Na trilha da ciência

Você já sentiu dificuldade de fazer uma descida muito longa?

Você já sentiu dor articular ou muscular descendo?

Você já se sentiu incapaz de manter o ritmo no plano após uma descida?


Se você respondeu “SIM” para qualquer uma dessas perguntas, você deveria pensar em economia de corrida.

Economia de corrida nada mais é do que correr (no caso, na descida) com o mínimo gasto energético.

Descidas provocam muita microlesão na musculatura, principalmente na parte da frente da sua coxa, portanto é fundamental que você tenha o menor desgaste possível nessas sessões da sua prova.

(Tente lembrar da última descida realmente longa que você pegou, agora tente recordar como você se movimentou nela e como se sentiu…)

Pensando nisso, existem algumas estratégias para evitar ou postergar a fadiga gerada pelas descidas. Uma das estratégias mais conhecidas e utilizadas é alternar a forma como você desce de forma pré determinada, algo como 10 passos ou 30s com antepé, 10 passos ou 30s com calcanhar (quanto mais longa a descida, mais essa técnica é utilizada). Desta forma, teoricamente, você mudando o padrão de passada, muda o recrutamento muscular e consequentemente não tem tanta fadiga generalizada de nenhuma estrutura.  Mas, será que isso ajuda, na prática?

Para responder algo tão determinante no sucesso das provas, o maior grupo de pesquisadores de trail do mundo tentou buscar uma resposta. E, não foram com voluntários aleatórios, foi feita a pesquisa com o top team da salomon, alguns dos melhores corredores do mundo.

Sendo bem sucinto, eles compararam os indivíduos descendo de forma pré determinada e de forma aleatória, ou seja, que cada um descesse da forma que quisesse, sem manter um padrão fixo de passos.

O resultado foi que a mudança pré determinada de forma constante não teve a capacidade de minimizar a fadiga. O estudo sugere que não é a capacidade de alternar a pisada que minimiza a fadiga, mas sim a capacidade de se ADAPTAR ao terreno.

Como aplico isso na prática?

De forma prática, a melhor maneira de minimizar a fadiga em uma descida (quanto mais longa, maior a diferença) é que você tenha um repertório motor extenso, tenha um auto conhecimento bem grande e vivências na maior variedade possível de trilhas, inclinações, terrenos etc…

Desta forma, você vai conseguir saber qual o tipo de pisada utilizar em cada terreno, bem como cada variação de inclinação desse terreno.

Isso é treinável?

Sim, muito! Pegue várias pequenas descidas que você conhece (asfalto, grama, trilha…) faça uma descida com um padrão de pisada, depois teste outro padrão…Com o tempo vá aumentando o tamanho  ou a inclinação dessas descidas e continue testando, quanto mais vivências, melhor…você vai observar que, em determinado momento, você vai estar em um treino (ou prova) e se adaptando naturalmente ao terreno e não mais “brigando” contra. Esse é o sinal que você está economizando energia, um fator determinante no sucesso da sua prova. Quanto mais longa for a prova, mais importante esses pequenos detalhes fazem diferença.

Não é o mais fortenem o mais resistentee, mas o que melhor se adapta”

Ficou com alguma dúvida? Manda uma mensagem inbox no @CristianoFetter_

Iogurte Natural com Coco
Iogurte Natural com Coco

IOGURTE NATURAL DE COCO

 

INGREDIENTES:

 

- 1 xícara de iogurte natural

- 1/4 de xícara de leite de coco

- 3 colheres de sopa de coco ralado

- 2 colheres de sopa de açúcar de coco

 

MODO DE PREPARO:

 

- Coloque todos os ingredientes no liquidificador.

 

- Bata por cerca de 1 minuto.

Trans Peneda Gerês

Créditos: Marta Lopes (Órgão de comunicação)

Pela 1ª vez, a Carlos Sá Nature Events brindou os amantes do trail com uma edição especial: o TransPeneda-Gerês – The Race of the 4 Castles! Esta magnífica prova contou com o apoio dos 5 Municípios do Parque Nacional Peneda-Gerês e de vários patrocinadores.

TransPeneda-Gerês Trail Adventure® irá com certeza marcar pontos enquanto prova de referência do trail running nacional e internacional e alguns dos melhores atletas nacionais da modalidade não dispensaram marcar a sua presença. De 2 a 4 de Outubro de 2020 cerca de 250 atletas puderam usufruir das paisagens inóspitas de um dos mais belos parques Nacionais do Mundo.

A edição de lançamento desta distância mítica TPG 165Kms non-stop foi vencida por João Rodrigues dos Amigos da Montanha com 23h12m59s. João Rodrigues foi o mais rápido, entre os homens, a conquistar os 4 castelos, seguido por Hugo Araújo do Águias de Alvelos com 26h32m17s e Francisco Fernandes também do Águias de Alvelos com 26h32m18s a fechar o pódio.

O pódio feminino é composto por Andreia Parreiras da A.C.S. Mamede com 43h18m48s, a mais rápida das mulheres, seguida pela Juliana Pinheiral da ADE Trail Running com 46h17m44s e a fechar o pódio a Manuela Oliveira do BoavistaTrail em 48h19m19s.

Trans Peneda Gerês

Houve ainda a possibilidade de participar na modalidade de estafetas, TPG 165Kms Relay, com 90 atletas a participar em equipas de três elementos.  A vitória foi conseguida pelo Bruno, Carlos e José da AiróRun & Amigos da Montanha que concluíram em 18h52m51s, seguidos dos Garranos João, Marco e Miguel com 19h39m27s e por fim o Nuno, Pedro e Francisco da Fisiomove com 20h16m00s.

A prova teve início na sexta-feira dia 2 de outubro, com partida no interior do fantástico castelo de Melgaço, passando ainda pelo castelo de Castro Laboreiro, Castelo de Lindoso e terminando no Castelo de Montalegre.

A organização do evento é da Carlos Sá Nature Events® em parceria com os cinco Municípios do Parque Nacional Peneda-Gerês. Conta ainda com o apoio das forças de proteção e socorro, associações e juntas de freguesias e baldios locais.

A edição 2021h já tem data marcada de 3 a 5 junho e será possível realizarem-se inscrições a partir desta semana, em www.carlossanatureevents.com

Mundial Trail

O evento será organizado pela IAAF World Athletics e consistirá em 4 provas durante 4 dias consecutivos. A cidade sede ainda não foi definida pela federação.
Por Sinara Piassi


A Federação Internacional de Atletismo (IAAF) anunciou os primeiros detalhes do Campeonato Mundial de Corrida de Montanha e Trail Running  que organizará em 2021.
Será a primeira vez que as Copas do Mundo realizadas até hoje pelo IAU-ITRA serão unificadas. Os percursos serão definidos pela IAAF, com distâncias acima de 42 km e o World Mountain Running Association(WMRA) definirá as distâncias menores, um evento que trará uma grande visibilidade ao esporte em todo o mundo.

Modalidades e distâncias

Entre os aspectos mais marcantes quanto à organização do evento, destaca-se a duração, serão de três a quatro dias e ocorrerão antes de meados de junho ou após a segunda quinzena de setembro de 2021.
Segundo a IAAF, o formato da competição terá pelo menos quatro modalidades diferentes e poderá ser adicionada uma corrida promocional extra por iniciativa da organização local. São elas:

  • Um clássico de 12 km em duas voltas de 6 km e 300-450 m.
    Quatro corridas, sendo elas sênior masculino, sênior feminino, júnior masculino, júnior feminino.
  • Uma corrida vertical de 4-7 km com altimetria positiva entre 700-1000 m com duas categorias distintas feminina e masculina.
  • Uma distância de 40 km e 2.000-3.000 m de desnível, mista, com qualificação ITRA “S” masculina e feminina.
  • Uma Longa de 80 km e 3.500-6.000 m de desnível, mista, com qualificação ITRA “L” masculina e feminina.

Cidade sede

O processo de inscrição para sediar o evento começou no dia 16 de dezembro de 2019. Desde então, os candidatos tiveram 6 meses para formalizar a proposta e concluir todo o processo que será finalizado com a avaliação final das federações, durante os últimos meses do ano de 2020.

As cidades candidatas passarão por avaliações como: Disponibilidade de trilhas desafiadoras e rotas de montanhas nas suas proximidades, localização de aeroportos internacionais a 3 horas de ônibus, transporte garantido ou 1.400 lugares em hotéis três estrelas ou mais para atletas, oficiais da IAAF, mídia e famílias. Por fim, surge a informação chave: a taxa de hospedagem do campeonato foi fixada em 150.000 dólares, o que dará o direito de explorar comerciamente o evento através de patrocínios, ingressos, exposições, workshops e muito mais, fomentando a cena mundial do trail running.


*Lembramos que em 2020 não foi/será realizada a ITRA Trail Running World Cup, que nos últimos anos foi realizada em uma distância alternativa de 50 e 80 km e a WMRA foi cancelada no último dia 03 de setembro de 2020.

Regulamento Super Copa Trail

A Super Copa Trail da Revista Trail Running será realizado em território Nacional nas modalidades Equipe e Individual. As disputas serão definidas por livre competição com ranking Nacional e Regional, adulto e juvenil, tanto para atletas do sexo masculino quanto feminino.

  1. Rankings:

Art. 1º: Haverá somente um ranking para todas as distâncias, onde a disputa seguirá as seguintes regras:

Parágrafo 1. Haverá dois rankings nacionais, por equipes e individual, sendo que o individual se dividirá em Adulto e Juvenil e em cada um serão premiados atletas masculinos e femininos.

Parágrafo 2. O Ranking Nacional será o principal e deles serão extraídos os todos os outros resultados de ranking.

Parágrafo 3. Haverá, ainda, os rankings Regionais, por equipes e individual, sendo que o individual se dividirá em Adulto e Juvenil e em cada um serão premiados atletas masculinos e femininos.

Parágrafo 4. As equipes e atletas individuais poderão se cadastrar na Super Copa Trail a qualquer tempo, sendo certo que somente passarão a pontuar daquela data em diante, mesmo que tenham competido em eventos anteriores pertencentes ao Circuito.

1.1 Ranking – Equipes

Art. 2º: Toda equipe poderá se habilitar para a Super Copa Trail preenchendo o formulário constante no site da Revista Trail Running (www.rtrailrunning.com.br).

Parágrafo 1. Qualquer equipe poderá se cadastrar desde que tenha no mínimo 2 atletas habilitados no site da Revista Trail Running. As equipes não terão limite de atletas.

Parágrafo 2. Todo atleta, para se habilitar na Super Copa Trail, deverá se cadastrar e pagar a taxa anual de filiação, ou se tornar assinante da Revista Trail Running.

Parágrafo 3. Toda equipe habilitada formalmente no Circuito terá um cupom¹ exclusivo para que seus atletas possam se tornar ASSINANTES da Revista Trail Running.

Parágrafo 4. Os atletas somente poderão correr por uma equipe durante o ano, sendo que a janela para mudança de equipe se dará entre os dias 16/12 a 6/01 de cada ano.

Parágrafo 5. O atleta que sair de uma equipe no decorrer do ano desfalcará sua equipe e não poderá somar pontos para uma nova equipe, seus resultados e pontos somente valerão para a premiação individual.

Nota 1: O cupom somente será válido para nova ASSINATURA, não será válido para o atleta que quiser pagar somente a taxa anual de filiação.

Art. 3º: A classificação do Ranking por equipes NACIONAL será obtida através da pontuação dos atletas de cada equipe (masculino/feminino) independente da distância, ressalvado o peso de cada faixa de distância.

Art. 4º: A classificação do Ranking por equipes REGIONAL será obtida através da pontuação dos atletas de cada equipe (masculino/feminino) independente da distância, ressalvado o peso de cada faixa de distância.

Parágrafo único: Sendo certo que as equipes poderão competir e somar pontos em provas em todas as regiões do Brasil, entretanto, o ranking Regional será somente entre equipes da região específica.

Ex. Equipes da Região Norte competem no ranking da Região Norte, enquanto equipes da Região Sudeste competem com equipes da Região Sudeste.

Art. 5º: Serão premiadas as 10 (dez) melhores equipes do Ranking Nacional

Art. 6º Serão premiadas 3 (três) equipes do Ranking Regional.

1.2 Ranking – Individual

Art. 7º: Todo atleta para se habilitar na Super Copa Trail deverá se cadastrar e pagar a taxa anual de filiação, ou se tornar assinante da Revista Trail Running.

Parágrafo único: Pessoas que já sejam assinantes da Revista Trail Running, antes do lançamento da Super Copa Trail estarão, automaticamente, habilitas para as disputas, entretanto, caso a pessoa queira integrar alguma equipe, ela deverá entrar em contato com a Revista Trail Running pelo email ([email protected]) e solicitar a inclusão da equipe em seu cadastro.

Art. 8º: A classificação do Ranking individual NACIONAL será obtida através da pontuação nas provas do Circuito, independente da distância, ressalvado o peso de cada faixa de distância.

