Campeões Liga WTR

WTR DIVULGA CAMPEÕES DO RANKING 2023 E CALENDÁRIO 2024

  • World Trail Races teve seis etapas de Trail Run na temporada, com provas de Mountain Bike em três delas
  • Calendário 2024 terá etapa inédita em Minas Gerais 
  • Atletas do Trail Run serão premiados em cerimônia dia 10 de dezembro.
  •  A partir de 2024, os atletas do Mountain Bike terão ranking específico para modalidade

Experiência dos atletas e preservação da natureza são os pilares da WTR Crédito da imagem: Felipe Almeida

Clique aqui para imagens em alta resolução


Dezembro de 2023 – Em uma temporada marcada por muita aventura, superação de desafios e momentos inesquecíveis, a World Trail Races encerra o calendário 2023 consolidada como a maior liga de esportes de montanha do Brasil. A WTR é organizada pela 213 Sports, vertical de esportes da V3A, e pela Speed Eventos Esportivos. 

Nesta temporada, a WTR passou por Grumari, na capital carioca, Teresópolis, Arraial do Cabo, Miguel Pereira e Petrópolis, no estado do Rio de Janeiro, além de Campos do Jordão, em São Paulo. A liga atraiu milhares de atletas de Trail Run e Mountain Bike, conquistando um público recorde em sua história. 

“É muito gratificante encerrar esta temporada da WTR com tamanho sucesso. Temos certeza de estar no caminho certo, preparados para a temporada 2024 com mais etapas e mais Estados no calendário, fortalecendo a WTR no cenário nacional”, comemorou Yuri Binder, fundador e Co-CEO da 213 Sports. 

Para 2024, a liga irá expandir ainda mais a sua presença, desbravando novas montanhas em outras regiões e estados do país. A primeira novidade anunciada é a realização da WTR Nova Lima, cidade já conhecida como destino dos amantes dos esportes outdoor, localizada na região metropolitana de Belo Horizonte (MG), que será a segunda etapa do ano. Além desta, a organização trabalha para apresentar três novas cidades ao circuito ainda no ano que vem. 

“Na WTR o atleta é o centro de toda e qualquer decisão que tomamos. Desde as pesquisas pós-prova, conversas com participantes e feedback do nosso time de embaixadores, tudo é feito pensando para melhorar a experiência final do nosso principal cliente: o atleta. Temos um planejamento muito claro de onde queremos chegar e de como queremos chegar e estamos muito felizes em encerrar esse ano tão simbólico celebrando as conquistas. Não só nossas, mas dos atletas”, comenta Gabriela Corrêa, Head de Produto da Liga WTR.

Campeões do Ranking WTR 2023 de Trail Run

Após a realização de seis etapas, é hora de conhecer agora os campeões do ranking 2023 de Trail Run e as novidades para a próxima temporada. A partir de 2024, a WTR irá realizar também o ranking dos atletas do Mountain Bike. 

O Ranking WTR premia os cinco primeiros colocados gerais de cada distância e os três primeiros em cada categoria (faixa etária), considerando as quatro melhores pontuações ao longo do ano, descartando as demais. Para disputar o ranking, os atletas devem disputar ao menos duas etapas do circuito.

Na distância Short, a atleta Sandra Martins conquistou o bicampeonato, com 30.000 pontos. Iris Ribeiro do Nascimento ficou em segundo, com 22.875 pontos, seguida por Bianca Maria Pereira Ferreira (12.375), Patrícia de Barcelos Cunha Trancoso (11.875) e Carla Guimarães de Melo Moura (11.050). 

Entre os homens, Jorge Montenegro foi o campeão na distância Short, com 26.250 pontos. “A WTR é muito especial, pois reúne uma galera com uma vibe muito boa. É sempre bom descontrair com os amigos nas trilhas, conhecer gente nova e trocar experiências”, afirmou Jorge. André Lima conquistou a segunda colocação com 23.125 pontos, seguido de Leandro Santos de Almeida (21.500), Paulo Roberto Mendes de Souza Júnior (19.875) e Daniel da Silva Lopes (13.000). 

Na distância Mid, Bianca Ferreira Nunes da Silva levou o título da temporada, com 30.000 pontos. Carolina Carius conquistou a segunda posição, com 20.125 pontos, seguida por Luise Magalhães Valentim (14.525), Mayara de Amorim Nobre (10.650) e Francyane Rozestolato Basile (8.575). 

“A vontade de competir no Trail Run vem principalmente em poder praticar um dos esportes que mais amo, a corrida, em ecossistemas belíssimos. É inexplicável a potência, a descoberta de força, autoconhecimento e satisfação que o desafio da montanha proporciona em nós, seres humanos”, refletiu Luise, integrante do Squad WTR. “É muito especial e riquíssimo poder fazer parte de um time com diversas pessoas incríveis, atletas de referência e por poder, junto com a WTR, proporcionar e fortalecer os princípios e pilares da liga”, completa. 

João Fernando Accioly foi o grande campeão masculino na distância Mid, com 23.125 pontos. Na segunda posição, Rodrigo Mascarenhas conquistou 19.875 pontos, seguido por Renato Campos (17.500), Jonathan Hermes (15.750) e Jorge Montenegro (15.000), que além de disputar todas as etapas no Short, competiu ainda em Mid em duas delas.  

“Quem me conhece de verdade sabe que não curto muito as distâncias longas. Então resolvi correr dois percursos em uma etapa, algo que ninguém tinha feito ainda na WTR, ainda mais brigando pelo top 5. O pessoal fala que era melhor ter me inscrito na distância maior e ter corrido só uma vez, mas pra mim é mais desafiador fazer dois percursos seguidos, pois você tem que dar seu melhor duas vezes, principalmente no segundo percurso que seu corpo está cansado e você tem que trabalhar o lado mental também”, explicou Montenegro. 

Na distância Long, a atleta Miria Gois foi a campeã, com 12.500 pontos. Núbia Oliveira ficou em segundo (12.000), seguida por Nadjala de Oliveira Richard João (11.325), Maria Isabella de Almeida Barbieri (7.000) e Juliana Sanches Paes (4.375).

Entre os homens, Joseilton da Silva Santos foi o campeão da Long, com 16.500 pontos. Eduardo de Brito Ramos, que no ano passado conquistou o título, terminou a temporada 2023 na segunda posição, com 14.500 pontos. Ele foi seguido por Wemerson dos Santos Barreto (10.125 pontos), Edivaldo Souza (7.500) e Lucas Lourenço (5.250). 

Na distância Full, a atleta do Squad WTR Ana Paula Silveira conquistou o título da temporada, com 25.000 pontos. Ela voltou à competição após um grave acidente e mostrou que com superação e força de vontade, nenhum desafio é impossível. “Voltar ao Trail Run após o acidente foi um desafio, e ainda é, pois há sempre uma comparação da atleta que eu era antes e a que  sou agora. Sabendo que preciso construir. Mas superar os desafios das provas reflete minha vontade de vencer todas as dificuldades”, explicou Ana Paula. A atleta Paloma Nascimento de Andrade Galper foi vice-campeã, com 11.625, seguida por Vanessa da Silva Gomes (7.750), Cristiane Marinho Viana (7.250) e Miria Gois (6.600). 

Edivaldo Souza foi o campeão masculino da categoria Full, acumulando 23.625 pontos. Eduardo de Brito Ramos, que disputou a distância Full em três das seis etapas da temporada, ficou com o vice-campeonato, conquistando 22.500 pontos. Lucas Lourenço foi o terceiro, com 13.350 pontos, seguido por Gleiciomar Pereira dos Santos (7.375) e Filipe Bernardes (7.000).

Já na distância Ultra, Rosalia de Camargo Guarischi foi a grande campeã feminina, com 13.500 pontos. Juliana Garcia Ferreira conquistou o segundo lugar, pontuando 12.000. Ela foi seguida no ranking por Beatriz Ferreira (10.000), Priscila de Souza Santos (7.500) e Marcia Cristina Bessa (6.375).

Entre os homens, César Henrique Goldner Picinin foi o grande campeão da temporada, conquistando 15.000 pontos. Ernani de Souza foi o segundo, com 10.000 pontos, seguido por Joel Miguel Camilo (8.375), Rafael Silva de Souza (6.600) e Hoslany Fernandes Pessoa (6.000). 

A classificação completa do Ranking WTR 2023, bem como todas as suas regras, estão disponíveis aqui.

Os campeões do Ranking WTR 2023 serão coroados no WTR Awards, que acontecerá no dia 10 de dezembro, no Rio de Janeiro. Ao todo, 50 atletas do ranking geral e 186 nas faixas etárias serão reconhecidos por seus desempenhos ao longo do ano. A entrada é gratuita e exclusiva aos atletas que participaram de pelo menos uma etapa da liga no ano, mediante confirmação de presença no formulário e sujeito a lotação. 

Para a temporada 2024, a WTR renovou os patrocínios com On Running – que apoia a liga desde 2019 – e CamelBak, que reconhece a força da liga e investe nela desde 2016. A Mombora, por sua vez, renovou e será apoiadora da WTR pelo segundo ano consecutivo.


