Sorteio RTR

Foi realizado no dia 20 de setembro de 2020 o primeiro dos quatro sorteios programados pela Revista Trail Running.

As regras para os sorteios são as seguintes:

1- cada sorteio é ativado quando se atinge 100 novos assinantes na semana;

2- os assinantes que excederem aos 100 contam para semana seguinte. Ex. Se na primeira semana tivermos 120 assinantes, os 20 que excederam já contam para a outra semana, então na segunda semana seriam necessários 80 novos assinantes para ativar o segundo sorteio.

3- Todos os assinantes pagantes da Revista estão habilitados para os 4 (quatro sorteios), exceto os que forem sorteados em algum dos sorteios.

4- Os sorteios se realizarão aos domingos 20h no nosso canal do Youtube, caso o número de assinantes não atinja a meta, o sorteio será adiado e realizado no dia posterior ao atingimento da meta.

5- A lista do primeiro sorteio e seus ganhadores estão disponíveis aqui,

6- O check de informações e situação dos sorteados será feita na segunda-feira após o sorteio e em caso de algum sorteado não ter efetivado o pagamento, a Revista Trail Running irá fazer um novo sorteio do produto/serviço sorteado a um novo assinante. Este novo sorteio será realizado no sorteio seguinte.

7- Sorteados da primeira semana:

1- Rodrigo Vieira – KTR Campos

2- Rafael Reid – Indomit Pedra do Baú

3- Douglas Granzotto – Caixa barrinhas Dobro

4- Luís Nei Resende – Mochila Fly Kailash

5- Raphael Bonatto – WTR Serra do Mar

6- Sérgio Pauletto Jr – Tênis Salomon Slab 8

7- Regina Andrade – Run Brasil Ride

O próximo sorteio será no domingo dia 27 de setembro de 2020 às 20h no nosso canal do YouTube, boa sorte a todos.

Desafio Espírito Guerreiro da Selva

Senão o primeiro, um dos primeiros eventos esportivos a se realizarem com protocolos aplicados em virtude da pandemia!

1- Quais os procedimentos para adequar o evento às normas locais?

Localmente não há uma norma específica, isso não foi elaborado, nós que tivemos a iniciativa e apresentamos o protocolo que iríamos utilizar para a FVS (fundação de vigilância sanitária), e recomendaram que teríamos que seguir o máximo de participantes conforme rege o decreto atual (menos de 200 pessoas).

2- qual o número de atletas inscritos e qual seria caso não houvesse pandemia?

Para adequar ao número máximo de 200, limitamos as inscrições por modalidade de acordo com o horário de largada e previsão de chegada, com isso conseguimos adequar para até 285 inscritos, pois tínhamos largadas de 6h27min até às 6h50min para as modalidades Guerreiro da Selva (ultra de 56 + MTB + obstáculos) e a ultra de 56k, em seguida a modalidade obstáculos – Competição com largada de 7h15min até 7h45mim, depois trail run de 5,6k de 8h até às 8h15mim, a modalidade obstáculos diversão foi de8h30min até 8h50min a modalidade MTB das 15h às 15h30min e após o MTB em sequência a sua chegada às largadas para obstáculos da modalidade Guerreiro da Selva!

Caso não houvesse a pandemia, teríamos entre 1.200 e 1.500 participantes em todas as modalidades e 2 dias de evento!

3- quais as distâncias disputadas e como se desenvolveu o evento?

– Guerreiro da selva com 56k de trail run, 16,8k de MTB e 5k de obstáculos;
-Ultra Trail com 56k e limite de 8h para cumprir as 10 voltas;
Ultra trail com voltas livres em 8 horas;
– Trail Run de 5,6k;
– corrida de obstáculos com 5k e 16 obstáculos;
– MTB com 16,8k.

Pela manhã iniciamos com a modalidade Guerreiro da Selva seguido da Ultra Trail, e seguindo a sequência de largada conforme citamos na respota anterior!

