A história por trás da foto: Vencendo a dor

Em 2017, o maior nome do trail running mundial da atualidade surpreendeu a todos com mais um feito. Kilian Jornet disputava os 160 km da Hardrock 100 quando, por volta do km 13, deslocou seu ombro esquerdo após um tombo em uma área íngreme com neve. Por volta do km 42, os médicos enrolaram uma tipóia para reduzir a dor. Depois disso, ainda enfrentou uma tempestade com granizo, o que atrasou um pouco sua corrida. Mesmo assim, ele venceu, com o tempo de 24h32min32, 22 minutos à frente de Mike Foote, com quem disputou a liderança até as 11 milhas finais.

Foto: Jordi Saragossa

Runner vs Base Jumper. Relembre o desafio de Kilian vs Tom Erik Heimen

A maior estrela do trail running de todos os tempos, o espanhol Kilian Jornet, em janeiro de 2020 desafiou o seu companheiro de esqui, o norueguês Tom Erik Heimen, para uma corrida em uma das montanhas de escalada, mais icônicas do mundo: Romsdalshorn, na Noruega. Ambos teriam que subir e depois descer até ao ponto de partida. Kilian faria a subida e a descida a pé e Heimen voltaria de para-quedas.

Ambos seguiram caminhos diferentes. Kilian Kilian escalou a face norte (400m escalando grau IV) e desceu o Halls Renne (450m grau III), enquanto Tom Erik escalou Halls Renne e voou sobre a face norte, o que significa que em algum ponto da rota eles se cruzaram subiu a face norte e desceu Halls Renne do outro lado, enquanto Heimen subiu Halls Renne e saltou na face norte.

Tom Erik Heimen (44) é um dos base jumpers mais experientes do mundo. Na época, com 2.147 saltos. Detentor do recorde mundial em metros verticais voado em 24 horas: 66.000 metros, em Loen, Noruega, 2019. Ele também é um montanhista muito experiente. Na maioria das vezes, ele caminha até seus pontos de saída nas montanhas próximas, começando pela porta da frente. Em 2019, seu Suunto 9 registrou impressionantes 200.000 metros verticais.

Kilian Jornet Brugada dispensa apresentações: é seis vezes campeão da Skyrunner World Series e venceu algumas das mais prestigiadas ultramaratonas. Jornet detém o tempo mais rápido conhecido para a subida e descida de picos como o Matterhorn, o Monte Blanc e o Monte Everest.

“Tom Erik e eu esquiamos juntos nos últimos anos e, durante o verão, nos encontramos muitas vezes em Romsdalshorn, ele para o base jump e eu para correr, por isso tornou-se natural fazer algo juntos à nossa maneira, e a ideia deste desafio veio imediatamente. Era muito imprevisível quem seria mais rápido. Eu sabia que poderia subir muito mais rápido, mas a descida é uma descida, por isso leva tanto tempo quanto subir para mim. E eu também sabia que Tom Erik tem um nível físico muito bom, então ele seria rápido na subida e, claro, muito rápido na descida. Durante toda a minha descida, esperava a qualquer momento ouvi-lo passar por mim”, diz Kilian.

Tom Erik comenta: “Estar nas montanhas com o Kilian é verdadeiramente motivador. Ele tem uma capacidade, ludicidade e motivação que nunca vi antes. Nosso fascínio comum pelas montanhas é a paixão e dedicação ao que fazemos. Ele me mostrou novas dimensões sobre como explorar as montanhas. Nossas aventuras no esqui me proporcionaram grandes experiências. O Romsdalshorn Challenge é uma expressão de como podemos usar as montanhas para treinamento e como playground. O que mais me surpreendeu com o desafio foi a rapidez com que Kilian está descendo a técnica e íngreme, Halls Renne, com os desafios de pedras soltas por todo o caminho. Eu sei que ele é muito rápido subindo e não tive dúvidas de que ele iria me vencer até o topo, mas eu esperava que ele passasse mais tempo descendo do que subindo. Quando estava chegando ao topo em apenas 46 minutos, meu melhor recorde pessoal, estava 100% certo de que o venceria até a linha de chegada. Durante meu vôo de volta para baixo, eu estava constantemente procurando por Kilian, e, quando percebi o quão longe ele tinha vindo, fiquei super surpreso. Estou realmente maravilhado com este atleta fantástico”.

Relembre, abaixo, como foi esse desafio de tirar o fôlego e confira quem foi mais rápido: