a sua entressola que abraça seu pé, é como se seu pé entrasse na entressola e se acomodasse... outro facilitador é o drop de 5mm, que não é muito.


Resumo:

Um tênis rápido, com muita absorção de impacto e você realmente sente a responsividade na ponta do pé.

Indicado para provas curtas e médias, é o mais leve da linha que veio para o Brasil com apenas 264g e quase podemos dizer que é o tênis minimalista dos maximalistas.

Cabedal respirável, com boa proteção dos pés e com solado agressivo. Amarração muito eficiente e te proporciona estabilidade enquanto corre mesmo nos terrenos mais técnicos.

5mm de drop, seu pé se acomoda confortavelmente na entressola do tênis e garante conforto em cada passada.

Preço médio no mercado de R$ 799,00.


E você encontra no site da Equilíbrio Esportes já desconto e pode utilizar o cupom “EQUILIBRIORTR” para ter mais 10% de desconto.

Então aproveita, acesse o site da Equilíbrio Esportes e aproveitem.

ITRA

A International Trail running Association (ITRA) está procurando membros para seu Comitê Diretor, agora renomeado para Equipe de Liderança, e você pode ser um deles. Claro, não espere grandes recompensas em troca de fazer parte de uma das associações mais influentes do mundo no que diz respeito à trilha. O seu novo presidente, Bob Crowley, já avisa que “é uma oportunidade de agregar voluntários com as características que o ITRA necessita e que queiram dedicar o tempo necessário. Isso inclui: recrutamento de membros, vendas, marketing, finanças e tecnologia. Há vagas para corredores amadores, elites e organizadores”. Se você está interessado no cargo ou quer saber o que está por trás dessas vagas, continue lendo.

Em 7 de abril, em total confinamento, uma notícia completamente inesperada apareceu. Michel Poletti, fundador do Ultra trail du Mont Blanc e um dos organizadores mais influentes do planeta, estava deixando a presidência do ITRA por motivos pessoais. Apenas uma semana depois, o americano Bob Crowley, membro da Associação desde 2019, foi anunciado como presidente para surpresa de muitos, por ser um personagem relativamente desconhecido no mundo. A notícia foi, para dizer o mínimo, surpreendente. O ITRA foi um compromisso pessoal de Michel Poletti no início de 2010 e nasceu, em parte, em resposta à expansão de outras federações como a Federação Internacional de Skyrunning (ISF), que em 2012 teve uma reunião importante durante a Transvulcânia e tentou entrar na ultradistância. Depois de uma reunião com os dirigentes da ISF, Poletti percebeu que sua carreira, que estava em plena expansão, precisava de uma associação federativa para regular o esporte e ajudar a impor sua visão da trilha. Foi assim que ITRA nasceu em 1º de agosto de 2013, com Michel e sua esposa Catherine no comitê permanente junto com outras 12 pessoas, principalmente da França, Suíça e Itália.

De acordo com os estatutos da ITRA, se o cargo de um membro eleito do Comitê Diretor ficar vago nos primeiros dois anos do mandato (de 4 anos), a próxima Assembleia Geral elegerá um substituto para essas pessoas até as eleições seguintes (organizadas em 2023). Ao longo desses dois anos (desde 2019), ocorreram as seguintes saídas:

• Dois membros permanentes – Michel Poletti e Jean-Marc García

• Dois membros populares em execução – Roman Sopka e Laurent Leloup

• Um membro atleta de elite – Nathalie Mauclair

• Um membro organizador – Fernando González Díaz

Estes, então, serão os cargos que serão eleitos na próxima Assembleia do ITRA. Uma das saídas mais significativas é a de Fernando González, organizador da Transgrancaria espanhola. Esta prova anunciou no início de 2020 a sua inclusão no Spartan Trail World Championships e, com toda a probabilidade, deixará de fazer parte do Ultratrail World Tour, o grande circuito internacional que o ITRA apoia. Fernando, membro da associação desde a sua fundação, anunciou a sua demissão no passado mês de Maio em carta aberta.

Qualquer membro do ITRA pode apresentar sua candidatura antes de 31 de outubro

Quem pode se candidatar a essas vagas? De acordo com os estatutos, qualquer membro do ITRA com anuidade em dia pode candidatar-se ao cargo que lhe corresponde. Sua associação ao ITRA deve estar ativa durante o período eleitoral e todo o seu mandato. Também é obrigatório falar inglês para se inscrever. Os interessados devem fazer o download deste formulário e enviá-lo para eleiçõ[email protected] (eleiçõ[email protected]) com o assunto “Candidatura ao Comitê Gestor” até 31 de outubro.

A assembleia será realizada no sábado, 7 de novembro, por meio de uma plataforma online e, posteriormente, o Comitê Gestor, composto por 17 membros, fará a escolha dos candidatos. A ITRA passou em apenas 7 anos de uma associação relativamente pequena, para competir em termos de poder e magnitude com federações bem mais antigas, como a já mencionada ISF ou a World Mountain Running Association. Seu vínculo com a IAAF e, acima de tudo, seu exaustivo Ranking ITRA, tornaram-no uma referência no mundo da corrida em trilha.

Fonte: https://runedia.mundodeportivo.com/amp/noticia/1543/la-itra-busca-nuevos-miembros-para-el-comite-directivo-y-tu-podrias-ser-uno-de-ellos/

Na trilha da ciência

Você já sentiu dificuldade de fazer uma descida muito longa?

Você já sentiu dor articular ou muscular descendo?

Você já se sentiu incapaz de manter o ritmo no plano após uma descida?


Se você respondeu “SIM” para qualquer uma dessas perguntas, você deveria pensar em economia de corrida.

Economia de corrida nada mais é do que correr (no caso, na descida) com o mínimo gasto energético.

Descidas provocam muita microlesão na musculatura, principalmente na parte da frente da sua coxa, portanto é fundamental que você tenha o menor desgaste possível nessas sessões da sua prova.

(Tente lembrar da última descida realmente longa que você pegou, agora tente recordar como você se movimentou nela e como se sentiu…)

Pensando nisso, existem algumas estratégias para evitar ou postergar a fadiga gerada pelas descidas. Uma das estratégias mais conhecidas e utilizadas é alternar a forma como você desce de forma pré determinada, algo como 10 passos ou 30s com antepé, 10 passos ou 30s com calcanhar (quanto mais longa a descida, mais essa técnica é utilizada). Desta forma, teoricamente, você mudando o padrão de passada, muda o recrutamento muscular e consequentemente não tem tanta fadiga generalizada de nenhuma estrutura.  Mas, será que isso ajuda, na prática?

Para responder algo tão determinante no sucesso das provas, o maior grupo de pesquisadores de trail do mundo tentou buscar uma resposta. E, não foram com voluntários aleatórios, foi feita a pesquisa com o top team da salomon, alguns dos melhores corredores do mundo.

Sendo bem sucinto, eles compararam os indivíduos descendo de forma pré determinada e de forma aleatória, ou seja, que cada um descesse da forma que quisesse, sem manter um padrão fixo de passos.

O resultado foi que a mudança pré determinada de forma constante não teve a capacidade de minimizar a fadiga. O estudo sugere que não é a capacidade de alternar a pisada que minimiza a fadiga, mas sim a capacidade de se ADAPTAR ao terreno.

Como aplico isso na prática?

De forma prática, a melhor maneira de minimizar a fadiga em uma descida (quanto mais longa, maior a diferença) é que você tenha um repertório motor extenso, tenha um auto conhecimento bem grande e vivências na maior variedade possível de trilhas, inclinações, terrenos etc…

Desta forma, você vai conseguir saber qual o tipo de pisada utilizar em cada terreno, bem como cada variação de inclinação desse terreno.

Isso é treinável?

Sim, muito! Pegue várias pequenas descidas que você conhece (asfalto, grama, trilha…) faça uma descida com um padrão de pisada, depois teste outro padrão…Com o tempo vá aumentando o tamanho  ou a inclinação dessas descidas e continue testando, quanto mais vivências, melhor…você vai observar que, em determinado momento, você vai estar em um treino (ou prova) e se adaptando naturalmente ao terreno e não mais “brigando” contra. Esse é o sinal que você está economizando energia, um fator determinante no sucesso da sua prova. Quanto mais longa for a prova, mais importante esses pequenos detalhes fazem diferença.

Não é o mais fortenem o mais resistentee, mas o que melhor se adapta”

Ficou com alguma dúvida? Manda uma mensagem inbox no @CristianoFetter_