4- qual foi a aceitação por parte dos atletas em seguirem os protocolos?

Excelente na retirada de Kits, na chegada ao evento até um certo horário, depois com o excesso de calor e redução do número de presentes no evento o uso de máscara foi sendo deixado de lado, e na chegada, percebemos que não há como colocar uma máscara devido ao sprint final e necessidade de recuperação do nível calmo de respiração e ajustamos deixando o atleta em uma área aberta até se recuperar para depois usar a máscara e esse ponto foi meio obedecido, uns iam embora direto outros colocavam e depois uns tiravam ou outros permaneciam, isso é um hábito novo e entendemos perfeitamente, eu mesmo tirei inúmeras vezes para falar ao microfone, beber água, fazer fotos, chamar um Staff, orientar alguma situação etc, é preciso um bom senso nessa percepção do uso da máscara e também lembrar que estávamos em um local verde, aberto e os presentes no aguardo do atleta convivem juntos e vem no mesmo carro, ou seja, entre eles, distanciados dos demais, não trás o risco, e é como culturalmente em Manaus essa situação está acontecendo.

5- Como foi feito o controle de largadas e chegadas?

Para cada modalidade foi criado uma forma de largada, ou de 20 em 20 atletas (Guerreiro e o Trail) ou com 5 atletas (obstáculos) ou 3 atletas (MTB), em todas cada grupo tinha um intervalo de largada, que variava de 3 a 2 min de acordo com a modalidade, e divulgamos previamente cada uma, os atletas já chegavam sabendo da sua largada e no sistema de som fazia uma chamada por número de peito e
Nome, e em seguida o atleta se dirigia ao ponto de acesso para averiguar nome e número e aferir temperatura, aí ele adentrava não arena de largada e se posicionava em um cones equidistantes 1,5m entre si até a o sinal de largada.

A chegada era computado o horário e não tinha a entrega de medalha, frutas e hidratação, apenas um espaço para sua saída e em seguida ele era orientado a colocar a máscara e se direcionava as tendas para hidratar e receber medalha e frutas.

6- podemos dizer que já é possível a normalização dos eventos esportivos? Se sim, sob quais condições?

Manaus sim! As condições são as que utilizamos, os protocolos foram bem recebidos, foi missão real, não era um teste e pequenas adequações voltadas ao bom senso e constante lembrança do uso das Máscaras torna tudo um ótimo ambiente!

7- qual sua avaliação sobre o evento e quais lições pôde-se tirar para os próximos?

Superou em muito nossa expectativa, total união atletas e organização, todos felizes, nos sentimos seguros e tivemos um excelente domingo!
A Lição é policiar mais o uso das máscaras e criar uma área de recuperação para o atleta tem um tempo até ser exigido o uso da máscara novamente!

Lucas Papi

Luca Papi não termina os 1000km, mas faz história fechando seu desafio em 850km e mais de 40.000 metros de ganho positivo.

Devido ao calor extremo e uma lesão que se agravou no quadril, o corredor italiano decidiu não continuar o desafio #grancanaria1000km. O objetivo inicial era unir as quatro edições da Transgrancanaria 360°.

Foram 13 dias, 275horas, 850km e 82.000 calorias. O italiano começou sua aventura completando a edição de 2020 em 72 horas, num percurso extremamente difícil de 262km. Em seguida, no dia 06 de setembro, partiu para o percurso de 2018 (269km e 12.000d+). Chegaria então a edição de 2019 (264km e 13.265d+), que devido ao calor e a lesão o obrigou a caminhar grande parte do percurso, finalizando em 102 horas e 10 minutos.

Nessa época, a Europa é castigada por altas temperaturas que ultrapassam os 40 graus ao dia e 30 graus à noite. O corredor italiano ainda teve que dormir ao ar livre no meio de estradas, escassez de água em muitos pontos, inúmeras trocas de tênis e ausência de sono. No entanto, a alegria que Luca Papi carrega consigo e a ajuda da população que lhe ofereceu suporte em diversos trechos, foi fundamental em seu desafio.

