provas canceladas

Mais dois eventos importantes do cenário nacional anunciam seus adiamentos/cancelamentos.

A “La Misión Brasil” e também a “KTR (Kailash Trail Run) edição de Serra Fina. A decisão das duas organizações se deram após conversa com a prefeitura municipal de Passa Quatro/MG,

A Serra Fina permanecerá fechada e, segundo anúncio da La Misión Brasil, será iniciado um cronograma de manejo de trilhas e áreas de acampamento coordenado.

Este cronograma visa elaborar um plano de manejo nos próximos meses, período propício para este tipo de trabalho.

Segundo as duas organizações, os atletas inscritos têm suas vagas garantidas para o ano de 2022 e mais informações podem ser recebidas através do site, e-mail ou instagram de cada uma.

Lamentamos, entendemos e saudamos as duas organizações por tomarem a decisão com prazo hábil para atletas se organizarem.

Salomon Sense Slab 8

Avaliamos o novo tênis Salomon Slab sense 8 SG (soft Ground) e o que significa “soft ground”?

É a designação para o qual o tênis foi desenvolvido, em tradução literal seria “terreno macio” em tradução livre seria “terreno elamaçado ou com charcos. Os cravos são mais altos e também tem drenos na biqueira para que toda a água que entrar saia facilmente.

A maior novidade é a meia embutida no cabedal – a qual substitui as polainas “anti-detrito”.

Testamos nos mais diversos pisos, com pedras secas, molhadas, charcos, lama, tudo em trilha “single track” para que pudéssemos avaliar ao máximo.

Mas o que a marca francesa diz sobre este tênis?

Desenvolvida pelos principais atletas, o icônico SLab Sense 8 SG da Salomon, apresenta um amortecimento mais suave na parte frontal do pé e um novo sistema “anti-detrito”. Oferece a mesma sensação de solo, precisão, apoio para os pés, o calçado agora é ainda mais leve, com garras mais profundas que a versão “Hard Ground” para ancorá-lo em terrenos macios e molhados.

Pesando apenas 205g, o calçado é minimalista, mantendo todas as características chave como filtro de solo e o apoio preciso.

Biqueira e arco rígido acrescentam uma camada extra de proteção, enquanto o amortecimento mais macio sob a frente do pé aumenta o conforto.

Com meia de malha elástica integrada diretamente na parte superior mantém os resíduos fora, enquanto as aberturas facilitam a evacuação da água.

Nota-se que o tênis realmente foi desenvolvido para terrenos úmidos e se manter muito leve.

Um fator que ajuda muito nos treinos é provas é que ele não tem costuras no cabedal, diminuindo muito a possibilidade de bolhas.

Os drenos na biqueira foi muito bem pensado, ajuda a água sair e seu pé não fica nadando lá dentro quando atravessar um rio ou estiver correndo na chuva, por exemplo.

A entressola é feita com a tecnologia “Energycell” que ao mesmo tempo que ela proporciona conforto na pisada, ela te devolve em impulsão pra frente e sem perder a característica do tênis de sentir o solo.

Na estrutura notamos nitidamente os traços “SenseFit”, que você percebe uma espécie de espuminha dos dois lados e também uma estrutura na língua do tênis que o mantém intacto.

A amarração é muito conhecido e fantástico, o “Quick Lace” que você aperta ou afrouxa muito fácil e acaba com aquela velha história de tênis desamarrado.

No teste que fizemos foi interessante que a meia elástica não deixou entrar detritos, pedras nem nada, foi uma boa experiência e ela não incomoda em nada o tornozelo, parece realmente uma meia.

Em nosso teste o Slab Sense 8 SG se saiu muito bem em quase todos os tipos de terrenos, e este “quase” se deve a um fator clássico, em pedra molhada ele escorregou – e até levei um baita tombo, vale conferir no vídeo do review que fizemos – mas não há tênis no mundo que não escorregue em pedra molhada, então já sabe, redobre a atenção neste tipo de terreno.

Com apenas 4mm de drop este modelo faz jus ao minimalismo, são 19,5mm no calcanhar e na parte frontal são 15,5mm.

Conclusão:

Um tênis muito leve, apenas 205g, com ótimo grip em todo tipo de terreno, especialmente terrenos com lama e charco, ótimo e muito bem pensado sistema de drenagem, não possui palmilha, o que contribui muito para a leveza do tênis, sistema “sense fit” que proporciona a sensação de vestir uma meia e garante estabilidade e segurança nas passadas. Drop de apenas 4mm, meia elástica anti-detrito, conforto e responsividade sem perder a sensação de solo.

E você sabe onde encontrar este e toda linha para o trail running, acesse www.equilibrioesportes.com.br e utilize o cupom “equilibriortr” para garantir seu desconto exclusivo.

E você é assinante da Revista Trail Running, aproveite e peça seu cupom exclusivo de 20% de desconto na compra deste ótimo equipamento.

Se ainda não é assinante, não perca tempo e assine, garanta descontos exclusivos em eventos esportivos, equipamentos e muito mais vantagens.

Regulamento Super Copa Trail

A “Super Copa Trail” da Revista Trail Running será realizada em território Nacional nas modalidades Assessoria/Treinador, Grupos de Atletas, Equipe de Performance e Individual. As disputas serão definidas por livre competição com ranking Nacional e Regional, adulto e juvenil, tanto para atletas do sexo masculino quanto feminino.

1.Rankings:

Art. 1º: Haverá somente um ranking para todas as distâncias, onde a disputa seguirá as seguintes regras:

Parágrafo 1. Haverão três rankings nacionais, por equipes, assessorias e individual, sendo que o individual se dividirá em Adulto e Juvenil e em cada um serão premiados atletas masculinos e femininos.

Parágrafo 2. Os Rankings Nacionais serão os principais e deles serão extraídos os todos os outros resultados de ranking.

Parágrafo 3. Haverão, ainda, os rankings Regionais, por equipes, assessorias e individual, sendo que o individual se dividirá em Adulto e Juvenil e em cada um serão premiados atletas masculinos e femininos.

Parágrafo 4. As equipes, assessorias e atletas individuais poderão se cadastrar na Super Copa Trail a qualquer tempo, sendo certo que sua pontuação, bem como sua classificação no ranking somente será válida após o pagamento da taxa anual de filiação pertinente dos atletas.

Parágrafo 5. Os atletas deverão efetuar o pagamento da taxa até o último dia do mês de JUNHO de 2021 para que seus resultados anteriores ao pagamento sejam validados, após esta data, os atletas que efetuarem o pagamento somente terão os resultados válidos e aplicados no ranking a partir da data do pagamento da taxa.

1.1 Ranking – Assessorias e treinadores

Art. 2º: Toda assessoria e treinadores poderão se habilitar para a Super Copa Trail preenchendo o formulário constante no site da Revista Trail Running (https://www.rtrailrunning.com.br/cadastro-assessorias/).

Parágrafo 1. Qualquer Assessoria/treinador poderá se cadastrar desde que tenha no mínimo 2 atletas habilitados no site da Revista Trail Running. As Assessoria/treinador não terão limite de atletas.

Parágrafo 2. Todo atleta, para se habilitar na Super Copa Trail Trail, deverá se cadastrar e pagar a taxa anual de filiação, ou se tornar assinante da Revista Trail Running.

Parágrafo 3. Toda equipe habilitada formalmente na Super Copa Trail terá um cupom¹ exclusivo para que seus atletas possam se tornar ASSINANTES da Revista Trail Running.

Parágrafo 4. Os atletas somente poderão correr por uma Assessoria/treinador durante o ano, sendo que a janela para mudança de Assessoria/treinador se dará entre os dias 16/12 a 16/01 de cada ano.

Parágrafo 5. O atleta que sair de uma Assessoria/treinador no decorrer do ano desfalcará sua Assessoria/treinador e não poderá somar pontos para uma nova Assessoria/treinador, seus resultados e pontos somente valerão para a premiação individual, equipe de performance e/ou para seu e para sua Assessoria/treinador caso permaneça nele.

Nota 1: O cupom somente será válido para nova ASSINATURA, não será válido para o atleta que quiser pagar somente a taxa anual de filiação.

Art. 3º: A classificação do Ranking por Assessoria/treinador NACIONAL será obtida através da pontuação dos atletas de cada Assessoria/treinador (masculino/feminino) independente da distância, ressalvado o peso de cada faixa de distância.

Art. 4º: A classificação do Ranking por Assessoria/treinador REGIONAL será obtida através da pontuação dos atletas de cada Assessoria/treinador (masculino/feminino) independente da distância, ressalvado o peso de cada faixa de distância.

Parágrafo único: Sendo certo que as Assessoria/treinador poderão competir e somar pontos em provas em todas as regiões do Brasil, entretanto, o ranking Regional será somente entre Assessoria/treinador da região específica.

Ex. Assessoria/treinador da Região Norte competem no ranking da Região Norte, enquanto Assessoria/treinador da Região Sudeste competem com Assessorias/treinadores da Região Sudeste.

Art. 5º: Serão premiadas as 10 (dez) melhores Assessoria/treinador do Ranking Nacional.

Art. 6º Serão premiadas 3 (três) Assessoria/treinador do Ranking Regional.

OBS. Será disponibilizado VIRTUALMENTE as 10 (dez) melhores Assessorias/Treinadores de cada Estado, entretanto, não haverá premiação local.

1.2 Ranking – Grupos de Atletas

Art. 7º: Todo Grupo de Atleta poderá se habilitar para a Super Copa Trail preenchendo o formulário constante no site da Revista Trail Running (www.rtrailrunning.com.br).

Parágrafo 1. Qualquer Grupo de Atleta poderá se cadastrar desde que tenha no mínimo 2 atletas habilitados no site da Revista Trail Running. Os Grupos de Atletas não terão limite de atletas.

Parágrafo 2. Todo atleta, para se habilitar na Super Copa Trail Trail, deverá se cadastrar e pagar a taxa anual de filiação, ou se tornar assinante da Revista Trail Running.

Parágrafo 3. Todo Grupo de Atleta habilitado formalmente na Super Copa Trail terá um cupom¹ exclusivo para que seus atletas possam se tornar ASSINANTES da Revista Trail Running.

Parágrafo 4. Os atletas somente poderão correr por um “Grupo de Atleta” durante o ano, sendo que a janela para mudança de Equipe se dará entre os dias 16/12 a 16/01 de cada ano.

Parágrafo 5. O atleta que sair de um Grupo de Atleta no decorrer do ano desfalcará seu Grupo de Atleta e não poderá somar pontos para uma novo Grupo de Atleta, seus resultados e pontos somente valerão para a premiação individual, equipe de performance e/ou para sua Assessoria/treinador caso permaneça nela.

Nota 1: O cupom somente será válido para nova ASSINATURA, não será válido para o atleta que quiser pagar somente a taxa anual de filiação.

Nota 2: O atleta somente precisará pagar a taxa de filiação uma única vez para participar de todos os rankings da Super Copa, exceto o ranking exclusivo para assinantes da Revista Trail Running.

Art. 8º: A classificação do Ranking por Grupo de Atleta NACIONAL será obtida através da pontuação dos atletas de cada Grupo de Atleta (masculino/feminino) independente da distância, ressalvado o peso de cada faixa de distância.

Art. 9º: A classificação do Ranking por Grupo de Atleta REGIONAL será obtida através da pontuação dos atletas de cada Grupo de Atleta (masculino/feminino) independente da distância, ressalvado o peso de cada faixa de distância.

Parágrafo único: Sendo certo que os Grupos de Atletas poderão competir e somar pontos em provas em todas as regiões do Brasil, entretanto, o ranking Regional será somente entre Grupos de Atletas da região específica.

Ex. Grupos de Atletas da Região Norte competem no ranking da Região Norte, enquanto Grupos de Atletas da Região Sudeste competem com Grupos de Atletas da Região Sudeste.