Art. 9º: A classificação do Ranking individual REGIONAL será obtida através da pontuação nas provas do Circuito, independente da distância, ressalvado o peso de cada faixa de distância.

Art. 10º: A classificação será dividida por sexo, masculino e feminino.

Art. 11º: Serão premiados os 10 melhores atletas Nacionais masculinos e femininos.

Parágrafo 1: Serão premiados, ainda, os 3 melhores atletas masculinos e femininos de cada categoria de idade.

Parágrafo 2: CATEGORIAS DE IDADE

  • 1- Menores de 23 anos (juvenil) – Categoria à parte;
  • 2- 24 a 35 anos;
  • 3- 36 a 45 anos;
  • 4- 46 a 55 anos;
  • 5- 56 a 65 anos;
  • 6- acima de 65 anos.

Art. 12º: Haverá premiação dos 3 melhores atletas de cada Região do Brasil masculino e feminino.

Art. 13º: Haverá classificação específica para atletas juvenis.

Parágrafo único. Considera-se juvenil o atleta masculino e feminino menor de 23 anos até a data da última competição do circuito.

Art. 14º: Serão premiados os 5 primeiros atletas juvenis Nacionais masculinos e femininos.

Art. 15º Haverá premiação do melhor atleta juvenil de cada Região do Brasil masculino e feminino.

  1. Pontuação e pesos das faixas de distâncias.

2.1. Pontuação:

Art. 16º: A Super Copa Trail “by” Revista Trail Running distribuirá pontos para atletas classificados entre os 10 (dez) primeiros em todas as provas do circuito (masc/fem) como segue:

 

1º = 25 pontos;
2º = 20 pontos;
3º = 15 pontos;
4º = 12 pontos;
5º = 10 pontos;

6º = 8 pontos;
7º = 6 pontos;
8º = 4 pontos;
9º = 2 pontos;
10º = 1 ponto.

 

2.2 Pesos por faixas de distâncias.

Art. 17º: As distâncias das provas terão diferentes pesos para cada faixa de distâncias.

Parágrafo 1: O intuito em adotarmos o sistema de pesos é pelo fato de um atleta que corre distâncias menores ter condições de participar de um número de provas muito maior que um atleta que corre uma distância mais larga como 100km ou 160km. Enquanto um atleta de 10km ou 21km poderia correr praticamente todo fim de semana, um atleta que corre uma prova de 160km correrá no máximo 4 provas no ano.

Art. 18º: Os pontos conquistados por cada atleta em sua classificação serão multiplicados pelo valor do peso de sua faixa de distância e este será o valor que constará em todos os rankings, seja por equipes ou individual.

  • Até 21km – peso 1;
  • Entre 22km até 49km – peso 2;
  • Entre 50km até 99km – peso 3;
  • Acima de 100km – peso 4.

Parágrafo 1: Não será considerado para efeito de “peso por faixa de distância” o quilômetro/esforço – que é o cálculo feito entre a relação distância e ganho/perda de altimetria.

Parágrafo 2: A distância a ser considerada para efeito e aplicação dos “pesos por faixa de distância” será o divulgado oficialmente pela organização da prova, sendo descartado qualquer prova em contrário oferecida por um ou mais atletas, mesmo que por associações, grupos de atletas ou assessorias esportivas.

  1. Organizadores e eventos do Circuito 2021

Art. 19º: Os eventos participantes da Super Copa Trail serão aqueles realizados por organizadores registrados previamente e que obedeçam a seleção em qualidade organizacional, percursos e estrutura.

Art. 20º: Fazem parte da Super Copa Trail as seguintes organizações:

  • Ultra do Céu
  • KTR (Kailash Trail Run)
  • La Misión Brasil
  • WTR (Serra do Mar e Arraial do Cabo)
  • Camelbak Mountain Race
  • Indomit (Bombinhas, Pedra do Baú, Serra da Mantiqueira)
  • XC Run (Búzios e Itaipava)
  • One Hundred Brasil
  • Desafio das Serras (Brasil, Ultra)
  • Circuito das Serras
  • UT Eventos (Jaraguá SkyMarathon, Extreme Winter, Odisseia Ultra e Rota das Águas)
  • TRC – Brasil (Ultramaratona dos Perdidos e Araçatuba HalfMarathon)
  • Mountain Do (Costão do Santinho, Lagoa da Conceição, Fernando de Noronha)
  • Run Brasil Ride
  • Insanity (Mestre Álvaro, Buenos Aires, Polenta Off Road, Venda Nova)
  • Mons Ultra Trail
  • Ladeiras da Penha
  • Xterra Brasil (Estrada Real, Costa Verde e Búzios)
  • UltraMacho (Senta a Púa, Vale das Águas, Águas do Cerrado, Toroari e Rondonópolis)
  • Desafio das Serras Off Road (Monte das Gameleiras, Bananeiras, Bonito e Fernando de Noronha)
  • Serra dos Matões
  • Pedra Grande
  • Desafio Delta do Parnaíba
  • Evolution
  • Desafio Raiz Tapera
  • Beach Run
  • Forrest Run
  • Caraça Marathon

Art. 21º: As datas e regulamentos são de encargo de cada evento.

Art. 22º: Assinantes da Revista Trail Running têm descontos exclusivos em todas etapas de quaisquer eventos acima citados, basta, para tanto, requisitar seu cupom no site da própria Revista Trail Running no endereço (www.rtrailrunning.com.br/eventos).

  1. Do Vale Dourado.

Art. 23: O evento “Ultra do Céu” será o evento de abertura da Super Copa Trail e os vencedores (masculino e feminino) das modalidades 80 e 50km conquistarão o Vale Dourado para a “Final da Super Copa Trail” no evento “Caraça Marathon” a se realizar no fim do ano, em data a ser anunciada oportunamente.

  1. Caraça Marathon

Art. 24: O Evento Caraça Marathon será realizado na cidade de Catas Altas, em Minas Gerais, em data a ser definida. Trata-se de um percurso único de 42km com características de Montanha de altitude, com cumes que ultrapassam os 2.000m de altitude, o terreno por ser muito técnico e por ter uma relação distância/ganho de elevação muito acentuado se apresentará como uma chave de ouro do Circuito.

Parágrafo único: Para os atletas juvenis haverá o percurso de 21km onde somente estes poderão competir.

5.1 Como participar

Art. 25. As 50 melhores equipes da Super Copa Trail estarão classificadas e cada equipe terá direito a inscrever 3 (três) atletas masculinos e 3 (três) atletas femininos, desde que tenham participado da Super Copa e não tenham corrido por outra equipe no ano vigente.

Parágrafo único: Não será necessário que os 3 atletas sejam os maiores pontuantes da equipe, eles poderão ser selecionados de acordo com os critérios de cada equipe.

Art. 26. Com o intuito de ampliar a participação de atletas juvenis, será admitida a inscrição e participação de atletas que não tenham participado da Super Copa trail.

Art. 27. O atleta juvenil que se classificar no ranking adulto poderá abrir mão de participar da prova juvenil e competir na prova adulto desde que seja maior de idade no sentido legal. Esta decisão deverá ser comunicada a organização com no mínimo 30 dias de antecedência.

Art. 28. Os 50 primeiros atletas da classificação geral (masculino e feminino) terão vaga garantida na final na Caraça Marathon em Catas Altas.

Parágrafo único: Caso algum atleta da lista dos 50 primeiros já tenham sua vaga no evento por conta de sua equipe o ter escalado, serão chamados os próximos da classificação até que se completem as vagas.

Art. 29. Serão reservadas 50 vagas para atletas de elite (masculino e feminino) independente de participação no Ranking.

Parágrafo único: Considera-se atleta de elite os atletas com os seguintes pontos ITRA:

  • Masculino: 700 pts
  • Feminino: 600 pts

A eleição de melhores do ano da RTR Awards será feita em paralelo e a premiação realizada no mesmo evento de premiação da Super Copa Trail.

Sorteio RTR

Foi realizado no dia 20 de setembro de 2020 o primeiro dos quatro sorteios programados pela Revista Trail Running.

As regras para os sorteios são as seguintes:

1- cada sorteio é ativado quando se atinge 100 novos assinantes na semana;

2- os assinantes que excederem aos 100 contam para semana seguinte. Ex. Se na primeira semana tivermos 120 assinantes, os 20 que excederam já contam para a outra semana, então na segunda semana seriam necessários 80 novos assinantes para ativar o segundo sorteio.

3- Todos os assinantes pagantes da Revista estão habilitados para os 4 (quatro sorteios), exceto os que forem sorteados em algum dos sorteios.

4- Os sorteios se realizarão aos domingos 20h no nosso canal do Youtube, caso o número de assinantes não atinja a meta, o sorteio será adiado e realizado no dia posterior ao atingimento da meta.

5- A lista do primeiro sorteio e seus ganhadores estão disponíveis aqui,

6- O check de informações e situação dos sorteados será feita na segunda-feira após o sorteio e em caso de algum sorteado não ter efetivado o pagamento, a Revista Trail Running irá fazer um novo sorteio do produto/serviço sorteado a um novo assinante. Este novo sorteio será realizado no sorteio seguinte.

7- Sorteados da primeira semana:

1- Rodrigo Vieira – KTR Campos

2- Rafael Reid – Indomit Pedra do Baú

3- Douglas Granzotto – Caixa barrinhas Dobro

4- Luís Nei Resende – Mochila Fly Kailash

5- Raphael Bonatto – WTR Serra do Mar

6- Sérgio Pauletto Jr – Tênis Salomon Slab 8

7- Regina Andrade – Run Brasil Ride

O próximo sorteio será no domingo dia 27 de setembro de 2020 às 20h no nosso canal do YouTube, boa sorte a todos.

Desafio Espírito Guerreiro da Selva

Senão o primeiro, um dos primeiros eventos esportivos a se realizarem com protocolos aplicados em virtude da pandemia!

1- Quais os procedimentos para adequar o evento às normas locais?

Localmente não há uma norma específica, isso não foi elaborado, nós que tivemos a iniciativa e apresentamos o protocolo que iríamos utilizar para a FVS (fundação de vigilância sanitária), e recomendaram que teríamos que seguir o máximo de participantes conforme rege o decreto atual (menos de 200 pessoas).

2- qual o número de atletas inscritos e qual seria caso não houvesse pandemia?

Para adequar ao número máximo de 200, limitamos as inscrições por modalidade de acordo com o horário de largada e previsão de chegada, com isso conseguimos adequar para até 285 inscritos, pois tínhamos largadas de 6h27min até às 6h50min para as modalidades Guerreiro da Selva (ultra de 56 + MTB + obstáculos) e a ultra de 56k, em seguida a modalidade obstáculos – Competição com largada de 7h15min até 7h45mim, depois trail run de 5,6k de 8h até às 8h15mim, a modalidade obstáculos diversão foi de8h30min até 8h50min a modalidade MTB das 15h às 15h30min e após o MTB em sequência a sua chegada às largadas para obstáculos da modalidade Guerreiro da Selva!

Caso não houvesse a pandemia, teríamos entre 1.200 e 1.500 participantes em todas as modalidades e 2 dias de evento!

3- quais as distâncias disputadas e como se desenvolveu o evento?

– Guerreiro da selva com 56k de trail run, 16,8k de MTB e 5k de obstáculos;
-Ultra Trail com 56k e limite de 8h para cumprir as 10 voltas;
Ultra trail com voltas livres em 8 horas;
– Trail Run de 5,6k;
– corrida de obstáculos com 5k e 16 obstáculos;
– MTB com 16,8k.

Pela manhã iniciamos com a modalidade Guerreiro da Selva seguido da Ultra Trail, e seguindo a sequência de largada conforme citamos na respota anterior!

4- qual foi a aceitação por parte dos atletas em seguirem os protocolos?

Excelente na retirada de Kits, na chegada ao evento até um certo horário, depois com o excesso de calor e redução do número de presentes no evento o uso de máscara foi sendo deixado de lado, e na chegada, percebemos que não há como colocar uma máscara devido ao sprint final e necessidade de recuperação do nível calmo de respiração e ajustamos deixando o atleta em uma área aberta até se recuperar para depois usar a máscara e esse ponto foi meio obedecido, uns iam embora direto outros colocavam e depois uns tiravam ou outros permaneciam, isso é um hábito novo e entendemos perfeitamente, eu mesmo tirei inúmeras vezes para falar ao microfone, beber água, fazer fotos, chamar um Staff, orientar alguma situação etc, é preciso um bom senso nessa percepção do uso da máscara e também lembrar que estávamos em um local verde, aberto e os presentes no aguardo do atleta convivem juntos e vem no mesmo carro, ou seja, entre eles, distanciados dos demais, não trás o risco, e é como culturalmente em Manaus essa situação está acontecendo.

5- Como foi feito o controle de largadas e chegadas?

