Breaking 20

Por Valmir Lana Jr.

Pau Capell fecha o percurso do UTMB em 21h 17’ em uma corrida contra o relógio.

A ação idealizada por Pau Capell foi abraçada por seus patrocinadores e a “Break 20” foi criada. Trata-se da tentativa de percorrer os 171km do percurso utilizado pela organização do “Ultra Trail du Mont Blanc – UTMB” abaixo de 20h, o que seria um feito inédito e absurdamente grande.

Quem acompanhou o início da tentativa de quebra das 20h viu o tamanho que se tornou o evento, centenas de pessoas acompanharam pessoalmente e assim foi por todo o percurso.

As primeiras etapas, Les Contamine, Checroit, Lac Combal e até Courmayer no km 81, Pau Capell acelerou muito e chegou abrir 2h do seu tempo de 2019, ocasião em que ele foi o campeão da prova.

As outras etapas foram marcadas pela escuridão associada a ausência de marcação, que dificulta muito saber qual das muitas trilhas tomar, o cansaço e também, inevitavelmente, fez com que o ritmo diminuísse e por último, alguns trechos estavam fechados, o obrigando a fazer algumas voltas, mas que foi resolvido rapidamente.

Já no último trecho do desafio, Vallorcine à Chamonix, trecho de aproximadamente 19km com 900m D+, Pau Capell pouco abaixo de 18h30’ de corrida já sabia que não haveria condições de correr abaixo de 20h. Ele teria uma dura subida pela frente até o “tet aux vent”, em seguida passaria por “La Flégère e dali em diante seriam cerca de 8km até a igrejinha de Chamonix, ponto final do desafio.

Via-se em seu ritmo e semblante seu cansaço, mas mesmo não alcançando o objetivo ele se manteve forte até o fim e cravou um tempo digno dos melhores corredores do mundo.

Além dele, somente François D’Ahene (20h11’ – 169km), Kilian Jornet – 2011 (20h36’), Sebastian Chaigneau – 2011 (20h55’), Xavier Thevernard – 2018 (20h44’) e Iker Karrera – 2011 (20h45’) conseguiram correr abaixo de 21h.

Além do feito de Pau Capell, devemos saudar o trabalho de Marketing feito pela marca The North Face e Buff, temos certeza do sucesso do projeto, haja vista o número de pessoas assistindo ao vivo a chegada de Pau Capell em Chamonix (+5.000 pessoas simultâneas).

O que podemos dizer que fica é a oportunidade de Pau tentar novamente quebrar a marca de 20h, assim como kipchoge fez no break 2h.

Parabéns, The North Face, Buff, apoiadores, amigos e todas pessoas envolvidas neste belíssimo projeto e principalmente, parabéns, Pau Capell pelo feito de hoje!

Passagens ‘Breaking 20’

Les Houches (km8) 1h18’
Les Contamines (km31,8) 2h39’
Chapieux (km50,7) 4h52’
Courmayeur (km81.3) 8h35’
La Fouly (km112.8) 12h58’
Col de la Forclaz (km140) 16h33’
Vallorcine (km153.6) 18h25’
Chamonix (km171) 21h17’

Você tem dúvidas sobre como será o processo de inscrição, “running stones”, pontos e sorteio? Vejam a explicação.

Fonte: Ultra Trail du Mont Blanc (UTMB)

Em abril de 2019 foi anunciado um novo processo de registro mais flexível e aberto para acessar as corridas UTMB®. Esse novo sistema foi redesenhado para atender à crescente demanda por registros, conforme mostrado a seguir: 


21.700 aplicativos em 2018

26.022 aplicações em 2019 (+ 19,9%)

32.000 inscrições em 2020 (+ 23%)


As 4 corridas históricas (UTMB®, TDS®, CCC®, OCC e PTL®) estavam 455% completas (em comparação com 359% no ano passado): 


UTMB® menos de 1 em 6 chances de ser selecionado (415% esgotado – 9 546 candidatos)

CCC® menos de 1 em 5 chances de ser selecionado (522% esgotado – 9 922 candidatos)

TDS® menos de 8 em 10 chances de ser selecionado (158% esgotado – 2.529 candidatos)

OCC tem menos de 1 em 8 chances de ser selecionado (724% esgotado – 8 685 candidatos)


Para que todos os corredores pudessem entrar na corrida dos seus sonhos um dia, a organização teve que inovar e renovar o processo de inscrição.


O atual sistema de registro atingiu seu limite. Para continuar a atender às expectativas desses milhares de atletas, foi necessário melhorar nosso processo de inscrição. Implementamos um sistema mais flexível e aberto. Também é muito importante respeitar a saúde dos corredores – Michel Poletti, co-diretor da UTMB®.”


Novas datas de registro, “Running Stones”, sorteio, pontos de qualificação… aqui estão as quatro coisas que você precisa saber para participar do UTMB® em 2021. 

