Kilian Jornet e Zach Miller organizam boicote ao UTMB.

O americano Zach Miller e o Espanhol Kilian Jornet, um dos maiores nomes de trail, estão organizando um boicote contra o maior evento de trail do planeta. O e-mail assinando por ambos e tornado público pelo treinador britânico, Martin Cox, tem o intuito de escolher os principais atletas de elite a não participarem do UTMB e optar por uma corrida diferente, com todos os benefícios e interesses reivindicados pela carta. Depois de muitas conversas entre os atletas e a organização, nenhuma das partes chegou a um ideal. Devido às burocracias para participar das finais da World Series, soma-se provas sem prêmios, pagamento de taxa de inscrição, que a cada ano cresce sem muitas explicações convincentes.
Zach Miller, UTMB 2022 - Foto: iRunFar

Zach Miller, UTMB 2022 – Foto: iRunFar

“Felizmente, como atletas de elite, temos voz”.

Há um mal-estar palpável dentro da comunidade de corrida de elite, evidenciado por um e-mail recente assinado por Kilian Jornet e Zach Miller no início de janeiro. Nessa mensagem, os destinatários são instados a reconsiderar a sua participação no UTMB e optar por participar numa “competição alternativa”. Essa convocação inusitada levanta questões sobre possíveis tensões ou preocupações entre os corredores de elite e a direção do evento, gerando um clima de especulação em torno da presença dessas figuras de destaque na prestigiada competição.

​Este e-mail foi publicado no site; Letsrun.com. O e-mail em si foi enviado para mais de 100 corredores ​da elite mundial, a grande maioria focada na ultra​ distância (mais ou menos as distâncias ocupadas pelo evento UTMB).


Confira a carta escrita por Kilian Jornet e Zach Miller


Aqui está Kilian Jornet e Zach Miller. Se você recebe isso, é porque você é um dos melhores atletas do nosso esporte. Queríamos começar com esses poucos escolhidos para que nossos esforços possam ser um pouco mais focados e não tão avassaladores. Dito isso, por que tudo isso?

Bem, estamos escrevendo para ver se você pode estar interessado em se comprometer a competir uns contra os outros em uma corrida não-UTMB este ano (2024). Embora saibamos que muitos de vocês podem ter fortes laços com o UTMB (objetivos pessoais, incentivos de patrocinadores, objetivos de carreira, etc.), pedimos que nos ouçam sobre o que temos a dizer aqui. Em primeiro lugar, queremos reconhecer que o UTMB é uma grande corrida, embora tenha havido muito drama recentemente, ainda sentimos que a corrida e a organização fizeram muito bem para o esporte de ultra corrida.

Graças ao UTMB, agora temos um evento semelhante a um campeonato mundial que atrai muitos dos melhores corredores do esporte, bem como patrocinadores, mídia e fãs de todo o mundo. Realmente se tornou o grande evento do ano e realmente ajudou a colocar nosso esporte no mapa. Ter um evento como esse criou muitas oportunidades para pessoas como nós, pois gera muito dinheiro e atenção para o esporte. Achamos que isso é bom.

No entanto, embora possa ser bom para o esporte crescer e se desenvolver dessa forma, também é importante que o crescimento ocorra de forma positiva e saudável. Infelizmente, a direção atual que UTMB, UTMB Group e Ironman tomaram nos causou preocupação. Há uma infinidade de coisas que poderíamos apontar que nos preocupam, mas a essência é que sentimos que eles não estão gerenciando a si mesmos e seus eventos de uma forma que tenha o melhor interesse do esporte e de suas pessoas em mente.

Entendemos que o espaço de corrida é um negócio e estamos bem com a organização ganhando dinheiro. No entanto, acreditamos que há uma maneira de fazer isso sem tratar mal as pessoas e sem atropelar ninguém que as atrapalhe. Simplificando, queremos que você administre bem o seu negócio. Queremos que sejam considerados. Queremos que eles não se perguntem apenas “o que podemos fazer para nos beneficiar?”, mas também “o que podemos fazer para melhorar o esporte do trail running como um todo?”.
Infelizmente, sentimos que eles não têm feito um trabalho muito bom com isso. E embora seja bom poder sentar e ter uma conversa com eles para que possamos corrigir o curso e colocar as coisas de volta nos trilhos, temos medo de que eles não façam realmente nenhuma mudança, a menos que se sintam pressionados a fazê-lo. Felizmente, como atletas de elite, temos voz.

Talvez a melhor maneira de comunicar nosso descontentamento e aplicar alguma pressão seja nos unirmos e todos irmos para uma corrida diferente. A ausência dos quinze melhores corredores masculinos e femininos na linha de partida do UTMB diria tudo. Gostaria de avisá-los de que não estamos felizes e pressioná-los a fazer algumas mudanças.

Então, gostaríamos de ouvir seus pensamentos. Já identificamos uma corrida em potencial que poderíamos participar em vez do UTMB, mas antes de entrarmos em tudo isso, deixe-nos saber o que você pensa. Você tem as mesmas preocupações ou semelhantes? Você está interessado em competir em uma corrida alternativa? Deixe-nos saber para que possamos continuar o diálogo e discutir quais podem ser os próximos passos. E tenha em mente que isso não é para ser algo malicioso e odioso para o UTMB. A ideia aqui é encontrar uma maneira de colocar alguma pressão sobre a organização UTMB/Ironman para que possamos trazer mudanças positivas. Seria fantástico se um dia pudéssemos ir ao UTMB e nos sentirmos bem sabendo que o que eles estão fazendo é melhorar o esporte, não piorá-lo.

Enfim, deixe-nos saber o que você pensa.

 

 

Agência Mundial Antidopagem é acusada de acobertar testes irregulares da Espanha.

Agência Mundial Antidopagem é acusada de acobertar testes irregulares da Espanha. De acordo com jornal espanhol, a instituição permitiu que a Agência Nacional Antidopagem da Espanha evitasse que testes positivos fossem sancionados.

Segundo uma investigação realizada pelo jornal espanhol Relevo, a Agência Mundial Antidopagem (WADA) permitiu que a Espanha deixasse impunes vários testes de doping positivos. Além disso, de acordo com o jornal, a Agência Nacional Antidopagem do país (CELAD) evitou que esses testes fossem sancionados. A agência espanhola teria utilizado fundos públicos para pagar a testagem irregular durante pelo menos cinco anos.

De acordo com a investigação do Relevo, a Agência Mundial Antidopagem possui documentos que comprovam a existência de resultados positivos ilícitos no desporto espanhol. Segundo a reportagem, o órgão internacional responsável pela promoção, coordenação e monitorização das testagens estava ciente sobre as irregularidades e permitiu que a Espanha não aplicasse sanções aos atletas que violassem as regras antidopagem. O jornal ainda revelou que, durante pelo menos cinco anos, a agência antidoping espanhola pagou testes irregulares com dinheiro público. Tudo indica que a situação se manteve entre 2017 e 2022, com o conhecimento do diretor, José Luis Terreros, e do chefe do departamento de controle antidopagem, Jesús Muñoz-Guerra.

<Polêmica envolvendo atletas do Trail>

Majida Maayouf, corredora Basca queria experimentar a corrida de montanha, pois começava a ter mais dinheiro para gerar renda. Majida focou em cross e corrida de montanha. A realidade não era outra, mais do que correr nas montanhas você precisa de outras habilidades além de correr e com sua marca no asfalto, ela não se destacaria acima do resto dos corredores, enfim, esse não era o lugar dela.

“Vou ganhar Zegama Aizkorri, esse tempo é muito viável para uma maratona de montanha” Estas palavras saíram da boca de Maayouf em várias ocasiões, na sua boca e na boca de pessoas próximas, ressoaram fortemente no País Basco, havia nelas um passado histórico, porque outro ciclista, neste caso do ciclismo, tinha dito exatamente a mesma coisa. Meses depois foi sancionado por doping, neste caso por EPO, estamos a falar do ex-ciclista, Aitor Osa.

“Nada vai me impedir de alcançar o que tanto sonhei” Maayouf definitivamente não se concentrou nas montanhas, ele viu que com suas “novas pernas” ela poderia ter muito mais do que várias lesões com as descidas. Iniciava sua caminhada rumo à nacionalização. Rapidamente, ela começou a baixar seus melhores tempos, até que colocou os 10k em 31 minutos, (no intervalo de 2022 a 2023 ela conseguiu baixar de 33 minutos para 31:21) o próximo passo seria atacar a distância da maratona, ela poderia!