Para cada modalidade foi criado uma forma de largada, ou de 20 em 20 atletas (Guerreiro e o Trail) ou com 5 atletas (obstáculos) ou 3 atletas (MTB), em todas cada grupo tinha um intervalo de largada, que variava de 3 a 2 min de acordo com a modalidade, e divulgamos previamente cada uma, os atletas já chegavam sabendo da sua largada e no sistema de som fazia uma chamada por número de peito e
Nome, e em seguida o atleta se dirigia ao ponto de acesso para averiguar nome e número e aferir temperatura, aí ele adentrava não arena de largada e se posicionava em um cones equidistantes 1,5m entre si até a o sinal de largada.

A chegada era computado o horário e não tinha a entrega de medalha, frutas e hidratação, apenas um espaço para sua saída e em seguida ele era orientado a colocar a máscara e se direcionava as tendas para hidratar e receber medalha e frutas.

6- podemos dizer que já é possível a normalização dos eventos esportivos? Se sim, sob quais condições?

Manaus sim! As condições são as que utilizamos, os protocolos foram bem recebidos, foi missão real, não era um teste e pequenas adequações voltadas ao bom senso e constante lembrança do uso das Máscaras torna tudo um ótimo ambiente!

7- qual sua avaliação sobre o evento e quais lições pôde-se tirar para os próximos?

Superou em muito nossa expectativa, total união atletas e organização, todos felizes, nos sentimos seguros e tivemos um excelente domingo!
A Lição é policiar mais o uso das máscaras e criar uma área de recuperação para o atleta tem um tempo até ser exigido o uso da máscara novamente!

Lucas Papi

Luca Papi não termina os 1000km, mas faz história fechando seu desafio em 850km e mais de 40.000 metros de ganho positivo.

Devido ao calor extremo e uma lesão que se agravou no quadril, o corredor italiano decidiu não continuar o desafio #grancanaria1000km. O objetivo inicial era unir as quatro edições da Transgrancanaria 360°.

Foram 13 dias, 275horas, 850km e 82.000 calorias. O italiano começou sua aventura completando a edição de 2020 em 72 horas, num percurso extremamente difícil de 262km. Em seguida, no dia 06 de setembro, partiu para o percurso de 2018 (269km e 12.000d+). Chegaria então a edição de 2019 (264km e 13.265d+), que devido ao calor e a lesão o obrigou a caminhar grande parte do percurso, finalizando em 102 horas e 10 minutos.

Nessa época, a Europa é castigada por altas temperaturas que ultrapassam os 40 graus ao dia e 30 graus à noite. O corredor italiano ainda teve que dormir ao ar livre no meio de estradas, escassez de água em muitos pontos, inúmeras trocas de tênis e ausência de sono. No entanto, a alegria que Luca Papi carrega consigo e a ajuda da população que lhe ofereceu suporte em diversos trechos, foi fundamental em seu desafio.

Sem duvidas, depois de treze dias e 850km, este corredor, campeão em três das quatro edições da Transgrancanaria 360°, deixa seu legado e escreve uma nova história no mundo Ultra Trail. Luca Papi foi reconhecido pelo Conselheiro de Esportes do Cabildo de Gran Canária, Sr. Francisco Castellano, que entregou uma placa após a linha de chegada.

Raiz trail

Quem somos

A RAIZ TRAIL nasceu oficialmente em 25 de Novembro de 2017 em um evento na zona sul de Porto Alegre com a presença de mais de 200 pessoas de várias cidades do estado.

No evento foi realizado uma corrida em forma de desafio e um percurso de aproximadamente 10km para iniciantes e familiares. O alcance do evento superou as expectativas dos organizadores e ganhou as redes sociais pelo país.

Mas o Projeto RAIZ TRAIL nasceu bem antes em Dezembro de 2016, do desejo de cinco gaúchos apaixonados pelo trailrunning (corrida em trilhas). Rodrigo Berta, Daniel Gohl, Cristiano Fetter, André Siegle e Émerson Corrales.

Estes cinco amigos que as trilhas fizeram o favor em unir decidiram que queriam fazer algo mais pelo esporte e entraram de cabeça nesse sonho.
Mas o que é o Projeto Raiz Trail?

PROJETO MANITU – em Algonquino – energia vital, imanente aos homens, animais, plantas e fenômenos naturais – Projeto Raiz Trail de fomento ao trail gaúcho através de ações voltadas para os atletas e para as comunidades de Porto Alegre e Região.

Dividido nos seguintes subprojetos:

Nipa wa (Team Raiz Trail) em Iorubá – Equipe – Possuir uma equipe de Trail Running inpara incentivar atletas gaúchos a se desenvolverem e, ainda, incentivar o surgimento de novos atletas.
Raràmuri (Escolinha) em Tarahumara – Planta Corredora ou, também, os dos pés ligeiros – Implementar uma Escolinha Trail para crianças e jovens carentes nos locais onde treinamos.
Ibiporã (Meio Ambiente) em Tupi Guarani – Terra Bonita – Realizar ações de preservação do meio ambiente e minimização dos impactos nos morros e locais por onde praticamos nosso esporte.
Aroha (Social) em Maori – Carinho – Ações sociais de apoio e arrecadações para creches, abrigos e asilos das comunidades nesses locais.

A Raiz Trail vê o seu desenvolvimento através dos seguintes ditames:

Missão

Organizar, Divulgar e Desenvolver eventos e atividades voltadas para o Trailrunning , garantindo a prática do esporte em contato com a natureza de forma simples e sustentável, gerando para o público sensação de bem-estar, saúde e felicidade.

Visão

Ser referência e fonte de irradiação do Trailrunning no RS.

Valores:

Simplicidade
Organização
Amizade
Respeito ao Meio Ambiente
Responsabilidade Social
Sustentabilidade
Superação
Amor à Montanha

Canfrac

Neste final de semana (12 e 13/09) 800 atletas disputaram, na Espanha, a Ultra-Trail® Canfranc-Canfranc, corrida de montanha cujo percurso principal, de 100km e 8.848m de ganho de elevação, fazem desta, a prova de 100km com o maior desnível positivo de altitude do mundo, acumulando, inclusive, dois quilômetros verticais, pelos 10 picks dos Pirineus Aragoneses.

Não só é uma corrida dura, mas também atravessa maciços rochosos bem conhecidos e míticos como Collarada, Anayet e Aspe, onde mais de 75% do percurso está acima dos 2000m de altitude.

A prova ainda conta com percursos de 75 km (6500+), 45 km (4000+) e 16 km (1600+). Devido à pandemia da Covid-19, as largadas foram individuais, com cada atleta largando sozinho a cada 30 segundos.

Marcos Ramos foi o campeão dos 100 kmom 18h15, seguido por Roberto Herrera (20h36) e Mario Rodríguez (21h05). No feminino, Jainone Sasieta foi a campeã, com 28h53, seguida por Marta Corahua (29h03) e Ana Campos (31h51).

Nos 75 km, Jordi Gamito foi o campeão, com 12h19, seguido por Ivan Agirrezabala (12h30) e Oscar Puyuelo (13h40). No feminino, vitória de Silvia Trigueros (15h17), seguida por Leticia Bullido (15h24) e Eli Ríos em 3º lugar.

Nós duros 45 km, o francês Tibaut Baronian foi o grande campeão, com o tempo de 5h15, seguido por Samuel Dávila (5h21) e Miguel  Heras (5h23). No Feminino a classificação ficou assim: 1 – Oihana Kortazar 6h37; 2 – María Ordoñez 7h37m e 3 – Eva Mesado 7h53.

Nós 16 km, presença do campeão mundial de trail, Luis Alberto Hernando, que foi o vice-campeão por apenas 2 segundos de diferença (1h47min37). O vencedor foi Servo Nadege (1h47min35). Didier Zago completou o pódio masculino com o tempo de 1h52min10. Os 16 km contaram com a presença do campeão mundial juvenil e de VK, Daniel Osanz e outros atletas que já foram campeões mundiais individuais ou na seleção espanhola. Ion Sola, com 1h52min18 e Daniel Osanz, com 1h52min34 completaram o pódio histórico, alternando Espanha e França, jovens e veteranos.

No Feminino, Servant Nadege ficou com o 1º lugar (2h08min), seguida por Sara Alonso (2h13), Gisela Bertran (2h14), Maite Maioria (2h16) e Olívia Magnone (2h21).


PROTOCOLOS

A prova seguiu diversos protocolos para prevenir a transmissão da Covid-19, como envio de kits para o endereço de cada corredor; congresso técnico on-line; largadas para as quatro distâncias distribuídas por três dias; largada individual separada por 30 segundos; aferição da temperatura dos atletas; uso de máscaras e álcool em gel antes da largada e após a chegada; manutenção de distância de pelo menos 5 metros entre os atletas durante a corrida; entrega de prêmios individual e posterior à prova; comidas e bebidas servidas em embalagens individuais nos PCs; proibição de espectadores na arena, entre muitas outras medidas.