Art. 10º: Serão premiados os 10 (dez) melhores Grupos de Atletas do Ranking Nacional.

Art. 11º Serão premiados os 3 (três) Grupos de Atleta do Ranking Regional.

OBS. Será disponibilizado VIRTUALMENTE os 10 (dez) melhores Grupos de Atletas de cada Estado, entretanto, não haverá premiação local.

1.3 Ranking – Equipes Performance

Art. 12º: Toda equipe poderá se habilitar para a Super Copa Trail preenchendo o formulário constante no site da Revista Trail Running (https://www.rtrailrunning.com.br/cadastro-equipes/).

Parágrafo 1. Qualquer Equipe poderá se cadastrar desde que tenha no mínimo 2 atletas habilitados no site da Revista Trail Running.

As Equipes terão limite máximo de 10 atletas, entre homens e mulheres.

Parágrafo 2. Todo atleta, para se habilitar na Super Copa Trail Trail, deverá se cadastrar e pagar a taxa anual de filiação, ou se tornar assinante da Revista Trail Running.

Parágrafo 3. Toda equipe habilitada formalmente na Super Copa Trail terá um cupom¹ exclusivo para que seus atletas possam se tornar ASSINANTES da Revista Trail Running.

Parágrafo 4. Os atletas somente poderão correr por uma Equipe durante o ano, sendo que a janela para mudança de Equipe se dará entre os dias 16/12 a 6/01 de cada ano.

Parágrafo 5. O atleta que sair de uma Equipe no decorrer do ano desfalcará sua equipe e não poderá somar pontos para uma nova Equipe, seus resultados e pontos somente valerão para a premiação individual e para sua Assessoria/treinador caso permaneça nela.

Nota 1: O cupom somente será válido para nova ASSINATURA, não será válido para o atleta que quiser pagar somente a taxa anual de filiação.

Nota 2: O atleta somente precisará pagar a taxa de filiação uma única vez para participar de todos os rankings da Super Copa, exceto o ranking exclusivo para assinantes da Revista Trail Running.

Art. 13º: A classificação do Ranking por equipes NACIONAL será obtida através da pontuação dos atletas de cada Equipe (masculino/feminino) independente da distância, ressalvado o peso de cada faixa de distância.

Art. 14º: A classificação do Ranking por Equipe REGIONAL será obtida através da pontuação dos atletas de cada equipe (masculino/feminino) independente da distância, ressalvado o peso de cada faixa de distância.

Parágrafo único: Sendo certo que as Equipes poderão competir e somar pontos em provas em todas as regiões do Brasil, entretanto, o ranking Regional será somente entre Equipes da região específica.

Ex. Equipes da Região Norte competem no ranking da Região Norte, enquanto Equipes da Região Sudeste competem com Equipes da Região Sudeste.

Art. 15º: Serão premiadas as 5 (cinco) melhores Equipes do Ranking Nacional.

Art. 16º Será premiada 1 (uma) Equipe do Ranking Regional.

OBS. Será disponibilizado VIRTUALMENTE as 10 (cinco) melhores Equipes de Performance de cada Estado, entretanto, não haverá premiação local.

1.4 Ranking EXCLUSIVO ASSINANTES DA REVISTA TRAIL RUNNING

Art. 17º: Haverá um ranking exclusivo para assinantes da Revista Trail Running com premiação dos 10 melhores atletas masculinos e femininos a nível nacional e dos 5 melhores atletas masculinos e femininos em cada região do Brasil.

Parágrafo 1. Para participar do Ranking EXCLUSIVO DE ASSINANTES DA REVISTA TRAIL RUNNING Os atletas deverão efetuar o pagamento da ASSINATURA até o último dia do mês de JUNHO de 2021 para que seus resultados anteriores ao pagamento sejam validados, após esta data, os atletas que efetuarem o pagamento somente terão os resultados válidos e aplicados no ranking a partir da data do pagamento da taxa.

1.5 Ranking – Individual

Art. 18º: Todo atleta para se habilitar na Super Copa Trail deverá se cadastrar e pagar a taxa anual de filiação, ou se tornar assinante da Revista Trail Running.

Parágrafo único: Pessoas que já sejam assinantes da Revista Trail Running, antes do lançamento da Super Copa Trail estarão, automaticamente, habilitas para as disputas, entretanto, caso a pessoa queira integrar alguma assessoria/treinador, Grupo de Atleta ou Equipe de Performance, ela deverá entrar em contato com a Revista Trail Running pelo email ([email protected]) e solicitar a inclusão da assessoria/treinador, Grupo de Atleta e Equipe de Performance em seu cadastro.

Art. 19º: A classificação do Ranking individual NACIONAL será obtida através da pontuação nas provas da Super Copa independente da distância, ressalvado o peso de cada faixa de distância.

Art. 20º: A classificação do Ranking individual REGIONAL será obtida através da pontuação nas provas da Super Copa, independente da distância, ressalvado o peso de cada faixa de distância.

Art. 21º: A classificação será dividida por sexo, masculino e feminino.

Art. 22º: Serão premiados os 10 melhores atletas Nacionais masculinos e femininos.

Art. 23º: Serão premiados os 5 (cinco) melhores atletas de cada região do Brasil (masc/fem).

OBS. Será disponibilizado VIRTUALMENTE os 10 (dez) melhores Atletas (masc/fem) de cada Estado, entretanto, não haverá premiação local.

Parágrafo 1: Serão premiados, ainda, os 3 melhores atletas masculinos e femininos de cada categoria de idade no Ranking Nacional.

Parágrafo 2: CATEGORIAS DE IDADE

  • 1- Menores de 23 anos (juvenil) – Categoria à parte;
  • 2- 24 a 35 anos;
  • 3- 36 a 45 anos;
  • 4- 46 a 55 anos;
  • 5- 56 a 65 anos;
  • 6- acima de 65 anos.

Art. 24º: Haverá premiação dos 3 melhores atletas de cada Região do Brasil masculino e feminino.

Art. 25º: Haverá classificação específica para atletas juvenis.

Parágrafo único. Considera-se juvenil o atleta masculino e feminino menor de 23 anos até a data da última competição da Super Copa.

Art. 26º: Serão premiados os 5 primeiros atletas juvenis Nacionais masculinos e femininos.

Art. 27º Haverá premiação do melhor atleta juvenil de cada Região do Brasil masculino e feminino.

OBS. Será disponibilizado VIRTUALMENTE os 5 (cinco) melhores Atletas Juvenis de cada Estado, entretanto, não haverá premiação local.

2. Competições duplas, trios e quartetos.

Art. 28º: As competições que tiverem disputas com duplas ou mais pessoas, estes pontuaram para suas assessorias e equipes normalmente desde que os atletas participantes sejam da mesma equipe ou assessoria. Caso os atletas sejam de equipes ou assessorias diferentes, não serão creditados pontos para nenhuma das assessorias ou equipes.

Art. 29º: Os atletas que competirem em duplas ou maior número de atletas pontuarão normalmente no ranking individual, desde que TODOS tenham feito o percurso inteiro, caso seja em revesamento, os atletas pontuarão com o peso das faixas de distâncias correspondente a distância executada.

3.Pontuação e pesos das faixas de distâncias.

3.1. Pontuação:

Art. 30º: O Super Copa Trail “by” Revista Trail Running distribuirá pontos para todos atletas FINISHERS em todas as provas da Super Copa (masc/fem) como segue:

1º = 50 pontos;
2º = 45 pontos;
3º = 40 pontos;
4º = 35 pontos;
5º = 30 pontos;
6º = 25 pontos;
7º = 20 pontos;
8º = 18 pontos;
9º = 16 pontos;
10º = 14 pontos;
11º = 12 pontos;
12º = 10 pontos;
13º = 8 pontos;
14º = 7 pontos;
15º = 6 pontos;
16º = 5 pontos;
17º = 4 pontos;
18º = 3 pontos;
19 = 2 pontos;
20º em diante = 1 ponto.

3.2 Pesos por faixas de distâncias.

Art. 31º: As distâncias das provas terão diferentes pesos para cada faixa de distâncias.

Parágrafo 1: O intuito em adotarmos o sistema de pesos é pelo fato de um atleta que corre distâncias menores ter condições de participar de um número de provas muito maior que um atleta que corre uma distância mais larga como 100km ou 160km. Enquanto um atleta de 10km ou 21km poderia correr praticamente todo fim de semana, um atleta que corre uma prova de 160km correrá no máximo 4 provas no ano.

Art. 32º: Os pontos conquistados por cada atleta em sua classificação serão multiplicados pelo valor do peso de sua faixa de distância e este será o valor que constará em todos os rankings, seja por equipes ou individual.

    • Até 21km – peso 1;
    • Entre 22km até 49km – peso 2;
    • Entre 50km até 99km – peso 3;
    • Acima de 100km – peso 4.

Parágrafo 1: Não será considerado para efeito de “peso por faixa de distância” o quilômetro/esforço – que é o cálculo feito entre a relação distância e ganho/perda de altimetria.

Parágrafo 2: A distância a ser considerada para efeito e aplicação dos “pesos por faixa de distância” será o divulgado oficialmente pela organização da prova, sendo descartado qualquer prova em contrário oferecida por um ou mais atletas, mesmo que por associações, grupos de atletas ou assessorias esportivas.

4. Organizadores e eventos da Super Copa 2021

Art. 33º: Os eventos participantes da Super Copa Trail serão aqueles realizados por organizadores registrados previamente e que obedeçam a seleção em qualidade organizacional, percursos e estrutura.

Art. 34º: Fazem parte da Super Copa Trail as seguintes organizações: (SUJEITO A MUDANÇAS)

  • Ultra do Céu
  • KTR (Kailash Trail Run)
  • La Misión Brasil
  • WTR (Serra do Mar e Arraial do Cabo)
  • Camelbak Mountain Race
  • Indomit (Mantiqueira, Pedra do Baú, Serra da Mantiqueira)
  • XC Run (Búzios e Itaipava)
  • Desafio das Serras (Brasil, Ultra)
  • Circuito das Serras
  • UT Eventos (Jaraguá SkyMarathon, Extreme Winter, Odisseia Ultra e Rota das Águas)
  • Ultramaratona dos Perdidos
  • Xtreme Run Gramado
  • Evolution
  • Pedra grande Ultra Trail
  • Mountain Do (Costão do Santinho, Lagoa da Conceição, Fernando de Noronha)
  • Run Brasil Ride
  • Insanity (Mestre Álvaro, Buenos Aires, Polenta Off Road, Venda Nova)
  • Mons Ultra Trail
  • Ladeiras da Penha
  • Xterra Brasil (Estrada Real, Costa Verde e Búzios)
  • UltraMacho (Senta a Púa, Vale das Águas, Águas do Cerrado, Toroari e Rondonópolis)
  • Desafio das Serras Off Road (Monte das Gameleiras, Bananeiras, Bonito e Fernando de Noronha)
  • Desafio Serra dos Matões
  • To Goal (Circuito trilha e praia (4 etapas), Desafio espírito do guerreiro da selva, Viva+ Trail Run e Ultra Trail Amazônica)
  • Desafio Delta do Parnaíba
  • Desafio Raiz Tapera
  • Beach Run
  • Gantuá (Gantuá e Ultra Trail Chapada Diamantina)
  • Forrest Run
  • Desafio Serra da Bodoquena
  • Bocaina Park Trail
  • Horizontes SkyRace

Art. 35º: As datas e regulamentos são de encargo de cada evento.

Art. 36º: Assinantes da Revista Trail Running têm descontos exclusivos em todas etapas de quaisquer eventos acima citados, basta, para tanto, requisitar seu cupom no site da própria Revista Trail Running no endereço (www.rtrailrunning.com.br/eventos).

5.Do Vale Dourado.

Art. 37: Haverão 3 (três eventos) com o “Vale Dourado”:

1º: O evento “Ultra do Céu” será o evento de abertura da Super Copa Trail e os vencedores (masculino e feminino) das modalidades 80 e 50km conquistarão o Vale Dourado para a “Final da Super Copa Trail” no evento “Cambotas Marathon” a se realizar no fim do ano, em data a ser anunciada oportunamente.

2º: Os vencedores (masculino e feminino) das modalidades 80 e 45km da “Ultramaratona dos Perdidos” conquistarão o Vale Dourado para a “Final da Super Copa Trail” no evento “Cambotas Marathon” a se realizar no fim do ano, em data a ser anunciada oportunamente.

3º: Os vencedores (masculino e feminino) das modalidades 105, 85 e 55km da “Mons Ultra Trail” conquistarão o Vale Dourado para a “Final da Super Copa Trail” no evento “Cambotas Marathon” a se realizar no fim do ano, em data a ser anunciada oportunamente.

6. Cambotas Marathon

Art. 38: O Evento Cambotas Marathon será realizado na cidade de Barão dos Cocais, em Minas Gerais, em data a ser definida. Trata-se de um percurso único de 42km com características de Montanha, o terreno por ser muito técnico e por ter uma relação distância/ganho de elevação muito acentuado se apresentará como uma chave de ouro da Super Copa Trail.

Parágrafo único: Para os atletas juvenis haverá o percurso de 21km onde somente estes poderão competir.

6.1 Como participar

Art. 39. As 25 melhores Assessorias/Treinadores da Super Copa Trail estarão classificadas e cada Assessorias/Treinadores terá direito a inscrever 3 (três) atletas masculinos e 3 (três) atletas femininos, desde que tenham participado do campeonato brasileiro e não tenham corrido por outra Assessorias/Treinadores no ano vigente.

Art. 40. Os 25 melhores Grupos de Atletas da Super Copa Trail estarão classificadas e cada Grupo de Atleta terá direito a inscrever 3 (três) atletas masculinos e 3 (três) atletas femininos, desde que tenham participado do campeonato brasileiro e não tenham corrido por outro Grupo de Atleta no ano vigente.

Art 41. As 25 melhores Equipes de Performance da Super Copa Trail estarão classificadas e cada Equipe terá direito a inscrever 2 (dois) atletas masculinos e 2 (dois) atletas femininos, desde que tenham participado do campeonato brasileiro e não tenham corrido por outra Equipe no ano vigente.

Parágrafo único: Não será necessário que os atletas sejam os maiores pontuantes da Assessorias/Treinadores ou Equipes, eles poderão ser selecionados de acordo com os critérios de cada Assessoria/treinador ou Equipe.

Art. 42. Com o intuito de ampliar a participação de atletas juvenis, será admitida a inscrição e participação de atletas que não tenham participado da Super Copa Trail.

Art. 43. O atleta juvenil que se classificar no ranking adulto poderá abrir mão de participar da prova juvenil e competir na prova adulto desde que seja maior de idade no sentido legal. Esta decisão deverá ser comunicada a organização com no mínimo 30 dias de antecedência.

Art. 44. Os 50 primeiros atletas da classificação geral (masculino e feminino) terão vaga garantida na final na Cambotas Marathon em Barão dos Cocais.

Parágrafo único: Caso algum atleta da lista dos 50 primeiros já tenham sua vaga no evento por conta de sua Assessoria/Treinador, Grupo de Atleta ou equipe o ter escalado, serão chamados os próximos da classificação até que se completem as vagas.

Art. 45. Os 10 primeiros atletas (ASSINANTES DA REVISTA) da classificação geral (masculino e feminino) terão vaga garantida na final na Cambotas Marathon em Barão dos Cocais.

Parágrafo único: Caso algum atleta (ASSINANTES DA REVISTA) da lista dos 10 primeiros já tenham sua vaga no evento por conta de qualquer outra escalação, serão chamados os próximos da classificação até que se completem as vagas.

Art. 46. Serão reservadas 50 vagas para atletas de elite (masculino e feminino) independente de participação no Ranking.

Parágrafo único: Considera-se atleta de elite os atletas com os seguintes pontos ITRA:

    • Masculino: 700 pts
    • Feminino: 600 pts

Art. 47. Atletas, comprovadamente, residentes nas cidades do entorno da Serra de Cambotas como, Catas Altas, Barão de Cocais e Santa Bárbara, terão até 20 (vinte) vagas na Cambotas Marathon.

Parágrafo único: caso tenha mais de 20 intenções de participação, haverá sorteio das vagas.

A eleição de melhores do ano da RTR Awards será feita em paralelo e a premiação realizada no mesmo evento de premiação da Super Copa Trail.

 

Pat Run

Com estritos protocolos sanitários, foi realizada em San Martín de los Andes uma nova edição do Patagonia Run Columbia Montrail onde o nascido em Junín de los Andes, Sergio Pereyra, foi coroado nas 100km com um tempo de: 21hs 30 min 25seg.

O pódio foi completado com Luciano Pilatti com 21h 58 min 18 seg, em terceiro lugar Gabriel Santos Rueda com 22h 08 min 42 seg e o quarto colocado foi para Facundo Romera com o tempo de 22h 23 min 14 seg.

As 100mi feminino foram para Adriana Vargas com 26h 26 min 25 seg, em segundo lugar, Tania Diaz Slater 26h 30min 27seg, Veronica Ramirez em terceiro lugar 26hs 55min 23seg e Sofia Cantilo com 29hs 40 min 18seg.

Em relação aos 110k, foi Jesus Agüero quem liderou, em segundo lugar, Miguel Lottero e Nicolas Alfageme completam o pódio. Os 110k femininos ficaram com Eliana Marinero, a segunda colocada foi Martina Demateo e a terceira de Elisa Maria García.

Os 70k masculinos foram para Ricardo Manzur, Ramiro Torres e Marcos Suhit, enquanto a categoria feminina Emilia Moreno, Ma de los Angeles Oyarbide Corvalan e Alejandra Pennissi.