Todos pudemos observar o que Majida conseguiu em Valência, o recorde espanhol na modalidade (2:21:01), mas será que é legal?

O quadro internacional que permitiu cobrir um teste positivo para doping um ano depois. O caso da maratonista Majida Maayouf evidencia as fissuras em um sistema internacional que permitiu ao antidoping espanhol neutralizar um teste positivo um ano depois.O Código Mundial Antidopagem é claro: no interesse de uma justiça desportiva justa e eficaz, as organizações antidopagem devem concluir a Gestão dos Resultados no prazo de seis meses a contar da notificação (artigo 4.2). Mas o Código é sempre cumprido e, portanto, a referida justiça desportiva é alcançada? A resposta é NÃO.

8 de novembro de 2020. Majida Maayouf competiu na prova de estrada de 10 quilômetros da Laufszene Invitational Run em Dresden, Alemanha. Ele ficou em segundo, com o tempo de 33min27s. Mais um passo para se preparar para o seu objetivo: melhorar o seu recorde pessoal nos 42.195 metros da maratona que lhe permitiria saltar para a elite internacional e com isso a sua naturalização. Nesse teste, Maayouf foi submetido a um teste antidoping aleatório realizado pela Agência Nacional Antidoping da Alemanha (NADA). O resultado de Majida foi positivo, ou como é chamado tecnicamente, ela obteve um resultado analítico adverso.

O motivo? Majida Maayouf, apesar de ser de origem marroquina, competiu sob uma licença da federação espanhola. José Luis Terreros, diretor-geral da agência antidopagem espanhola, que a princípio não sabia detalhes do caso, garantiu à Relevo que eles foram contratados para ser a autoridade gestora do resultado da federação internacional em 4 de dezembro de 2020, e a Agência Mundial Antidoping endossou que deveria ser assim em 13 de dezembro do mesmo ano.

Foi nessa época que começaram as suspeitas sobre os Terreros e o CELAD espanhol em geral.

Poucos, mas muito notórios casos no nosso esporte dispararam alarmes, muitos deles não deram em nada, devido a defeitos de forma ou devido a “imperícias” por parte das agências antidopagem, espanholas ou mundiais. O que é claro é que hoje existem muito poucos controles, podemos praticamente contá-los nas nossas mãos. Alguns campeonatos espanhóis, campeonatos mundiais, algumas corridas de renome internacional como Zegama, Sierre Zinal, Templiers e pouco mais. É fácil e simples e não punível recorrer a técnicas de doping em nosso país, como já lemos antes. Então, o doping existe no nosso esporte? Para nós, é um SIM retumbante.

No caso de Didier Zago (Corredor trail francês), testou positivo para EPO, sendo um corredor que quase não competiu em quilômetros verticais. Muitos outros casos foram deixados de lado ou justificados pelo uso legal de drogas, como o caso de Maude Mathys, já que ela tomava hormônios para poder engravidar. Mas outros casos, como o da francesa Cristelle Dewalle, em 2016, durante o campeonato mundial em Barruera (onde foi proclamada a primeira na vertical), não eram muito notórios, mas existiam.

Seja como for, cada vez mais mediadores, como o caso de Jornet, pedem mais controles e maior pressão contra este flagelo.

«Mais controles de doping dentro e fora de competição e mais transparência sobre os pontos positivos para que coisas como essa não voltem a acontecer.”Jornet após saber do caso Kongogo na Sierre Zinal 2022.

Fontes: |Globo Esporte, Carreras por Montaña e Jornal Relevo.

Campeões Liga WTR

WTR DIVULGA CAMPEÕES DO RANKING 2023 E CALENDÁRIO 2024

  • World Trail Races teve seis etapas de Trail Run na temporada, com provas de Mountain Bike em três delas
  • Calendário 2024 terá etapa inédita em Minas Gerais 
  • Atletas do Trail Run serão premiados em cerimônia dia 10 de dezembro.
  •  A partir de 2024, os atletas do Mountain Bike terão ranking específico para modalidade

Experiência dos atletas e preservação da natureza são os pilares da WTR Crédito da imagem: Felipe Almeida

Clique aqui para imagens em alta resolução


Dezembro de 2023 – Em uma temporada marcada por muita aventura, superação de desafios e momentos inesquecíveis, a World Trail Races encerra o calendário 2023 consolidada como a maior liga de esportes de montanha do Brasil. A WTR é organizada pela 213 Sports, vertical de esportes da V3A, e pela Speed Eventos Esportivos. 

Nesta temporada, a WTR passou por Grumari, na capital carioca, Teresópolis, Arraial do Cabo, Miguel Pereira e Petrópolis, no estado do Rio de Janeiro, além de Campos do Jordão, em São Paulo. A liga atraiu milhares de atletas de Trail Run e Mountain Bike, conquistando um público recorde em sua história. 

“É muito gratificante encerrar esta temporada da WTR com tamanho sucesso. Temos certeza de estar no caminho certo, preparados para a temporada 2024 com mais etapas e mais Estados no calendário, fortalecendo a WTR no cenário nacional”, comemorou Yuri Binder, fundador e Co-CEO da 213 Sports. 

Para 2024, a liga irá expandir ainda mais a sua presença, desbravando novas montanhas em outras regiões e estados do país. A primeira novidade anunciada é a realização da WTR Nova Lima, cidade já conhecida como destino dos amantes dos esportes outdoor, localizada na região metropolitana de Belo Horizonte (MG), que será a segunda etapa do ano. Além desta, a organização trabalha para apresentar três novas cidades ao circuito ainda no ano que vem. 

“Na WTR o atleta é o centro de toda e qualquer decisão que tomamos. Desde as pesquisas pós-prova, conversas com participantes e feedback do nosso time de embaixadores, tudo é feito pensando para melhorar a experiência final do nosso principal cliente: o atleta. Temos um planejamento muito claro de onde queremos chegar e de como queremos chegar e estamos muito felizes em encerrar esse ano tão simbólico celebrando as conquistas. Não só nossas, mas dos atletas”, comenta Gabriela Corrêa, Head de Produto da Liga WTR.

Campeões do Ranking WTR 2023 de Trail Run

Após a realização de seis etapas, é hora de conhecer agora os campeões do ranking 2023 de Trail Run e as novidades para a próxima temporada. A partir de 2024, a WTR irá realizar também o ranking dos atletas do Mountain Bike. 

O Ranking WTR premia os cinco primeiros colocados gerais de cada distância e os três primeiros em cada categoria (faixa etária), considerando as quatro melhores pontuações ao longo do ano, descartando as demais. Para disputar o ranking, os atletas devem disputar ao menos duas etapas do circuito.

Na distância Short, a atleta Sandra Martins conquistou o bicampeonato, com 30.000 pontos. Iris Ribeiro do Nascimento ficou em segundo, com 22.875 pontos, seguida por Bianca Maria Pereira Ferreira (12.375), Patrícia de Barcelos Cunha Trancoso (11.875) e Carla Guimarães de Melo Moura (11.050). 

Entre os homens, Jorge Montenegro foi o campeão na distância Short, com 26.250 pontos. “A WTR é muito especial, pois reúne uma galera com uma vibe muito boa. É sempre bom descontrair com os amigos nas trilhas, conhecer gente nova e trocar experiências”, afirmou Jorge. André Lima conquistou a segunda colocação com 23.125 pontos, seguido de Leandro Santos de Almeida (21.500), Paulo Roberto Mendes de Souza Júnior (19.875) e Daniel da Silva Lopes (13.000). 

Na distância Mid, Bianca Ferreira Nunes da Silva levou o título da temporada, com 30.000 pontos. Carolina Carius conquistou a segunda posição, com 20.125 pontos, seguida por Luise Magalhães Valentim (14.525), Mayara de Amorim Nobre (10.650) e Francyane Rozestolato Basile (8.575). 

“A vontade de competir no Trail Run vem principalmente em poder praticar um dos esportes que mais amo, a corrida, em ecossistemas belíssimos. É inexplicável a potência, a descoberta de força, autoconhecimento e satisfação que o desafio da montanha proporciona em nós, seres humanos”, refletiu Luise, integrante do Squad WTR. “É muito especial e riquíssimo poder fazer parte de um time com diversas pessoas incríveis, atletas de referência e por poder, junto com a WTR, proporcionar e fortalecer os princípios e pilares da liga”, completa. 

João Fernando Accioly foi o grande campeão masculino na distância Mid, com 23.125 pontos. Na segunda posição, Rodrigo Mascarenhas conquistou 19.875 pontos, seguido por Renato Campos (17.500), Jonathan Hermes (15.750) e Jorge Montenegro (15.000), que além de disputar todas as etapas no Short, competiu ainda em Mid em duas delas.  

“Quem me conhece de verdade sabe que não curto muito as distâncias longas. Então resolvi correr dois percursos em uma etapa, algo que ninguém tinha feito ainda na WTR, ainda mais brigando pelo top 5. O pessoal fala que era melhor ter me inscrito na distância maior e ter corrido só uma vez, mas pra mim é mais desafiador fazer dois percursos seguidos, pois você tem que dar seu melhor duas vezes, principalmente no segundo percurso que seu corpo está cansado e você tem que trabalhar o lado mental também”, explicou Montenegro. 

Na distância Long, a atleta Miria Gois foi a campeã, com 12.500 pontos. Núbia Oliveira ficou em segundo (12.000), seguida por Nadjala de Oliveira Richard João (11.325), Maria Isabella de Almeida Barbieri (7.000) e Juliana Sanches Paes (4.375).

Entre os homens, Joseilton da Silva Santos foi o campeão da Long, com 16.500 pontos. Eduardo de Brito Ramos, que no ano passado conquistou o título, terminou a temporada 2023 na segunda posição, com 14.500 pontos. Ele foi seguido por Wemerson dos Santos Barreto (10.125 pontos), Edivaldo Souza (7.500) e Lucas Lourenço (5.250). 

Na distância Full, a atleta do Squad WTR Ana Paula Silveira conquistou o título da temporada, com 25.000 pontos. Ela voltou à competição após um grave acidente e mostrou que com superação e força de vontade, nenhum desafio é impossível. “Voltar ao Trail Run após o acidente foi um desafio, e ainda é, pois há sempre uma comparação da atleta que eu era antes e a que  sou agora. Sabendo que preciso construir. Mas superar os desafios das provas reflete minha vontade de vencer todas as dificuldades”, explicou Ana Paula. A atleta Paloma Nascimento de Andrade Galper foi vice-campeã, com 11.625, seguida por Vanessa da Silva Gomes (7.750), Cristiane Marinho Viana (7.250) e Miria Gois (6.600). 

Edivaldo Souza foi o campeão masculino da categoria Full, acumulando 23.625 pontos. Eduardo de Brito Ramos, que disputou a distância Full em três das seis etapas da temporada, ficou com o vice-campeonato, conquistando 22.500 pontos. Lucas Lourenço foi o terceiro, com 13.350 pontos, seguido por Gleiciomar Pereira dos Santos (7.375) e Filipe Bernardes (7.000).

Já na distância Ultra, Rosalia de Camargo Guarischi foi a grande campeã feminina, com 13.500 pontos. Juliana Garcia Ferreira conquistou o segundo lugar, pontuando 12.000. Ela foi seguida no ranking por Beatriz Ferreira (10.000), Priscila de Souza Santos (7.500) e Marcia Cristina Bessa (6.375).

Entre os homens, César Henrique Goldner Picinin foi o grande campeão da temporada, conquistando 15.000 pontos. Ernani de Souza foi o segundo, com 10.000 pontos, seguido por Joel Miguel Camilo (8.375), Rafael Silva de Souza (6.600) e Hoslany Fernandes Pessoa (6.000). 

A classificação completa do Ranking WTR 2023, bem como todas as suas regras, estão disponíveis aqui.

Os campeões do Ranking WTR 2023 serão coroados no WTR Awards, que acontecerá no dia 10 de dezembro, no Rio de Janeiro. Ao todo, 50 atletas do ranking geral e 186 nas faixas etárias serão reconhecidos por seus desempenhos ao longo do ano. A entrada é gratuita e exclusiva aos atletas que participaram de pelo menos uma etapa da liga no ano, mediante confirmação de presença no formulário e sujeito a lotação. 

Para a temporada 2024, a WTR renovou os patrocínios com On Running – que apoia a liga desde 2019 – e CamelBak, que reconhece a força da liga e investe nela desde 2016. A Mombora, por sua vez, renovou e será apoiadora da WTR pelo segundo ano consecutivo.


Calendário 2024 da World Trail Races conta com seis etapas, até o momento:

9/3 – WTR Praias Selvagens (Grumari – RJ) – Trail Run e Kids Race (4ª edição)
6 e 7/4 – WTR Nova Lima (MG) –  Trail Run, MTB e Kids Race (Inédita – Primeira etapa da Liga WTR em MG)
22/6 – WTR Arraial do Cabo (RJ) –  Trail Run e Kids Race (9ª edição)
3 e 4/8 – WTR Miguel Pereira (RJ) – Trail Run, MTB e Kids Race (3ª edição)
19 e 20/10 – WTR Campos do Jordão (SP) –  Trail Run, MTB e Kids Race (3ª edição)
23 e 24/11- WTR Serra do Mar (Petrópolis – RJ) – Trail Run, MTB e Kids Race (7ª edição)

WTR SERRA DO MAR COM RECORDE DE PARTICIPANTES

  • Maior liga de esportes de montanha do país teve seis etapas no ano e recorde de participantes 
  • Neste sábado foram disputadas as provas de Trail Run. Amanhã (26/11) será a vez da decisão do Mountain Bike 
  • Campeões do Ranking WTR serão revelados ao longo da semana e premiados no WTR Awards, que acontece dia 10 de dezembro, no Rio de Janeiro

 Atletas celebram a chegada na WTR Serra do Mar – Crédito das imagens: Albert Andrade
Clique aqui para imagens em alta resolução

Novembro de 2023 – Neste sábado (25), a WTR Serra do Mar consagrou os vencedores da sexta e última etapa de 2023, fechando esta temporada histórica.  Já os campeões do Ranking WTR 2023 serão revelados ao longo da semana e premiados no WTR Awards, em dezembro.

Realizada no distrito do Vale das Videiras, em Petrópolis, a WTR Serra do Mar teve recorde de inscritos. As inscrições esgotaram 15 dias antes da etapa.  As provas de Trail Run tiveram quatro opções de percursos: Short (8km), Mid (16km), Full (32km), Ultra (60km), além da Kids Race, que inspira as crianças à prática esportiva e ao contato com a natureza.

“É muito gratificante encerrar esta segunda temporada da WTR com tamanho sucesso. Tivemos mais de 1.500 atletas presentes, consagrando ainda mais o Vale das Videiras como o palco perfeito para os esportes de montanha. Temos certeza de estar no caminho certo, preparados para a temporada 2024 com mais etapas e mais Estados no calendário, fortalecendo a WTR no cenário nacional”, comemorou Yuri Binder, fundador e Co-CEO da 213 Sports.

Valmir Lana, competidor no percurso Full (32km), celebrou a contribuição da WTR para o crescimento da modalidade no país. “Fico muito feliz em ver a evolução do Trail Nacional, com um evento de tão boa qualidade como a WTR, não só aqui em Videiras, mas em todas as provas que realiza. Este ano eu tive a oportunidade de estar também na etapa de Campos do Jordão, correndo mesmo, e é, certamente, um dos maiores empreendimentos de Trail Running do Brasil”, disse o também editor da Revista Trail Running.

Além do alto nível técnico, que exigiu muito preparo dos atletas em dia de sol e calor, os percursos passaram por cenários icônicos da região, como a Pedra do Cuca, um dos pontos mais elevados da competição. Os atletas do percurso Full (32km) disputaram ainda o tradicional Desafio “WTR Zerando a Montanha by Strava”, que premiou os vencedores com kits da Strava e da Mombora.