Sem duvidas, depois de treze dias e 850km, este corredor, campeão em três das quatro edições da Transgrancanaria 360°, deixa seu legado e escreve uma nova história no mundo Ultra Trail. Luca Papi foi reconhecido pelo Conselheiro de Esportes do Cabildo de Gran Canária, Sr. Francisco Castellano, que entregou uma placa após a linha de chegada.

Canfrac

Neste final de semana (12 e 13/09) 800 atletas disputaram, na Espanha, a Ultra-Trail® Canfranc-Canfranc, corrida de montanha cujo percurso principal, de 100km e 8.848m de ganho de elevação, fazem desta, a prova de 100km com o maior desnível positivo de altitude do mundo, acumulando, inclusive, dois quilômetros verticais, pelos 10 picks dos Pirineus Aragoneses.

Não só é uma corrida dura, mas também atravessa maciços rochosos bem conhecidos e míticos como Collarada, Anayet e Aspe, onde mais de 75% do percurso está acima dos 2000m de altitude.

A prova ainda conta com percursos de 75 km (6500+), 45 km (4000+) e 16 km (1600+). Devido à pandemia da Covid-19, as largadas foram individuais, com cada atleta largando sozinho a cada 30 segundos.

Marcos Ramos foi o campeão dos 100 kmom 18h15, seguido por Roberto Herrera (20h36) e Mario Rodríguez (21h05). No feminino, Jainone Sasieta foi a campeã, com 28h53, seguida por Marta Corahua (29h03) e Ana Campos (31h51).

Nos 75 km, Jordi Gamito foi o campeão, com 12h19, seguido por Ivan Agirrezabala (12h30) e Oscar Puyuelo (13h40). No feminino, vitória de Silvia Trigueros (15h17), seguida por Leticia Bullido (15h24) e Eli Ríos em 3º lugar.

Nós duros 45 km, o francês Tibaut Baronian foi o grande campeão, com o tempo de 5h15, seguido por Samuel Dávila (5h21) e Miguel  Heras (5h23). No Feminino a classificação ficou assim: 1 – Oihana Kortazar 6h37; 2 – María Ordoñez 7h37m e 3 – Eva Mesado 7h53.

Nós 16 km, presença do campeão mundial de trail, Luis Alberto Hernando, que foi o vice-campeão por apenas 2 segundos de diferença (1h47min37). O vencedor foi Servo Nadege (1h47min35). Didier Zago completou o pódio masculino com o tempo de 1h52min10. Os 16 km contaram com a presença do campeão mundial juvenil e de VK, Daniel Osanz e outros atletas que já foram campeões mundiais individuais ou na seleção espanhola. Ion Sola, com 1h52min18 e Daniel Osanz, com 1h52min34 completaram o pódio histórico, alternando Espanha e França, jovens e veteranos.

No Feminino, Servant Nadege ficou com o 1º lugar (2h08min), seguida por Sara Alonso (2h13), Gisela Bertran (2h14), Maite Maioria (2h16) e Olívia Magnone (2h21).


PROTOCOLOS

A prova seguiu diversos protocolos para prevenir a transmissão da Covid-19, como envio de kits para o endereço de cada corredor; congresso técnico on-line; largadas para as quatro distâncias distribuídas por três dias; largada individual separada por 30 segundos; aferição da temperatura dos atletas; uso de máscaras e álcool em gel antes da largada e após a chegada; manutenção de distância de pelo menos 5 metros entre os atletas durante a corrida; entrega de prêmios individual e posterior à prova; comidas e bebidas servidas em embalagens individuais nos PCs; proibição de espectadores na arena, entre muitas outras medidas.