A premiação dos 42k masculino ficou assim: o primeiro lugar para Hugo Rodriguez, o segundo lugar para Joaquin Narvaez e o terceiro lugar para Diego Simon, enquanto o pódio feminino Roxana Flores foi a campeã, seguida de Yennifer Castro e Ruth Onate.

Para ver a classificação completa, acesse: https://www.patagoniarun.com/es/resultados/resultados-2021

A competição faz parte do Spartan Trail World Championship é “CROWN LABEL” e seu prêmio em dinheiro totaliza US $ 25.000 para as categorias Elite (100Mi e 42k).

A cidade de San Martín de los Andes se vestiu como uma anfitriã para receber competidores que vivenciaram adrenalina, aventura e paisagens de tirar o fôlego. No marco da pandemia, Patagonia Run Columbia Montrail se realizou e aprovou protocolos sanitários rigorosos na província de Neuquén para cuidar dos corredores que vinham desfrutar de cada percurso do National Park Lanín.

Mika Picin

Nesta semana, a atleta Mirlene Picin inicia o curso CISO para jornalistas oferecido pelo COB (Comitê Olímpico Brasileiro) através do IOB (Instituto Olímpico Brasileiro).
O CISO (Curso de Introdução ao Sistema Olímpico) difunde as informações, as diretrizes e os conceitos do Movimento Olímpico para os profissionais oriundos dos veículos de comunicação, que realizam a cobertura de grandes eventos esportivos, como Jogos Olímpicos de Verão e Inverno, Jogos Olímpicos da Juventude de Verão e Inverno, Jogos Panamericanos, Sulamericanos e Campeonatos Mundiais de todas as modalidades Olimpicas.

FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ALTA QUALIDADE

O Instituto Olímpico Brasileiro (IOB) é o departamento de educação do COB para o esporte olímpico. O seu objetivo maior é gerar e difundir conhecimento ao promover uma formação profissional de alta qualidade por meio de programas de capacitação e desenvolvimento. Em cursos, seminários, congressos e demais eventos acadêmicos e científicos, o IOB pretende contribuir de forma significativa para o amadurecimento do esporte nacional de alto rendimento.

O IOB atua por meio dos seus principais programas: Programa de Gestores, Programa de Carreira do Atleta, Academia Brasileira de Treinadores, além de realizar Projetos Especiais.

Para realizar os cursos oferecidos pelo COB e IOB, é necessário ser ou ter sido atleta de alto rendimento de modalidades olimpicas de inverno e verão e fazer ou ter feito parte das equipes nacionais olimpicas, ter vinculo com alguma confederação olimpica nacional e atuar e ter formação na área do curso em questão.
Devido a pandemia, todo o curso será ministrado de maneira on line em formato EAD.

Mirlene Picin é formada em Comunicação pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2001) e Educação Física pela Claretinao (2018).
A atleta integra as equipes nacionais de ski cross country e biathlon, ambos esportes Olímpicos de Inverno desde 2008.
Atua profissionalmente na área de comunicação, design e marketing.
Em 2018 fez parte da equipe de transmissão dos Jogos Olímpicos de Inverno em Peyong Chang. Nos canais GLOBO e SPORTV, atuou como comentarista das competições exibidas no Brasil.

Capa Site Boi Preto
Por: Valmir Lana Jr.

Era 23:40h da noite de uma sexta-feira quando desci do carro na escuridão para percorrer os longos e solitários 84 quilômetros da Boi Preto (@boipretoultra).

Sem eu saber a Gabi (@gabspaschoalini), minha esposa, filmou o momento, eu já estava pilhado e procurava um local para “guardar” minha garrafa de 1,5L de água numa moita pois passaria neste mesmo local por volta de 03:00h da madruga com 28km nas pernas...

Noite sem lua, trilha dos escravos escorregava muito, como de costume, muito cuidado pra não machucar nesta descida difícil de 3,5k com -400m de desnível.

Durante o percurso de 10k em estrada pude correr tranquilo, até aparecer uns 10 cachorros pra testar o sangue frio do cidadão aqui...

Enfim cheguei ao bar do Riva e segui pra trilha que levaria a primeira cachoeira e ao topo da montanha da Serra da Moeda, o trecho conhecido como “fim do mundo”...

No meio da subida a neblina veio como um lençol em conjunto com a luz da lanterna, não conseguia ver onde pisava, mas tbm não queria andar, mais tropicava que corria, mas fui, finalizei os 28km em 3h 15’, um pouco acima do pretendido, mas tava feliz de ter chegado na minha garrafa que tinha escondido na moita!

Agora era hora de pegar mais 10km do trecho conhecido como “Topo do Mundo”, a neblina havia ficado pra trás, mas a escuridão de uma noite sem lua não me dava visão além do que a lanterna iluminava, era somente olho na trilha e segue o jogo...

Quem conhece este trecho sabe como tem subida, curtas, mas bem íngremes e técnicas... mas pra mim foi muito corrivel, me lembro de andar umas duas vezes ou três, no máximo... desta vez fiz o trecho um pouco mais rápido que o planejado...

Cheguei no final do Topo do Mundo feliz, já tinha passado de 5h de corrida e 38km... agora viria uma longa e penosa descida de uns 10km e mais 5k com subidas e descidas até chegar ao pé da trilha que da nome ao desafio...

Eu tentava decifrar uma passagem e acabei caindo dentro de uma vala que não dava pra ver... fiquei assustado pois ainda estava escuro e não sabia a profundidade ou o que teria la dentro... bati meu lado esquerdo bem forte e sai rápido dali e nem olhei o Wikiloc, sai num vara mato pois sabia que a trilha estava praquele lado... e realmente encontrei!

Dei aquele confere na perna esquerda e vi que foram so escoriações leves e segui em ritmo bom, a descida é forte, em asfalto, o dia amanhecia, podia ver o sol iluminando a parte debaixo de algumas nuvens, o ar fresco ainda arrepiava a pele e sentia que o dia, dali pra frente, seria quente!

Não tinha jeito, aquela descida faz vc travar todos os passos e vai moendo sua musculatura... não dava pra soltar as pernas pois pagaria caro la na frente mas travar tbm não era um bom negócio...

No fim da descida aproveitei para comer mais, me hidratar bem e jogar o lixo fora... passei em Piedade do Paraopeba com 6h e pouco de corrida e me permiti andar um pouco, comi uns doces com calma, bebi água tranquilo e quando fui voltar a correr senti uma dor na minha virilha, em seguida doeu “meio que a cabeça do meu fêmur esquerdo”; voltei a andar, apalpei e não doeu... pensei que teria sido a pancada no capote na vala... voltei a correr pra ver se parava, mas não parou, não estava insuportável, mas estava lá!

Quando cheguei no km 53, entrada da trilha da Boi Preto, pensei: “agora que vai ficar difícil”... - lembro que tinha feito este mesmo trecho no sábado anterior, são 31km com 1900+ muito travado - me questionei se valia a pena seguir e decidi abortar e ir direto pra Casa Branca (+ 6km).

Em 3 semanas eu estaria na Patagônia Run para correr as 100 milhas e arriscar uma lesão tão próximo seria mais que imprudência, seria burrice mesmo!

Segui feliz pra Casa Branca sabendo que tinha feito um BAITA treino, foram 58km com 2400+ em 7h40’.

Na chegada uma boa Coca gelada, um torrone e aquela msg pra patroa, “pode me buscar já”...

No fim das contas, sabadão ainda tomei café da manhã com minha mulher e comi muita porcaria o resto do fds!

Minha história com a Boi Preto ta 2x1 pra ele... mas tá longe do apito final... em breve teremos mais!

Como é bom ter algo como a Boi Preto do lado de casa pra te por medo, te derrubar e, às vezes, você conseguir finalizar! Muito aprendizado envolvido!

A organização toma esta decisão porque a situação de saúde continua incerta em todo o país

A organização da Spain Ultra Cup, a cargo da empresa Arista Eventos, tomou a dura decisão de cancelar a edição 2021 do circuito, que já foi afetada no ano passado devido à situação gerada pela pandemia, por causa da incerteza sanitária em todo o país.

Após seis anos do evento, o circuito teve que cancelar a competição em 2020, já que apenas a Transgrancanaria poderia ser realizada no mês de março. Este novo ano, apesar da previsível melhora da situação sanitária, a preocupação gerada pelos diferentes níveis de alerta nos territórios do país têm favorecido a decisão responsável da organização de não pedir aos corredores um mínimo de viagens e corridas realizadas sem terem o certeza de poder cumprir um roteiro completo ao longo do ano.

No entanto, cada prova que fizer parte da Ultra Cup anunciará suas próprias medidas de segurança para a realização dos eventos em um ano tão complicado, cujas comemorações são necessárias para não perder de vista o esporte e reativar a situação econômica de muitas empresas e municípios.

Por isso, o circuito formado por Transgrancanaria, Penyagolosa Trails, Riaño Trail Run, Ultra Sierra Nevada, Gran Trail de Peñalara, Ultra Trail Guara Somontano y Haría Extreme Lanzarote espera poder reunir os participantes de seus respectivos eventos em provas com novos protocolos sanitários para este ano.

Um possível retorno a 2022 será avaliado ao longo do ano, o que, esperamos, que seja muito mais promissor.

Foto: Melanie Rousset

Fonte: www.trailrun.es

Clifton 7

Novo modelo da marca francesa, ele grante Agilidade, propulsão, conforto e amortecimento.


Um tênis para treinos e provas curtas e médias, tem Cabedal muito respirável e pra quem gosta e faz questão, este é um tênis VEGANO, ou seja, não utiliza nenhum processo que envolva animais.

Cabedal e respirabilidade: A malha do cabedal é incrivelmente aberta o que proporciona muita respirabilidade, e leveza, além de propiciar uma ótima vasão de água caso passe por rios e córregos… Entretanto justamente por ter esta malha aberta não foi legal para correr em dunas.

Solado: A sola é composta de um material muito resistente a abrasão, fiz mais de 160km de treinos no sol do meio dia e como podem ver o solado ainda continua “novo”.

Entressola: Entressola em EVA com muito amortecimento e propulsão, tem também a base mais plana fazendo com que o contato com o solo seja maior e garante ao mesmo tempo estabilidade e conforto na pisada.

Amarração: Cadarço bem fino e elástico, com boa fixação, durante todos os treinos e provas ele não desamarrou nenhuma vez e isso é raríssimo. Mas vc não precisa de testar isso, aconselho a sempre dar o laço duplo.

Drop: São 5mm de diferença entre o calcanhar e a parte da frente do tênis.

Peso: 164 gramas.


Teste:

Apesar de ser atleta de Ultra Trail, eu, como a maioria dos atletas, treino no asfalto durante a semana e querendo ou não preciso de tênis bons para treinos de rodagem, fartlek e tiros.

E além disso, eu tinha uma prova de 47km em Dunas e areia fofa lá no Piauí, o Desafio Delta do Parnaíba e me indicaram um tênis com a base maior para não afundar na areia e que fosse muito confortável para as partes de areia dura… Então, pensei “Hoka One One”.

Fiz muitos treinos com o Clifton 7 e estava confiante para fazer uma belíssima prova, e quer saber o que aconteceu?

A base larga ajudou para não afundar tanto, mas não teve jeito, afundei bastante nas dunas e o que levou a outro problema… o cabedal é bem arejado e isso fez com que a areia entrasse muito facilmente e acabei correndo com o tênis lotado de areia por 14km.

Depois que tirei a areia e começou o trecho de praia foi tudo perfeito, o amortecimento e a base plana fez a diferença e consegui concluir bem a prova.

RESUMO:

Em suma é o típico tênis feito para correr na rua, com muita respirabilidade, conforto extremo, propulsão na segunda fase da pisada e muito, mas muito leve… além disso tudo, o que me atraiu bastante é o drop de apenas 5mm.