Cenários deslumbrantes também são atrativos na WTR  – Crédito das imagens: Albert Andrade

Vencedores de Trail Run da WTR Serra do Mar
Na categoria Short (8km) feminina, a atleta Isis Costa da Silva foi a vencedora, com tempo de 37min21seg. A segunda colocação ficou com a líder do Ranking WTR 2023 e campeã de 2022 Sandra Martins, que terminou a prova em 41min55seg. Vice-líder da temporada, Iris Ribeiro do Nascimento, terminou a prova na terceira posição, com tempo de 43min19seg.

Na categoria Short (8km) masculina, André Lima conquistou a primeira posição com tempo de 32min02seg. Leandro Santos de Almeida ficou em segundo, com 33min45seg e Paulo Roberto Mendes De Souza Junior terminou em terceiro, com 34min36seg.

A disputa acirrada da categoria Mid (16km) feminina consagrou a atleta Bianca Ferreira, que finalizou o percurso em 1h41min42seg. Na segunda posição, Luanna Marilia Teixeira terminou em 1h50min35seg. Louise Souza ficou em terceiro, com 1h51min51seg.

Entre os homens, Renato Campos conquistou o topo do pódio da Mid (16km), concluindo a prova em 1h21min54seg. Jorge Montenegro ficou em segundo, com 1h23min42seg, seguido por Rodrigo Mascarenhas, com 1h23min59seg.

No percurso Full (32km) feminino, Ana Paula Silveira, do Squad da WTR, conquistou o lugar mais alto do pódio com um tempo de 4h16min34seg. A segunda posição ficou com Clarice Daibert, campeã da Full em 2022, que concluiu em 4h40min24seg. Já a terceira posição ficou com Paloma Nascimento de Andrade Galper, com 4h43min22seg.

“É a quinta vez que faço esta prova e a quarta vez que sou campeã. Eu gosto muito da etapa, não pode faltar no calendário. Acho que todo mundo tem que fazer, seja a distância que for”, afirmou a campeã da categoria Full (32km), Ana Paula, que venceu, ainda, a disputa feminina do desafio “WTR Zerando a Montanha by Strava”.

No masculino, Raphael Correa Valverde conquistou o topo do pódio na categoria Full (32km), terminando a prova em 3h25min32seg. Eduardo de Brito Ramos, que foi campeão do ranking 2022 na mesma categoria, terminou a prova na segunda colocação, com tempo de 3h29min26seg. Em terceiro ficou Edivaldo Souza, com 3h43min47seg. O atleta Lucas Lourenço, quinto colocado no geral da categoria, foi o vencedor masculino do desafio “WTR Zerando a Montanha by Strava”.

Já na categoria Ultra (60km) feminina, Beatriz Ferreira superou o percurso em 8h37min55seg. Juliana Garcia Ferreira ficou na segunda posição, com tempo de 8h58min29seg. O terceiro lugar ficou com Rosalia De Camargo Guarischi, que terminou a prova em 9h13min02seg.

Entre os homens, Ernani De Souza foi o primeiro a completar os 60km, com tempo de 6h42min31seg. Ele foi seguido por Cesar Henrique Goldner Picinin, com 6h52min39seg e Hoslany Fernandes Pessoa, que concluiu em 7h06min46seg.

“Sou muito amigo do Ernani, sabia que não dava para brincar com ele. Eu estava liderando o ranking, então tentei fazer a prova para me garantir. Tentei chegar em quarto colocado, mas fui bem na prova e consegui a segunda posição”, afirmou César Picinin.

Todos os resultados da WTR Serra do Mar 2023 estão disponíveis aqui.

A WTR Serra do Mar tem patrocínio da CamelBak, On Running e Cerveza Patagonia, com apoio da Exposis, Mombora, Strava, YoPro, Prefeitura de Petrópolis, My Safe Sport, Oakley e Guaraí. Realização 213 Sports e Speed Eventos Esportivos. Hotel Oficial: Bomtempo II e foto oficial: Foco Radical. Mídia oficial Revista Trail Running. Mais informações no Instagram @worldtrailraces e no site da WTR.

Campeões do Ranking 2023

Os campeões da temporada 2023 serão anunciados ao longo da semana e coroados no WTR Awards, festa de premiação da temporada que acontecerá dia 10 de dezembro, no Rio de Janeiro.

Serão premiados os Top 5 gerais e o Top 3 das categorias por faixa etária de cada distância (short, mid, long, full e ultra). Ao todo serão premiados 200 atletas e mais de 170 mil reais em dinheiro e premiação.

Conforme o regulamento, para concorrer ao ranking o atleta deve ter participado de, no mínimo, duas etapas. Já para quem disputou todas as etapas serão computados os quatro melhores resultados, o restante será descartado.

Resultados da WTR Serra do Mar – Trail Run

Trail Run Short (8km) Feminino

  1. Isis Costa da Silva – 0:37:21.40
  2. Sandra Martins – 0:41:55.10
  3. Iris Ribeiro do Nascimento – 0:43:19.33
  4. Bianca Maria Pereira Ferreira – 0:43:22.68
  5. Patricia Santanna Varela – 0:43:58.35

Trail Run Short (8km) Masculino

  1. André Lima – 0:32:02.56
  2. Leandro Santos de Almeida – 0:33:45.57
  3. Paulo Roberto Mendes De Souza Junior – 0:34:36.57
  4. Vitor Dos Passos Vieira – 0:34:37.30
  5. Marcus Paulo Escrivani Borges – 0:35:36.32

Trail Run Mid (16km) Feminino

  1. Bianca Ferreira Nunes Da Silva – 1:41:42.73
  2. Luanna Marilia Rodrigues Pimentel Teixeira – 1:50:35.75
  3. Louise Souza De Lima – 1:51:51.73
  4. Tatiana De Oliveira Gomes – 1:53:22.74
  5. Luise Magalhaes Valentim – 1:53:30.49

Trail Run Mid (16km) Masculino

  1. Renato Campos – 1:21:54.42
  2. Jorge Montenegro – 1:23:42.68
  3. Rodrigo Mascarenhas Pereira – 1:23:59.94
  4. João Fernando Accioly – 1:24:52.19
  5. Jonathan Hermes – 1:24:53.43

Trail Run Full (32km) Feminino

  1. Ana Paula Oliveira Silveira Peixoto Dos Santos – 4:16:34.45
  2. Clarice Daibert – 4:40:24.49
  3. Paloma Nascimento De Andrade Galper – 4:43:22.25
  4. Isabela Dos Santos Hoelz – 4:56:33.73
  5. Miria Gois – 4:58:22.27

Trail Run Full (32km) Masculino

  1. Raphael Correa Valverde – 3:25:32.08
  2. Eduardo de Brito Ramos – 3:29:26.84
  3. Edivaldo Souza – 3:43:47.11
  4. Bernardo Ramos – 3:56:21.39
  5. Lucas Lourenço – 4:03:13.41

Trail Ultra (60km) Feminino

  1. Beatriz Ferreira – 8:37:55.29
  2. Juliana Garcia Ferreira – 8:58:29.10
  3. Rosalia De Camargo Guarischi – 9:13:02.39
  4. Adriana Pereira Da Silva Rosa – 9:31:33.93
  5. Carla Bianca De Abreu Lopes Oliveira – 9:51:08.98

Trail Ultra (60km) Masculino

  1. Ernani De Souza – 6:42:31.99
  2. Cesar Henrique Goldner Picinin – 6:52:39.80
  3. Hoslany Fernandes Pessoa – 7:06:46.08
  4. Joel Miguel Camilo – 7:13:12.61
  5. Rafael Silva De Souza – 7:13:22.11

DESAFIO FINAL DA TEMPORADA 2023 DA WORLD TRAIL RACES SERÁ EM PETRÓPOLIS

DESAFIO FINAL DA TEMPORADA 2023 DA WORLD TRAIL RACES SERÁ EM PETRÓPOLIS

WTR Serra do Mar, sexta e última etapa de 2023, será dias 25 e 26/11, no Vale das Videiras, na região serrana do Rio de Janeiro

Restam poucas vagas para as provas de Trail Run (8Km, 16km, 32km e 60km) e de Mountain Bike (25km e 50km)

Campeões do Ranking WTR serão conhecidos em Petrópolis e premiados no evento WTR Awards, em dezembro


Final da WTR terá quatro percursos de Trail Run e dois de MTB (Crédito: Felipe Almeida)

Clique aqui para imagens em alta resolução

Outubro de 2023 – Após passar por Grumari, Teresópolis, Arraial do Cabo, Miguel Pereira, no Rio de Janeiro, e Campos do Jordão, em São Paulo, a maior liga de esportes de montanha do Brasil encerrará a temporada mais uma vez, em Petrópolis, na região serrana fluminense. A WTR Serra do Mar acontecerá nos dias 25 e 26 de novembro, no distrito do Vale das Videiras, onde serão conhecidos os campeões de 2023. E a 213 Sports, vertical de esportes da V3A, e a Speed Eventos Esportivos, organizadores da prova, não poderiam escolher melhor cenário, propício para prática de esportes em meio a natureza, para realizarem essa Grande Final.