UTWT

Este fim de semana veremos a continuação do circuito Ultra-Trail® World Tour 2020 com a Ultra-Trail Harricana ™ ocorrendo no domingo, 13 de setembro em La Malbaie, Canadá. À luz do contexto de saúde em curso, a edição deste ano da corrida será adaptada em conformidade com vários protocolos em vigor para respeitar o distanciamento social e a segurança de todos os envolvidos. O número de corredores, voluntários e membros da equipe será limitado, com apenas atletas do Canadá com permissão para participar do evento deste ano. Os planos de saúde para a corrida agora receberam luz verde do Ministério de Saúde Pública de Quebec e foram compartilhados com os atletas participantes.

“Estamos levando a situação muito a sério e a saúde de todos é nossa prioridade”, disse Marline Côté, gerente geral da Ultra-Trail Harricana ™ do Canadá. “Estamos confiantes de que podemos realizar este evento de forma ética e responsável.”

Após várias semanas de reflexão, e à luz dos desenvolvimentos mais recentes em relação à situação do COVID-19 em Quebec, a equipe Ultra-Trail Harricana ™ do Canadá decidiu que apenas as corridas de longa distância (65km, 80km e 125km) irão adiante.

Com o distanciamento sócio-sanitário e as regras sanitárias mais difíceis de cumprir nas distâncias mais curtas, os participantes inscritos nos 28km, 20km, 10km e 5km foram convidados a participar do evento “Harricana All Summer Long”.

Harricana

© Ultra-Trail Harricana™ – David Beland, all right reserved

O atual campeão do UTHC, Guillaume Barry, estará entre os elites que disputarão a corrida mais longa. No ano passado, ele alcançou seu melhor desempenho até o momento com um tempo de chegada de 13:55. Ele será capaz de bater seu próprio recorde? Entre as mulheres, Alicia Woodside, que conta com 3 vitórias, além de 10 atletas entre as 3 primeiras e 18 entre as 10 primeiras, participarão da prova de 125km.

O Ultra-Trail Harricana ™ é uma viagem autêntica e desafiadora pela natureza selvagem do Canadá. Um percurso bem equilibrado no qual a velocidade e a habilidade técnica entram em jogo, a linha de partida será definida no campo selvagem e acidentado de Charlevoix.

Os corredores terão que cruzar vários lagos e, no caminho, terão a chance de encontrar animais selvagens típicos do Canadá, como castores, porcos-espinhos e alces. No percurso serão quatro escaladas: o Monte Lac-à-L’Empêche e o Monte Morios, com suas deslumbrantes vistas panorâmicas dos arredores, a montanha Noyée, com sua crista em forma de mulher flutuando na água, e por último a montanha Noire, situada em trilhas especialmente desenvolvidas pela equipe Harricana, que proporcionam belas vistas do Mont Grand-Fonds.

Xterra

Viemos falar com vocês sobre o Calendário XTERRA Brazil 2020.

Depois de analisarmos bastante todos os cenários possíveis e seguros para realização das nossas etapas, colocando sempre em primeiro lugar a segurança e saúde dos nossos atletas e de toda a equipe, entendemos que ainda não podemos realizar 4 etapas do nosso calendário. São elas:

XTERRA Costa Verde, em Mangaratiba | 8 e 9 de agosto

XTERRA Ibitipoca | 29 e 30 de agosto

XTERRA Brazil, em llhabela | 10 e 20 de setembro

XTERRA Vale do Café | 31 de outubro e 1 de novembro

Nossa previsão é de realizar fisicamente as duas últimas etapas do calendário:

XTERRA Estrada Real – 7 e 8 de novembro

XTERRA Búzios – 5 e 6 de dezembro

O que acontece com a sua inscrição?