Registro com “Running Stones”
 

As running stones permitem o acesso ao UTMB® Mont-Blanc sem ter que passar pela loteria. As running stones são concedidas aos “finishers” de uma série de corridas que fazem parte do circuito mundial de 2020. Como coleciono pedras de corrida? 

Corridas “by UTMB®” O número de running stones adquiridas ao concluir uma corrida “By UTMB®” é igual a 3 vezes o número de pontos ITRA concedidos pela corrida. Por exemplo, ser um finisher em uma corrida “By UTMB®” de 6 pontos ITRA permite ganhar 18 running stones UTMB®. 

Provas UTWT
 

O número de running stones adquiridas ao concluir uma corrida UTWT é igual ao número de pontos ITRA concedidos pela corrida. Por exemplo, ser um finalista de uma corrida UTWT de 6 pontos ITRA permite ganhar 6 running stones UTMB®. Isso só se aplica a corridas no calendário de corridas UTWT. Como solicito a inscrição com running stones? 

Para se inscrever em uma corrida de 2020, você deve ter running stones suficientes no momento da inscrição: 

UTMB®: 18 running stones

CCC®: 15 running stones

TDS®: 15 running stones

OCC: 12 running stones

Validade das running stones 

As running stones expiram após 4 anos. Por exemplo, se eu colecionei 18 running stones em 2020, posso usá-las para participar de um evento 2021, 2022, 2023 e/ou 2024. Se não forem utilizados durante esses 4 anos, não poderão ser utilizados para o registro 2025. 

Entrando na loteria
 

Os corredores que não tiverem running stones suficientes para se inscreverem na corrida de sua escolha poderão participar da loteria. A partir de 2020, a loteria se tornará mais flexível. Os corredores que não tiverem sorte em sua primeira tentativa na loteria terão melhores chances de serem selecionados nos anos seguintes. A probabilidade de ser selecionado é, portanto, proporcional ao número de vezes que um corredor não conseguiu entrar nos anos anteriores. Os corredores também podem decidir se inscrever para uma corrida diferente a cada ano (por exemplo: se inscrever no UTMB® no primeiro ano e, em seguida, no TDS® no ano seguinte) ou fazer uma ou mais de um intervalo de um ano de sua corrida. 

Processo de loteria
 

É um bilhete com o seu nome para a loteria. Se você possui 2 bilhetes, seu nome aparece duas vezes, dobrando suas chances na loteria contra alguém que possui apenas 1 bilhete. Se você possui 3 bilhetes, seu nome aparece três vezes, triplicando suas chances na loteria e assim por diante. 

Pontos de qualificação
 

O registro só é possível para os corredores que já completaram algumas das corridas incluídas na lista de corridas qualificadas UTMB® entre 1º de janeiro de 2019 e 31 de dezembro de 2020: 


UTMB®: 10 pontos adquiridos entre 01/01/2019 e 31/12/2020 (em 2 corridas no máximo)

CCC®: 6 pontos adquiridos entre 01/01/2019 e 31/12/2020 (em 2 corridas no máximo)

TDS®: 8 pontos adquiridos entre 01/01/2019 e 31/12/2020 (em 2 corridas no máximo)

OCC: 4 pontos adquiridos entre 01/01/2019 e 31/12/2020 (em 2 corridas no máximo)


Os finishers das corridas UTMB® 2018 também podem usá-las como corridas classificatórias. 

Datas de inscrição
 

1-17 de dezembro de 2020: Registro de solidarios (processo de inscrição a ser publicado em breve); 
5-12 de janeiro de 2021: Entradas diretas através de running stones e pré-inscrições para a loteria; 
20 de janeiro: Resultados da loteria; 
20-31 de janeiro: Os corredores selecionados pela loteria devem finalizar seu registro. 

Você tem mais alguma dúvida?

Faça-nos uma pergunta.

Valmir Lana

Este ano eu comecei com uma grande certeza, teríamos o melhor ano trail no Brasil, isto era muito nítido para mim, afinal, teríamos um mundial de skyrunning na Espanha e estaríamos lá com a seleção adulta completa pela primeira vez, seria o terceiro ano seguido que levaríamos nossos jovens ao mundial na Itália.

Além disso tudo, os eventos no Brasil estão numa crescente de qualidade em todos os sentidos, atletas com mais consciência na escolha de seus desafios, assessorias se especializando em Trail Run, circuitos estavam surgindo regionalmente e estamos conseguindo atrair olhares gringos para dentro do Brasil.

Mas no mês de Março tivemos a inesperada surpresa de sermos pegos por uma pandemia que nos forçou a ficarmos em casa, levou ao cancelamento dos eventos de qualquer natureza esportiva ou não esportiva, ficamos proibidos de treinar ao ar livre, tudo isso pensando no bem comum e não somente o nosso.

Minha maior tristeza neste cenário é ver que a pandemia virou motivo político de desunião, ao passo que era o momento ideal para união.

A incerteza, ainda hoje quase dois meses após, é o cenário em que todos nos encontramos, muito se fala dos eventos do segundo semestre mas ainda não há como sabermos como a situação estará até lá, tanto no Brasil como no mundo.