“Petrópolis já se consolidou como a cidade dos esportes de montanha, além de todos os outros eventos esportivos que temos no nosso calendário e a WTR é uma deles. Vamos ter o prazer de coroar os melhores do ano, que vão competir em meio às paisagens de tirar o fôlego das regiões de Araras e Vale das Videiras”, ressalta o Prefeito de Petrópolis, Rubens Bomtempo.

Já o Secretário de Esportes de Petrópolis, Rafael Simão, destaca: “A escolha de Petrópolis para sediar, pelo sexto ano, a tradicional etapa Serra do Mar, reforça o potencial do nosso município como um destino de esportes ao ar livre, além de incentivar a prática esportiva na cidade.”

Segundo os organizadores, a Grande Final terá recorde de participantes, e promete fechar o calendário com provas de alto nível técnico que exigirão muito preparo dos atletas.

No sábado (25), estão programadas as provas de Trail Run: Short (8km), Mid (16km), Full (32km) e Ultra (60km). Já no domingo (26), será a vez da galera do pedal encarar o percurso entre as montanhas nas provas de Mountain Bike Light (25km) e Pro (50km).

Os corredores de alto desempenho inscritos nos percursos de Trail Run (32km) e Mountain Bike (50km) disputam, ainda, o Desafio “WTR Zerando a Montanha by Strava”, no qual a participação é através do aplicativo do Strava. Em ambas as provas serão registrados os tempos em um trecho específico do percurso. O homem e a mulher que marcarem o melhor tempo neste trecho, nas respectivas modalidades, serão premiados com troféus e kits da Strava e da Mombora.

“Esta é a sexta vez que realizamos a etapa no Vale das Videiras. É sempre muito bom retornar à cidade, a segunda como Liga WTR, para o fechamento de mais um calendário. Petrópolis é perfeita para a prática de esportes de montanha, além de oferecer uma boa rede hoteleira, ótimos restaurantes, bares e atrações turísticas para nossos atletas e familiares. A expectativa é fechar com chave de ouro e com provas à altura dos milhares de atletas que prestigiaram a WTR durante o ano. Estamos ansiosos para conhecer os campeões e vamos trabalhar para que 2024 seja um evento ainda maior”, explica Yuri Binder, Co-CEO e Diretor Executivo da 213 Sports.

Atrações para toda a família – A Arena WTR é aberta ao público, que poderá desfrutar de atividades gratuitas na AMAVALE, no centrinho do Vale das Videiras. Haverá shows com banda local, food park, Bar Patagonia, ativações de patrocinadores, WTR Store com produtos oficiais da Liga, entre outras atrações. Além de recovery e piscina de crioterapia para os atletas, o público poderá desfrutar de massagem gratuita. Em todas as etapas não pode faltar a Kids Race e na Final não seria diferente. A corrida é destinada às crianças para que desde cedo possam aprender os benefícios da prática esportiva e o contato e preservação da natureza. As largadas e distâncias são de acordo com faixa etária.

Premiações Ranking WTR – Os campeões do Ranking WTR serão definidos nesta etapa, mas serão premiados duas semanas depois durante um evento especial. Os atletas receberão uma das premiações mais completas do Trail Run brasileiro e não faltará incentivo para retornarem para a temporada 2024. Serão premiados os Top 5 do Trail Run das categorias Short, Mid, Long, Full e Ultra. No total, serão mais de 30 mil reais em dinheiro de premiação, distribuídos entre os campeões das respectivas categorias. A WTR oferecerá, ainda, 100 mil reais em inscrições, 20 mil reais em produtos WTR Store, além produtos de patrocinadores e parceiros.

“Em Petrópolis serão conhecidos os campeões do Ranking WTR, mas a festa de premiação, WTR Awards, acontecerá em um evento especial que realizaremos no Rio de Janeiro, no dia 10 de dezembro”, conta Gabriela Corrêa, Head de Marca da WTR na 213 Sports.

A novidade para a WTR Serra do Mar é que todos os inscritos na etapa ganharão seis meses de acesso gratuito no Plano Light da Gear Tips Club, clube de assinatura destinado a adeptos de atividades ao ar livre e aventura, que oferece vários benefícios como cursos, palestras e conteúdos exclusivos.

A WTR Serra do Mar conta com o patrocínio da CamelBak, On Running e Cerveza Patagonia com apoio da Exposis, Mombora, Strava, My Safe Sport, YoPro, Oakley e Guaraí. Realização 213 Sports e Speed Eventos Esportivos. Hotel Oficial: Bomtempo II e foto oficial: Foco Radical. Mídia oficial Revista Trail Running. 

Mais informações no Instagram @worldtrailraces e no site da WTR


Sobre a 213 Sports – Fundada por Pedro Dau de Mesquita, Yuri Binder, Bernardo Montenegro e Marcelo Montenegro, a 213 Sports nasceu no ano de 2012. Em 2021, a agência foi adquirida pela V3A e, desde então, responde como vertical de esportes, que integra o pilar de Ventures da companhia. Focada em marketing esportivo, a 213 Sports já realizou mais de 70 projetos para marcas globais e locais, impactando mais de 50 milhões de pessoas no Brasil e no mundo. A 213 Sports vê o esporte como uma plataforma de engajamento e conexão com forte apelo emocional entre as marcas e consumidores, resultando em uma experiência única de sportainment. Insights estratégicos alinhados com o posicionamento da marca, excelência na execução e resultados mensuráveis com retorno social, sempre que possível, são as bases que sustentam a excelência da 213 Sports. Responsável por inúmeros cases, a agência se destaca com os projetos: Oi Rio Pro, Sephora Beauty Run, Ceará Kite Pro, WSL House, CamelBak Mountain Race, Casa On Running, Praia Para Todos, Pelé Academia, Saquarema Surf Festival, WTR, Red Bull Pool Clash, SLS Super Crown World Championship, entre outros.

Sobre a Speed Eventos Esportivos – A empresa surgiu em 2008, através de seus sócios Rodrigo Isaac e Francisco Serra, ambos profissionais de Educação Física que idealizaram inicialmente uma equipe de corrida com o objetivo do fomento e ensino da prática de corrida para alunos e atletas de alto rendimento. O trabalho evoluiu para o segmento corporativo onde já atenderam clientes como: Petrobras, Shell, Ipiranga, Eletrobrás, Cepel, Furnas, Club Med, Hoya, entre outras. Ao longo desses anos elaboraram e desenharam eventos esportivos personalizados e alguns proprietários. Em corrida de rua organizaram a New Balance 15K Rio, Meia Maratona de Cabo Frio, Corrida do Samba, Corrida de Prevenção ao Câncer de Mama, Fun and Run, entre outras. No comando da Speed Eventos Esportivos adquiriram grande know-how técnico em diversos esportes, com especialização em corridas de rua, corridas de montanha e mountain bike. Desde 2012 trabalham na organização de eventos de Trail Run e, dois anos depois, lançaram a WTR (World Trail Run), que em 2022 se uniu a Camelbak Mountain Race em sociedade com a 213 Sports, criando assim a melhor experiência em provas de montanha, a Liga WTR (World Trail Races).


Final Temporada da World Trail Races 2023
WTR Serra do Mar – Petrópolis/RJ
25/11 – Trail Run
26/11 – Mountain Bike
Local: Arena WTR – AMAVALE, Vale das Videiras – Petrópolis

Il Golfo dell Isola irá decidir os campeões na final da Golden Trail Series

A GOLDEN TRAIL SERIES REVELA UM NOVO CONCEITO: FLOWER RACES

19TH – 22ND OCTOBER 2023, 26KM, 1,430M V+ (+ prologue) Il Golfo dell Isola, Italy

19TH – 22ND OCTOBER 2023, 26KM, 1,430M V+ (+ prologue) Il Golfo dell Isola, Italy

 

A Golden Trail World Series chegará à sua grande final entre quinta-feira e domingo em Il Golfo dell Isola, uma área costeira da Itália perto de Gênova. Os 30 melhores atletas masculinos e femininos das seis provas anteriores vão competir na categoria Elite numa final em que os pontos serão duplicados em relação às provas regulares da época (100 pontos para o contrarrelógio e 300 para a final). A corrida italiana, portanto, será decisiva para ver se Rémi Bonnet (Salomon/Red Bull, Suíça) e Sophia Laukli (Salomon, EUA) manterão suas primeiras posições na classificação geral e terão um papel nacional de destaque com Manuel Merillas (Scarpa) e Malen Osa (Salomon) largando da terceira posição
Nas provas masculina e feminina do Il Golfo dell’Isola Trail – a Grande Final na Itália – a Golden Trail Series está se preparando para experimentar um novo conceito: o Flower Races. Como funciona: Existem cinco loops diferentes conduzindo os corredores cinco vezes pelo coração de uma Fan Zone movimentada pelo espectador. “Desde a criação da Golden Trail Series em 2018, um dos nossos principais pontos de foco é como tornar o trail running o mais emocionante possível, sem nunca perder de vista a alma do esporte”, explica Grégory Vollet, diretor da Golden Trail Series. “Todas as nossas corridas agora têm uma Fan Zone para que os espectadores possam assistir a todos os corredores passarem. Distribuímos várias guloseimas, incluindo bonés e sinos para fazer o máximo de barulho possível para torcer pelos atletas. Essas Fan Zones podem ser cada vez mais populares – como vimos em Zegama, Marathon du Mont-Blanc e Sierre-Zinal – mas não permitem que os espectadores acompanhem grande parte da corrida. Com este novo conceito de “Flower Races eles poderão ver os corredores cinco vezes sem mudar de local! Eles podem até vê-los 6 vezes se eles forem a apenas 200 metros de distância até a linha de partida.”
Menos impacto!

Este tipo de curso também resolve uma série de questões ambientais e de segurança relacionadas com a organização de eventos desportivos de montanha. “Com um percurso de flores, os espectadores não precisam mais se deslocar para seguir os corredores, reduzindo assim o tráfego em áreas montanhosas“, continua Grégory Vollet. “No geral, estes eventos serão mais ecológicos em comparação com um evento de estilo mais clássico, onde hordas de pessoas, não apenas espectadores, vão aos vários postos de ajuda. Aqui, temos apenas um posto de apoio urbano, o que significa que tem um impacto ambiental significativamente menor e é muito mais fácil de gerirTambém aumentamos a segurança dos corredores, pois eles nunca estão a mais de 5 quilômetros do posto de primeiros socorros de emergência“.

Autenticidade…

Alguns atletas tiveram suas dúvidas quando leram pela primeira vez sobre esse novo conceito, Judith Wyder (Hoka/Red Bull, Suíça), atualmente em segundo lugar no ranking geral da GTWS, foi uma delas. “Se considerarmos o trail running como uma aventura, uma maneira de explorar mais e o mais rápido possível, então esse tipo de curso não é tão brilhante“, explicou ela, “mas tendo dito isso, acho que pode ser muito legal para uma final“. Grégory Vollet garante que não há como comprometer os valores do trail running. “Estamos fazendo tudo o que podemos para desenvolver o show de trail running e não reduzi-lo a um esporte mundano, como já aconteceu com alguns outros esportes no passado! Em cada temporada, manteremos corridas lendárias como Zegama, a Maratona du Mont-Blanc e Sierre-Zinal, mas se os atletas e espectadores desfrutarem deste tipo de percurso de flores com seus diferentes loops, estamos pensando em fazer outros no futuroCada um dos diferentes loops nesta final é técnica e fisicamente desafiador para os corredores. Este novo conceito requer um pouco mais de trabalho para estabelecer rotas interessantes, pois precisamos encontrar locais adequados, o que não é fácil, mas no final acho que é uma situação vantajosa para todos: os espectadores, atletas e nós mesmos como organizadores que queremos aumentar a visibilidade do nosso esporte.”

.. e atmosfera!

Assim como os espectadores, os atletas também estão entusiasmados com esse novo conceito de corrida. Este é claramente o caso de Anthony Felber (Sidas X Matryx, França), atualmente14º no ranking geral da GTWS: “Estou muito animado com a ideia! No início, quando vi a distância da corrida, pensei que era um pouco curta demais para mim, mas ver este percurso único realmente me deixou animado! É realmente original e acho que haverá uma atmosfera incrível. Para os espectadores é brilhante para acompanhar a corrida e, do ponto de vista dos corredores, vai reduzir a corrida em vários loops, o que deve realmente aumentar nosso desempenho. Não haverá tempo para calmarias onde você tende a desligar mentalmente. Mal posso esperar para ver como será!” Judith Wyder também admite: “Se você olhar do ponto de vista do espectador, é realmente fantástico ter esse tipo de curso! E também não posso reclamar: vou poder ver meus filhos cinco vezes! Isso é brilhante para eles me verem e torcerem por mim. Isso também significa que não terei que andar em nenhum lugar no domingo para a corrida masculina, posso apenas sentar e torcer pelos caras!”

Onde assistir à corrida:

–       Da Fan Zone: Piazzetta Chiappella no Noli

–       No Eurosport: https://www.eurosport.com

–       No canal da Golden Trail Series no YouTube:https://www.youtube.com/@goldentrailseries7022

–       Na TV Golden Trailhttps://goldentrailseries.com/gttv/

 

Confira a programação! Horário Brasil

Quarta-feira, 18de outubro – 14h00 – Spotorno: apresentação dos atletas

Quarta-feira, 18de outubro – 14h30 – Spotorno: Sessão de autógrafos com os melhores atletas do mundo.

Quinta-feira, 19 de outubro – 9h00 – Noli: Abertura da área de exposição

Quinta-feira, 19de outubro – 11h30 – Spotorno: Prólogo feminino

Sexta-feira, 20de outubro – 11h30 – Spotorno: Prólogo masculino

Sábado, 21 de outubro – 4h45 – Noli: Prova feminina (26km e 1.430m V+).

Domingo, 22 de outubro – 5h00 – Noli: Prova masculina (26km e 1.430m V+).

Transvulcania não faz mais parte da UTMB World Series.

Foi anunciado hoje, quarta-feira (27), que a Transvulcania não fará mais parte do circuito UTMB World Series. Em 2022, o grupo responsável pelo circuito e a organização da prova assinaram uma concessão em 2022, sendo prorrogável por mais dois anos. A equipe governamental do Cabildo de La Palma (que mudou em junho de 2023) foi contestada por alguns setores populares da ilha, enquanto a UTMB também teve de adaptar parte da sua política na Espanha, e de priorizar a criação dos próprios eventos, em vez de gerir concessões.

Agora Val d’Aran by UTMB mantém-se como o único evento do UTMB World Series no país, embora Xavier Pocino, CEO da UTMB® Iberia, tenha garantido em comunicado de imprensa que “estamos a trabalhar nos detalhes finais para anunciar mais um teste em Espanha e nas próximas datas poderemos comunicar as novidades para 2024”. Sobre a Transvulcania, explicou que “estamos muito satisfeitos e orgulhosos por termos feito parte da história deste fantástico evento e desejamos o melhor aos futuros organizadores da Transvulcania”.

 

Comunicado oficial da UTMB© Iberia:

A UTMB® Iberia e o Cabildo de La Palma, por mútuo acordo, rescindem o atual contrato para a organização do evento desportivo “Transvulcania” que decorreu durante as edições de 2022 e 2023.

Desta forma, a Transvulcania deixa de fazer parte do UTMB® World Series e não será incluída no calendário de testes de 2024. Os finalistas das próximas edições da Transvulcania não obterão Running Stones, nem UTMB Index, essenciais para conseguir um lugar no sorteio para participar no UTMB World Series Finals 2025, as três emblemáticas distâncias do UTMB Mont-Blanc (OCC 50K, CCC 100K e UTMB®®®® 100M). ®®

A Transvulcania by UTMB Finishers de 2022 e 2023 manterá seus Running Stones e UTMB® Index adquiridos.