Para todos os atletas inscritos nas 4 primeiras etapas do nosso calendário, concedemos 4 opções:

  1. Transferir a sua inscrição para uma das etapas que serão realizadas fisicamente: XTERRA Estrada Real, em Tiradentes (7 e 8 de novembro) e XTERRA Búzios (5 e 6 de dezembro).
  2. Doar o valor da sua inscrição para a instituição AÇÃO DA CIDADANIA, abatendo taxas e impostos. AÇÃO DA CIDADANIA é uma ONG que tem trabalhado bastante durante a pandemia para levar comida à famílias carentes. Saiba mais sobre o ADC aqui https://www.acaodacidadania.com.br/ .
  3. Converter todo o valor da sua inscrição em crédito na XTERRA Store.
  4. As 4 etapas físicas terão versões virtuais, no XTERRA VR Club, com desafios que irão simular os desafios das etapas físicas, além de ranking e premiação exclusivos.

A quarta opção é transferir a sua inscrição física para a virtual com as vantagens de :

  • receber em casa o kit da prova com frete grátis;
  • ganhar um vale comprar no valor de 25% da sua inscrição para usar na XTERRA Store.

Para registrar a sua escolha é simples: basta clicar AQUI e preencher o formulário até o dia 7 de agosto de 2020. A equipe de atendimento entrará em contato após o fechamento do tempo de preenchimento do formulário.

Qualquer dúvida, nossa equipe de atendimento está à disposição para ajudar por e-mail ([email protected]) ou por WhatsApp (21 97131-4797), em dias úteis de 10h às 19h.

A cada dia que passa, mais fortes e mais unidos!

Seguimos juntos todos os dias em nossas redes sociais e agora ainda mais juntos nos finais de semana com os desafios do #XTERRAVR Club, de acordo com as restrições de isolamento social.

Todo 5km é uma grande vitória, somos todos verdadeiros guerreiros na batalha da vida!

Reforçamos a todos que mantenham os cuidados necessários, e que assim como nós, acreditem que dias melhores estão sempre por vir!

A Família XTERRA sempre irá manter acesa a chama que move cada um de nós: o amor pelo esporte e o contato com a natureza.

Um grande abraço a todos!

Se cuidem.

Equipe XTERRA Brazil

The North Face

Placas de carbono chegam ao mundo Trail Running.

As solas de carbono que foram sinônimo de recordes nas corridas de rua, agora ganha vez nas trilhas. A The North Face utilizou no desafio Breaking20 e alguns dias antes em um FKT do atleta, Dylan Bowman, no Mount Rainer.

A marca nunca esteve à frente das principais concorrentes no quesito (tecnologia trail). Porém, acaba de dar um passo importante ao incorporar a placa de carbono em sua sola.

O novo modelo Flight Vect será o carro-chefe para distâncias longas e performance. Segue o comunicado sobre o modelo:

“VECTIV é um sistema de tecnologia para atletas completamente novo, patenteado é comprovado, que promove impulso e propulsão para atender às demandas dos melhores atletas do mundo”.

  • The North Face

Ernani de Souza

Escrito por Bruno Mattos.

Em nosso ep.18 do RTR TRAIL TALK, o atleta de Ultra Trail e detentor do melhor tempo brasileiro em solo internacional, Ernani Souza, disse que seu tempo está próximo de ser batido no OCC de 2016. Ele ainda pontuou dizendo que a colocação será apenas consequência, já que o tempo dele não se encaixa mais em um TOP10 na prova. O nível a cada que ano que passa é surpreendente! Abaixo fizemos um comparativo do OCC 2019 e 2016:

O campeão do último ano foi o norueguês, Stian Argermund, com incríveis 5h19:24! Já o campeão de 2016, o francês Xavier Thevenárd, completou em 5h28:37. Quase 9 minutos de diferença!

A campeã do ano passado foi a neozelandesa, Ruth Croft, com 5h50:14! Ou seja, a campeã feminina do ano passado colocou quase 4 minutos no tempo do atleta Ernani Souza! Dessa forma, ela configurou um TOP20 geral em 2019, o que significaria um 4º lugar geral no ano de 2016 (masc e fem): Incrível, não? 