Eu como um cara positivo que sou, busco me informar sob vários prismas para me posicionar e tenho real esperança que no segundo semestre voltaremos com nossa vida normal, mas vejam, eu falo em “esperança”, não dá para afirmar nada.

O momento é de se reinventar, tentar encontrar inspiração, buscar se diversificar no convívio familiar, nos treinos, nos focos… enfim, fazer com que esta fase seja positiva em algum sentido para você.

Tenho me planejado para a volta dos eventos em agosto e meu pensamento está focado nisto, creio que uma visão positiva, uma mente positiva pode ajudar muito a passar por estes momentos difíceis.

Vamos seguir, olhando pra frente, pois mesmo com toda incerteza, devemos nos manter firmes. Mantenham o distanciamento social, se puder ficar em casa, fique! Com toda certeza estaremos juntos em breve e muito mais fortes e unidos.

Continental Skyrunning

Em 2019 tivemos um ano realmente muito bom, em muitos aspectos. Claro que nem tudo são flores, mas no fim das contas, foi um ano muito positivo.

Pela primeira vez tivemos um campeonato Continental de Skyrunning no Brasil e foi um baita sucesso! O Continental foi sediado pela Ultramaratona dos Perdidos e o evento foi marcante em todos os quesitos, como é a marca dos eventos produzidos pela TRC – Brasil.

Tivemos lindas batalhas nas trilhas em todas as distâncias, um grande aproveitamento dos atletas brasileiros. Estivemos em todos os pódios no lugar mais alto e com isso saímos um pouco do anonimato no mundo Skyrunning. Agora temos atletas campeões continentais para nos orgulhar.

Foram realizadas outras provas que marcaram o cenário Trail, como a Indomit Pedra do Baú, em São Bento do Sapucaí e a La Misión Brasil, em Passa Quatro.

A Indomit reuniu um seleto grupo de atletas candidatos a vencer a prova; estar entre os 10 primeiros seria um belíssimo resultado e isso mexeu com o cenário, pois todos estavam de olhos ligados em tudo que acontecia por lá. Foi realmente marcante e eu fui privilegiado de acompanhar tudo de muito perto.

Em terras mineiras, a La Mision Brasil reuniu mais de 1.150 atletas para correr uma de suas distâncias na cidade de Passa Quatro. Um número incrível para um evento que, dois anos atrás, tinha somente 200 inscritos. Graças a um trabalho sólido e extremamente bem feito por Paulo Lamin, o evento se consolidou no cenário como um dos melhores. Mesmo tendo problemas no dia, souberam, como poucos, contornar e resolver as questões satisfatoriamente.

Outro ponto de destaque, no meu ver, foram os jovens que começam a entrar forte no cenário Trail e com uma força que dá gosto de ver. Tivemos, pelo segundo ano consecutivo, uma seleção juvenil de skyrunning disputando o mundial na Itália e com ótimos resultados, sem falar dos resultados expressivos que obtiveram em eventos aqui no Brasil.

Existe muito caminho a percorrer, mas creio que, a cada ano, estamos amadurecendo, os organizadores estão mais experientes; uns eventos acabam, outros nascem; uns atletas somem e outros aparecem… Assim é o mercado, os melhores estarão sempre andando na frente, seja evento ou atleta!

Em 2020, meu coração está repleto de boas sensações! Creio muito que será muito melhor que 2019 em todos os sentidos e, se você é um apaixonado por TrailRunning, se ligue e saiba montar seu calendário, pois teremos um ano excepcional!

Venha com a gente, no acompanhe nas redes sociais e em nosso site; teremos muito o que falar!

Tour du Mont Blanc

Dar a volta no Maciço do Mont Blanc é o sonho de muitos caminhantes e pessoas que amam fazer travessias e estar em contato com a natureza.

Nós, atletas de corrida em montanha, também pensamos nisso, mas a grande maioria pensa em fazer o UTMB, não em fazer o percurso com paradas no meio da montanha por não saberem que existem refúgios ao longo de todo o percurso, existe um site do Tour onde se consegue todos os tipos de informações para se fazer o Tour com todos os refúgios ao longo dos mais de 170km.

Em 2018 fiz sozinho e sem conhecer nada, foi total loucura, loucura esta alimentada no dia anterior por um caminhante inglês que conheci no hostel que estava hospedado e ele me encorajou a fazer e que não tinha perigo e eu, na loucura, fui.

Deu tudo certo, até quando deu errado, acabou dando certo e este ano voltei com toda programação acertada, refúgios reservados para as 3 noites e com dois amigos do time juvenil de skyrunning.

Foi uma belíssima experiência, além de um grande treino para o UTMB que viria a fazer no fim do mês.

Este ano lançaremos pela Revista Trail Running um guia detalhado do Tour du Mont Blanc para corredores, com todas as dicas de equipamentos, onde ficar, quanto gasta e todos os detalhes para que você possa dar a volta no maciço do Mont Blanc com segurança e fazer desta uma das maiores experiências de sua vida.