Os corredores poderão se classificar para o UTMB World Series Finals na Espanha, em Val d’Aran by UTMB, que também revalida seu título como UTMB World Series Major, a final europeia do circuito UTMB®®®® World Series, que concederá a todos os seus finalistas o dobro de Running Stones.


“Estamos a trabalhar nos detalhes finais para anunciar mais um teste em Espanha e, num futuro próximo, poderemos comunicar as novidades para 2024”, disse Xavier Pocino, CEO da UTMB® Iberia. “Estamos muito satisfeitos e orgulhosos por ter feito parte da história deste fantástico evento e desejamos o melhor aos futuros organizadores da Transvulcania”, acrescentou Pocino.

O UTMB World Series confirma até o momento 39 etapas do Circuito Mundial de 2024, a serem realizadas nas Américas, Europa, Ásia, África e Oceania, oferecendo aos pilotos de todo o mundo a oportunidade de viver a experiência UTMB mais perto de casa e, para aqueles que sonham em chegar às finais da UTMB®® World Series, para obter Running Stones em sua jornada.

Fotos © Presse UTMB

 

Trail Running nos lençóis maranhenses

Quando pensamos em trail running, pensamos de imediato em correr junto da natureza, isso por si só já motiva qualquer um a querer estar lá, seja na serra, na montanha, no cerrado ou floresta, no frio, neve ou no calor escaldante. Mas existem lugares que a natureza caprichou quando preparou, fez e jogou a receita fora. São lugares únicos, que não tem outro igual em nenhuma parte do planeja.

Um desse lugares de natureza única são os famosos lençóis maranhenses , uma gigantesca formação de dunas que só pra vocês terem uma ideia é maior que a cidade de São Paulo, a titulo de números, os lençóis tem 1.550 km² e a cidade de São Paulo 1.521km² . Sem falar que dependendo do período do ano a paisagem muda, em épocas de chuvas que vão de janeiro à março formam-se milhares de lagoas entre as dunas, chegando a mais de 36 mil espalhadas por toda aquela imensidão .

Dito isso, esse foi um dos motivos que me levou a correr lá, saber que eu estaria correndo em cima de um lugar único no planeta. Quando soube de um evento de Trail Running que haveria na região de pronto procurei me organizar para ir (pois estava vindo de outro evento totalmente oposto, no Ushuaia) sai do frio extremo com muita neve e em menos de 15 dias estava no sol escaldante e rodeado de dunas. A prova em si não era cheia de pompas nem mega estrutura, tinha o básico necessário. Tiveram quatro distâncias no evento, 10k, 18k, 30k e 55k, eu optei em ir na maior para exatamente vivenciar o máximo possível daquela região fantástica.

Essa prova fazia parte do circuito corridas de montanhas, troféu norte-nordeste que tem várias etapas em locais distintos das duas regiões (achei muito bacana ver que o Trail tá chegando em locais onde antes não existia), além dessa etapa dos lençóis as outras são, Chapada Diamantina, Palmas, Marajó, Serra da Canastra (etapa final) . Isso mostra que nossa modalidade tá adentrando cada vez mais no nosso país , em cidades e regiões onde poucos conhecem mas que tem muita beleza escondida.

Voltando para os lençóis a prova contou com pontos de apoio que tinham em média 7k de distância um do outro, e que contavam com água, isotônico e frutas, os apoios estavam  exatamente nos locais onde foi informado pela organização, e pra dar um toque a mais de pancadaria para os atletas dos 55k a organização nos informou que teria um trecho de aproximadamente 17km sem nenhum apoio e que o local seria 100% de dunas (me senti pela primeira vez andando num deserto) com direito a urubus voando em cima de mim, acho que só esperando alguém dar mole pra terem um lanchinho. Isso deu um toque especial no desafio, pois quem errou na estratégia e levou menos água teve que se socorrer nas lagoas que tinham pelo caminho.

Por fim posso dizer que me surpreendi com o grau de dificuldade dessa prova, subestimei aquelas dunas e achei que seria mais tranqüilo, mesmo sendo acostumado posso dizer que foi uma das provas de praia (e dunas) mais difíceis que já corri. Pra vocês terem uma Idea, 45km dos 55k totais da prova foram literalmente de dunas e areia bem frouxa, até bem próximo da chegada ainda percorríamos estradinhas de areia bem solta.

Pra quem nunca correu em areia de duna (bem fina e solta) se prepare pra duas coisas, 1- sua musculatura vai se desgastar bem mais, e se acelerar vai quebrar  2 – vai entrar muita areia no seu tênis e meias seja ele qual for, e isso vai lixar teus pés formando alguns belos calos (as vezes parar e tirar o excesso é uma boa estratégia). Ah, quase me esqueci de falar de outra coisinha, o calor, que nessa época do ano é maior naquela região, deixando a areia bem mais fina e quente, dando uma sensação de estar em cima de uma panela. O lado bom é que esse período por lá é também de muitos ventos (a turma do kite surf chega em peso por lá) isso ameniza um pouco toda essa sensação de desgaste, ainda mais quando você dá um mergulho nas lagoas pelo caminho (eu particularmente dei vários)

Não sei o que mais motiva vocês no trail running, mas uma das coisas que mais me motiva é poder correr em lugares únicos como os lençóis maranhenses, confesso sem medo que mesmo se não tivesse prova alguma lá eu já tinha planos de fazer a travessia dos lençóis, até mesmo sozinho, só para ter aquela sensação de estar colocando meus pés num lugar tão raro, único e cheio de belezas. Ano que vem quero estar lá novamente, e já soube que a organização pensa em colocar a prova mais para o meio de ano, período pós chuvas onde as lagoas estão ainda mais cheias, e claro bem mais lindas.

WTR – Campos do Jordão

CLIMA PERFEITO E VISTAS PANORÂMICAS ENCANTARAM OS ATLETAS DE 
TRAIL RUN NA WTR ON CAMPOS DO JORDÃO

 – Mais de 700 participantes marcaram presença na abertura da penúltima etapa de 2023 da WTR, maior liga de esportes de montanha do país

– Neste domingo (3/9), é a vez dos atletas de Mountain Bike explorarem as trilhas da Serra da Mantiqueira

– A Arena WTR está localizada no Parque Capivari e é aberta ao público com várias atrações

Penúltima etapa de Trail Run da WTR teve largada do Parque Capivari, já neste domingo será a vez dos apaixonados por MTB. Crédito: Albert Andrade

Campos do Jordão (SP), setembro de 2023 – Mais de 700 participantes se reuniram na cidade mais alta do Brasil para abertura da penúltima etapa da temporada 2023 da World Trail Races. Realizada pela 213 Sports e pela Speed Eventos Esportivos, a WTR On Campos do Jordão concluiu, neste sábado, as provas de Trail Run, com percursos de 6km, 18km, 37,7km e 53,5km.  Neste domingo (3/9), são os atletas de Mountain Bike que atenderão ao chamado da montanha.  

Com largada na Arena WTR, montada no Parque Capivari, as provas ocorreram sob um clima perfeito, com temperaturas amenas e poucas nuvens, o que favoreceu o desempenho dos atletas e as vistas panorâmicas da Serra da Mantiqueira. O nível técnico e a elevada altimetria agradou os corredores, que contaram com muito preparo para vencer os desafios das trilhas. “Eu acabei de correr 50km sempre mirando a chegada. Foi animal, a prova é muito linda, estou até emocionada”, comemorou a vencedora da categoria Ultra 53,5km, Rosalia de Camargo Guarischi.  

Já a atleta Iolanda Michele Cezar, que fez sua primeira corrida de montanha na WTR e garantiu a quarta posição na categoria Short 6km, destacou o nível técnico e a dificuldade do percurso. “É minha primeira vez correndo a WTR e adorei! Um percurso bem técnico e bem gostoso de fazer. Participamos também do Desafio Strava, que estava muito legal”, explicou.

Vencedores 

Na categoria Short 6km, a veterana atleta da WTR Sandra Martins confirmou seu favoritismo e venceu a segunda etapa seguida, com um tempo de 28min01seg. A atleta se recuperou de uma lesão gravíssima sofrida em 2022 e caminha forte em busca do título 2023 da World Trail Races. Com a vitória, ela assume a liderança do ranking e irá disputar o título com a atleta Iris Ribeiro na etapa WTR Serra do Mar. Entre os homens, o corredor Jorge Montenegro, do Time Iaza, conquistou o topo do pódio com um tempo de 22min23seg. 

O percurso Long 18km teve o atleta Ayslan Miragaia no topo da disputa masculina, com um tempo de 1h29min28seg. Entre as mulheres, a corredora Rozelene Rodrigues Padilha venceu com tempo de 1h56min11seg. 

Na disputa do percurso Full 37,7km, a integrante do Squad WTR Ana Paula Oliveira Silveira Peixoto dos Santos foi a mais rápida e conquistou o título com um tempo de 3h54min26seg. Entre os homens, Edivaldo Souza levou a melhor em uma prova de 3h24min27seg. 

Já na exigente categoria Ultra 53,5km, o corredor Cesar Henrique Goldner Picinin venceu com um tempo de 5h14min44seg. Entre as mulheres, a atleta Rosalia de Camargo Guarischi conquistou o pódio com um tempo de 6h47min17seg. Ambos garantiram também a conquista do Desafio WTR Zerando a Montanha by Strava.  

A WTR On Campos do Jordão contou ainda com a Kids Race, que desperta nas crianças a paixão pelos esportes de montanha desde pequenos. Os pequenos tiveram aquecimento antes da prova, com a presença de animadores e recreadores.  

A parada paulista da WTR

Prova técnica e desafiante entre as montanhas de Campos do Jordão Crédito: Felipe Almeida

Primeiro destino da World Trail Races fora do estado do Rio de Janeiro, Campos do Jordão recebeu pelo segundo ano consecutivo a prova. Neste ano, a novidade ficou por conta da Arena WTR, que foi montada no famoso Parque Capivari, uma das principais atrações da cidade.

Para Pedro Dau de Mesquita, Co-CEO e Diretor Comercial da 213 Sports, a cidade ofereceu uma experiência incrível para os atletas e familiares que prestigiaram o evento. “Campos do Jordão tem uma estrutura maravilhosa, com uma rede de hotelaria, serviços e entretenimento com atrações para todas as idades. Neste segundo ano da liga na cidade, tivemos o privilégio de montar a Arena no Parque Capivari, um local incrível, com teleférico, roda gigante e muitas atrações que tornaram o evento ainda mais especial. Tivemos um público muito expressivo, de mais de 700 atletas e certamente estaremos aqui novamente em 2024”, afirmou.

Além de ponto de largada e chegada das competições, a Arena WTR oferece muitas atrações para os atletas e seus familiares, como food park, show de bandas locais, Loja WTR, ativação de marcas parceiras, além de recovery para corredores, com massagem e crioterapia gratuita também para o público.

O evento contou ainda com diversas ações de sustentabilidade, que visam preservar a natureza local. Em parceria com a Terra Campos, a WTR faz a gestão de todos os resíduos gerados pelo evento. A Terra Campos realizou também ações de conscientização ambiental na Arena, explicando como é feita a separação de resíduos e a coleta seletiva de materiais, além de atividades educacionais para as crianças presentes.

Os esforços de sustentabilidade da Liga não pararam por aí. Em parceria com a Ciclou, a WTR desenvolveu uma coleção de produtos produzidos com as lonas das etapas anteriores. São malas, mochilas, necessaires e carteiras desenvolvidas por artesãos brasileiros.

A WTR On Campos do Jordão tem patrocínios de On Running e Cerveza Patagonia, apoios da Prefeitura de Campos do Jordão, Exposis, Mombora, YoPRO, Strava, My Safe Sport e Guaraí. Hotel oficial: Rede Nacional Inn. Foto oficial: Foco Radical. Mídia oficial do evento: Revista Trail Running.

A temporada 2023 da World Trail Races terá sua última parada em Petrópolis (RJ), no Vale das Videiras, nos dias 25 e 26 de novembro. As inscrições são realizadas através do site oficial do evento.

Confira abaixo todos os resultados de Trail Run:

Trail Run Short – 6km 

Masculino

  1. Jorge Montenegro: 0:22:23.75
  2. André Lima: 0:23:25.24
  3. Paulo Roberto Mendes de Souza Júnior: 0:23:53:28
  4. Emerson Rodrigues: 0:24:28.53
  5. Leandro Santos de Almeida: 0:25:16.26

Feminino

  1. Sandra Martins: 0:28:01.47
  2. Iris Ribeiro do Nascimento: 0:30:06.24
  3. Fábia Barbosa dos Santos: 0:31:34.77
  4. Iolanda Michele Cezar: 0:32:58.02
  5. Carolina Hamuche: 0.33.00.77

Trail Run Long – 18km

Masculino

  1. Ayslan Miragaia: 1:29:28.81
  2. Rafael Santos Novais: 1:31:16.06
  3. Felipe Alencar Monteiro: 1:31:23.87
  4. Eduardo de Brito Ramos: 1:32:54.06
  5. Joseilton da Silva Santos: 1:34:58.34

Feminino

  1. Rozelene Rodrigues Padilha: 1:56:11.65
  2. Luanna Marilia Rodrigues Pimentel Teixeira: 2:00:16.13
  3. Tadna Dias: 2:06:56.50
  4. Carolina Carius: 2:09:31.42
  5. Luise Magalhães Valentim: 2:11:28.29

Trail Run Full – 37,7km

Masculino

  1. Edivaldo Souza: 3:24:27.50
  2. Aluisio José da Silva: 3:28:53.01
  3. Rodrigo Vesma: 3:48:24.04
  4. Luis Nei Resende: 3:50:26.76
  5. Luca Lourenço: 3:53:18.33

Feminino

  1. Ana Paula Oliveira Silveira Peixoto dos Santos: 3:54:26.53
  2. Vanessa Moredo Alonso: 4:12:19.31
  3. Luiza Pereira Velloso: 4:48:59.84
  4. Luciana Bertocco de Paiva Haddad: 5:04:36.59
  5. Maria Tatiane Dos Santos Costa de Carvalho: 5:16:41.67

Trail Run Ultra – 53,5km

Masculino

  1. Cesar Henrique Goldner Picinin: 5:14:44.61
  2. Lucas Alves Teixeira: 5:28:12.93
  3. Wanderson Nascimento: 5:28:38.94
  4. Carlos Henrique de Paula: 5:44:54.28
  5. Joel Miguel Camilo: 5:51:01.21

Feminino

  1. Rosalia de Camargo Guarischi: 6:47:17.04
  2. Sandra Rosa Oliveira: 6:47:17.04
  3. Juliana Garcia Ferreira: 7:42:23.84
  4. Priscila de Souza Santos: 7:47:33.09
  5. Márcia Cristina Pires Bessa: 8:00:47.11

Desafio WTR Zerando a Montanha by Strava – Trail Run

Vencedor masculino: Cesar Henrique Goldner Picinin
Vencedora feminino: Rosalia de Camargo Guarischi

A classificação completa de todas as provas estão disponíveis aqui.


Sobre a 213 Sports – Fundada por Pedro Dau de Mesquita, Yuri Binder, Bernardo Montenegro e Marcelo Montenegro, a 213 Sports nasceu no ano de 2012. Em 2021, a agência foi adquirida pela V3A e, desde então, responde como vertical de esportes, que integra o pilar de Ventures da companhia. Focada em marketing esportivo, a 213 Sports já realizou mais de 70 projetos para marcas globais e locais, impactando mais de 50 milhões de pessoas no Brasil e no mundo. A 213 Sports vê o esporte como uma plataforma de engajamento e conexão com forte apelo emocional entre as marcas e consumidores, resultando em uma experiência única de sportainment. Insights estratégicos alinhados com o posicionamento da marca, excelência na execução e resultados mensuráveis com retorno social, sempre que possível, são as bases que sustentam a excelência da 213 Sports. Responsável por inúmeros cases, a agência se destaca com os projetos: Oi Rio Pro, Sephora Beauty Run, Ceará Kite Pro, WSL House, CamelBak Mountain Race, Casa On Running, Praia Para Todos, Pelé Academia, Saquarema Surf Festival, WTR, Red Bull Pool Clash, SLS Super Crown World Championship, entre outros.