Para a nova geração que vem surgindo no Brasil, é bom abrir os olhos! O atleta suíço – e campeão Mundial Juvenil de Skyrunning – Roberto Delorenzi competiu o OCC no ano passado e finalizou em 5h54:54! Apenas 31 segundos do melhor tempo brasileiro nessa prova. 

O ponto que o Ernani tocou é super preciso e fundamental para observarmos a evolução dos atletas a cada ano, seja no feminino ou no masculino. Muitas pessoas questionam as mudanças de percurso durante os anos e, consequentemente, o tempo final de prova. Analiticamente, isso não representou tamanha relevância na performance nos últimos 4 anos de OCC.

Deixamos uma reflexão para você apaixonado por esse esporte: Vivemos em tempos de recordes e suas siglas – FKT’s, PB’s, WR… – em que momento o Trail Running começou a evoluir tanto e aonde vamos chegar? 

Breaking 20

Por Valmir Lana Jr.

Pau Capell fecha o percurso do UTMB em 21h 17’ em uma corrida contra o relógio.

A ação idealizada por Pau Capell foi abraçada por seus patrocinadores e a “Break 20” foi criada. Trata-se da tentativa de percorrer os 171km do percurso utilizado pela organização do “Ultra Trail du Mont Blanc – UTMB” abaixo de 20h, o que seria um feito inédito e absurdamente grande.

Quem acompanhou o início da tentativa de quebra das 20h viu o tamanho que se tornou o evento, centenas de pessoas acompanharam pessoalmente e assim foi por todo o percurso.

As primeiras etapas, Les Contamine, Checroit, Lac Combal e até Courmayer no km 81, Pau Capell acelerou muito e chegou abrir 2h do seu tempo de 2019, ocasião em que ele foi o campeão da prova.

As outras etapas foram marcadas pela escuridão associada a ausência de marcação, que dificulta muito saber qual das muitas trilhas tomar, o cansaço e também, inevitavelmente, fez com que o ritmo diminuísse e por último, alguns trechos estavam fechados, o obrigando a fazer algumas voltas, mas que foi resolvido rapidamente.

Já no último trecho do desafio, Vallorcine à Chamonix, trecho de aproximadamente 19km com 900m D+, Pau Capell pouco abaixo de 18h30’ de corrida já sabia que não haveria condições de correr abaixo de 20h. Ele teria uma dura subida pela frente até o “tet aux vent”, em seguida passaria por “La Flégère e dali em diante seriam cerca de 8km até a igrejinha de Chamonix, ponto final do desafio.

Via-se em seu ritmo e semblante seu cansaço, mas mesmo não alcançando o objetivo ele se manteve forte até o fim e cravou um tempo digno dos melhores corredores do mundo.

Além dele, somente François D’Ahene (20h11’ – 169km), Kilian Jornet – 2011 (20h36’), Sebastian Chaigneau – 2011 (20h55’), Xavier Thevernard – 2018 (20h44’) e Iker Karrera – 2011 (20h45’) conseguiram correr abaixo de 21h.

Além do feito de Pau Capell, devemos saudar o trabalho de Marketing feito pela marca The North Face e Buff, temos certeza do sucesso do projeto, haja vista o número de pessoas assistindo ao vivo a chegada de Pau Capell em Chamonix (+5.000 pessoas simultâneas).

O que podemos dizer que fica é a oportunidade de Pau tentar novamente quebrar a marca de 20h, assim como kipchoge fez no break 2h.

Parabéns, The North Face, Buff, apoiadores, amigos e todas pessoas envolvidas neste belíssimo projeto e principalmente, parabéns, Pau Capell pelo feito de hoje!