A sensação de conforto é algo impressionante, sua pisada fica macia e o tempo todo você aproveita a corrida.

E o clifton 7 você encontra na Equilíbrio Esportes na faixa de R$ 899,90 e pra vc que ta assistindo este review, com o cupom EQUILIBRIORTR você garante um bom desconto e para quem é assinante da Revista Trail Running já sabe, você tem desconto exclusivo na compra deste e de muitos outros equipamentos na Equilíbrio Esportes.

Se ainda não é assinante, não perca tempo e ASSINE AGORA para ter descontos exclusivos em equipamentos e em inscrições nos principais eventos do Brasil.

Apesar do cancelamento do Vibram Hong Kong 100 em outubro passado, o Ultra-Trail® World Tour lança sua temporada de 2021 com um novo formato de corrida: o HK100 Flex. Os corredores podem escolher percorrer o curso real do Vibram Hong Kong 100 ou podem participar de qualquer lugar do mundo com o UTWT Virtual Club. A prova HK100 Flex começou no sábado, deixando 1 mês para os participantes completarem seu desafio percorrendo uma das duas principais distâncias da prova: o HK100 Flex (103km) ou o Half HK100 Flex (56km). Quanto à comunidade internacional, todos estão convidados a participar e ingressar no Clube Virtual UTWT a partir de 22 de janeiro.

“Esta ideia é muito importante para nós e dado o contexto atual, é fundamental ter flexibilidade e saber adaptar-se. O HK100 Flex já é um grande sucesso e a nossa comunidade está a apreciar muito este projeto: já se inscreveram 330 corredores, 24 % delas são mulheres. Além disso, alguns atletas de elite – incluindo Yan Lu da China, um dos melhores corredores do mundo – aderiram ao desafio. Dessa forma, toda a comunidade UTWT pode participar da primeira corrida da temporada, estejam eles em casa ou no exterior”, explica Marie Sammons, diretora do Ultra-Trail®

Os corredores que concluírem o HK100 Flex no local receberão muitos prêmios, incluindo 3 Running Stones que permitem o acesso às corridas UTMB® Mont-Blanc. Todos os participantes que concluírem um dos desafios terão uma chance extra na loteria de se inscrever para o Vibram Hong Kong 100 do próximo ano. Os corredores conseguirão completar a corrida em menos de 18 horas (categoria feminina) e em menos de 16 horas (categoria masculina )? Para descobrir, confira os rankings oficiais. As inscrições estão abertas e os corredores podem participar até 15 de fevereiro.

Ultra Trail World Tour


Nota:

Desde o seu início em 2014, o Ultra-Trail® World Tour se expandiu gradualmente para incluir as corridas em trilha de ultra-resistência mais icônicas e prestigiosas do mundo todo. Com 10 eventos em 2014, o Ultra-Trail®World Tour agora apresenta 28 eventos de 22 países e 5 continentes. A lista original – que incluía corridas realizadas em Hong-Kong, Espanha, Nova Zelândia, Japão, Austrália, EUA, França e Suíça – agora foi acompanhada por eventos na Inglaterra, Suécia e Tailândia.

Mais informações: www.ultratrail-worldtour.com

Pés Fortes

Por Fernanda Rizzo
Fisioterapeuta 


O pé é uma estrutura complexa, composto por várias articulações, músculos, ligamentos e tendões. Além de ser nossa base de apoio quando ficamos em pé, parados, durante a caminhada e corrida ele deve se tornar adaptável a atenuar “as cargas” impostas ao corpo, e nos “empurrar” para frente ao final de cada passada na corrida.

Podemos comparar a função de seus músculos e tendões durante a corrida com uma “mola” que armazena e libera energia a cada passo.

No treinamento físico e reabilitação o conceito de “CORE” é bem conhecido para a região do abdômen (engloba também região da pelve e coluna). Mas o que quer dizer esse conceito? Ele vem da idéia de que, através da ação em conjunto de músculos locais (“estabilizadores”) e músculos globais (executores) geramos movimentos das pernas e braços muito mais eficientes e com qualidade.

O mesmo conceito foi atribuído ao pé e é bastante utilizado e disseminado por um grupo de pesquisadores liderado pela fisioterapeuta Irene Davies (Harvard). O CORE do pé pode ser descrito como o conjunto de 3 subsistemas:

1 – Passivo: ossos, ligamentos e cápsulas articulares que mantém os 4 arcos do pé

2 – Ativo: músculos e tendões intrínsecos e extrínsecos

3 – Neural: receptores sensoriais localizados na fáscia plantar, ligamentos, cápsulas articulares, músculos e tendões

Alguns estudos sugerem que fortalecer os pés ajuda na prevenção de lesões relacionadas a corrida, além de melhorar a biomecânica da corrida.

A seguir algumas dicas de exercícios!!

Short Foot – Sentado, com 90 graus de flexão do joelho e tornozelo, aproxime a cabeça do primeiro metatarso em direção ao calcanhar sem flexão dos dedos, “encurtando” os pés. A parte da frente do pé e o calcanhar não devem sair do chão.

Pe forte 1

Sentado, com o calcanhar fixo e em contato com o chão, levante o dedão mantendo o dedinho no chão. Depois eleve os outros dedos do pé e mantenha o dedão no chão. Faça isso devagar e sob controle total.

Pés fortes 2                      Pés fortes 3

Sentado, com 90 graus de flexão do joelho e tornozelo, abduza (abra) e aduza (feche) os dedos dos pés ritmicamente.

Pés fortes 4

Fortalecimento de panturrilha: elevação do calcanhar em pé. Você pode começar com os dois pés e evoluir para 1 pé só.

Pés fortes 5

Além dos exercícios, andar de descalço também ajuda a fortalecer os pés!!

E atenção!! Se você pensa em correr descalço ou migrar para um tênis minimalista, considere realizar uma transição progressiva (pelo menos 3 meses). Não tenha pressa!!