Passagens ‘Breaking 20’

Les Houches (km8) 1h18’
Les Contamines (km31,8) 2h39’
Chapieux (km50,7) 4h52’
Courmayeur (km81.3) 8h35’
La Fouly (km112.8) 12h58’
Col de la Forclaz (km140) 16h33’
Vallorcine (km153.6) 18h25’
Chamonix (km171) 21h17’

Estivemos, a convite da organização, em Nova Trento/SC para fazer o reconhecimento dos percursos da prova que está agendada para dia 27 de setembro deste ano. 

A primeira edição de um evento gera um pouco de desconfiança em relação a tudo, percurso, marcação, estrutura, capacidade de receber os atletas e toda esta desconfiança é justa, vivemos num país onde não temos muitos eventos com apoios de prefeituras e empresas, além de, muitas vezes, os responsáveis serem pessoas que não tem muita experiência em organizar eventos, ainda mais em se tratando de um evento que vem se desenhando grande para o cenário Trail. 

Fizemos um “ao vivo” dia 07 de junho onde falamos sobre todos estes pontos e também sobre muitos outros pontos, este “ao vivo” está disponível no nosso canal do YouTube e também em formato de podcast e você poderá ouvir a qualquer momento e tirar suas dúvidas. 

De qualquer forma, é preciso que falemos sobre estes pontos para que você entenda porque esta prova pode ganhar sua simpatia e lhe proporcionar uma grande experiência, afinal, este é o grande objetivo de 90% dos atletas de Trail e Ultra Trail em qualquer lugar do planeta. 

Estrutura: a primeira coisa que já nos dá segurança é a questão de suporte das autoridades locais e também dos moradores da região. Prefeitura, empresários e moradores abraçaram o evento com muita boa vontade, os proprietários de terrenos onde a prova passa estão liberando a passagem com muita boa vontade, pudemos presenciar um momento de conversa entre os organizadores e um destes proprietários e ficou nítida a boa vontade e disponibilidade deles com a prova. 

Outro ponto importante é patrocínio de empresas e como já havia dito, a Mons tem empresas que abraçaram o evento e isso possibilita que o evento trabalhe com mais tranquilidade. 

Percursos: Serão realizados 5 percursos (12, 25, 55, 85 e 104km), com uma relação média de 70% de trilha, 25% estradão e 5% asfalto. Na verdade, os trechos de estradão e asfalto é praticamente ligação entre uma montanha e outra, o que não tem muito como fugir disso. 

O tipo de terreno é basicamente de floresta fechada, com trilhas técnicas e mais travadas onde correr não é nada fácil, entretanto é possível correr bem e solto por muitos quilômetros, inclusive é um dos pontos mais positivos da prova, o mix de terreno travado e terreno corrível. 

O tênis ideal para prova é com um grip bom e em caso de chuvas, é bom caprichar no grip e proteção no cabedal, pois os chutes em galhos e pedras são inevitáveis. Eu utilizei o Columbia Montrail TransAlps, (cupom 15% no site da equilíbrio esportes: EQUILIBRIORTR), um tênis com muito grip e muita proteção no cabedal, foi uma ótima escolha. 

Uso de luvas é recomendado também por conta de termos muitos locais para nos segurar nas descidas e nos puxar nas subidas, bem como em caso de um tombo você proteger suas mãos. 

Trekking poles é aconselhável para uso em estradas pois elas tem muita subida, nas trilhas aconselhamos utilizar as mãos mesmo. 

Como chegar e onde ficar: Dois aeroportos atendem bem, uma vez que estão praticamente à mesma distância de Nova Trento; você pode chegar por Navegantes ou Florianópolis e pode se hospedar tanto em Nova Trento, Brusque, Tijucas,Porto Belo, até em Balneário Camboriú; opções não faltam. Você pode buscar mais informações de onde se hospedar no site da NeoTur (www.neoturismo.tur.br). As inscrições estão abertas no site da Ticket agora (https://www.ticketagora.com.br/e/mons-ultra-trail-29228)