Calendário 2024 da World Trail Races conta com seis etapas, até o momento:

9/3 – WTR Praias Selvagens (Grumari – RJ) – Trail Run e Kids Race (4ª edição)
6 e 7/4 – WTR Nova Lima (MG) –  Trail Run, MTB e Kids Race (Inédita – Primeira etapa da Liga WTR em MG)
22/6 – WTR Arraial do Cabo (RJ) –  Trail Run e Kids Race (9ª edição)
3 e 4/8 – WTR Miguel Pereira (RJ) – Trail Run, MTB e Kids Race (3ª edição)
19 e 20/10 – WTR Campos do Jordão (SP) –  Trail Run, MTB e Kids Race (3ª edição)
23 e 24/11- WTR Serra do Mar (Petrópolis – RJ) – Trail Run, MTB e Kids Race (7ª edição)

WTR SERRA DO MAR COM RECORDE DE PARTICIPANTES

  • Maior liga de esportes de montanha do país teve seis etapas no ano e recorde de participantes 
  • Neste sábado foram disputadas as provas de Trail Run. Amanhã (26/11) será a vez da decisão do Mountain Bike 
  • Campeões do Ranking WTR serão revelados ao longo da semana e premiados no WTR Awards, que acontece dia 10 de dezembro, no Rio de Janeiro

 Atletas celebram a chegada na WTR Serra do Mar – Crédito das imagens: Albert Andrade
Clique aqui para imagens em alta resolução

Novembro de 2023 – Neste sábado (25), a WTR Serra do Mar consagrou os vencedores da sexta e última etapa de 2023, fechando esta temporada histórica.  Já os campeões do Ranking WTR 2023 serão revelados ao longo da semana e premiados no WTR Awards, em dezembro.

Realizada no distrito do Vale das Videiras, em Petrópolis, a WTR Serra do Mar teve recorde de inscritos. As inscrições esgotaram 15 dias antes da etapa.  As provas de Trail Run tiveram quatro opções de percursos: Short (8km), Mid (16km), Full (32km), Ultra (60km), além da Kids Race, que inspira as crianças à prática esportiva e ao contato com a natureza.

“É muito gratificante encerrar esta segunda temporada da WTR com tamanho sucesso. Tivemos mais de 1.500 atletas presentes, consagrando ainda mais o Vale das Videiras como o palco perfeito para os esportes de montanha. Temos certeza de estar no caminho certo, preparados para a temporada 2024 com mais etapas e mais Estados no calendário, fortalecendo a WTR no cenário nacional”, comemorou Yuri Binder, fundador e Co-CEO da 213 Sports.

Valmir Lana, competidor no percurso Full (32km), celebrou a contribuição da WTR para o crescimento da modalidade no país. “Fico muito feliz em ver a evolução do Trail Nacional, com um evento de tão boa qualidade como a WTR, não só aqui em Videiras, mas em todas as provas que realiza. Este ano eu tive a oportunidade de estar também na etapa de Campos do Jordão, correndo mesmo, e é, certamente, um dos maiores empreendimentos de Trail Running do Brasil”, disse o também editor da Revista Trail Running.

Além do alto nível técnico, que exigiu muito preparo dos atletas em dia de sol e calor, os percursos passaram por cenários icônicos da região, como a Pedra do Cuca, um dos pontos mais elevados da competição. Os atletas do percurso Full (32km) disputaram ainda o tradicional Desafio “WTR Zerando a Montanha by Strava”, que premiou os vencedores com kits da Strava e da Mombora.

Cenários deslumbrantes também são atrativos na WTR  – Crédito das imagens: Albert Andrade

Vencedores de Trail Run da WTR Serra do Mar
Na categoria Short (8km) feminina, a atleta Isis Costa da Silva foi a vencedora, com tempo de 37min21seg. A segunda colocação ficou com a líder do Ranking WTR 2023 e campeã de 2022 Sandra Martins, que terminou a prova em 41min55seg. Vice-líder da temporada, Iris Ribeiro do Nascimento, terminou a prova na terceira posição, com tempo de 43min19seg.

Na categoria Short (8km) masculina, André Lima conquistou a primeira posição com tempo de 32min02seg. Leandro Santos de Almeida ficou em segundo, com 33min45seg e Paulo Roberto Mendes De Souza Junior terminou em terceiro, com 34min36seg.

A disputa acirrada da categoria Mid (16km) feminina consagrou a atleta Bianca Ferreira, que finalizou o percurso em 1h41min42seg. Na segunda posição, Luanna Marilia Teixeira terminou em 1h50min35seg. Louise Souza ficou em terceiro, com 1h51min51seg.

Entre os homens, Renato Campos conquistou o topo do pódio da Mid (16km), concluindo a prova em 1h21min54seg. Jorge Montenegro ficou em segundo, com 1h23min42seg, seguido por Rodrigo Mascarenhas, com 1h23min59seg.

No percurso Full (32km) feminino, Ana Paula Silveira, do Squad da WTR, conquistou o lugar mais alto do pódio com um tempo de 4h16min34seg. A segunda posição ficou com Clarice Daibert, campeã da Full em 2022, que concluiu em 4h40min24seg. Já a terceira posição ficou com Paloma Nascimento de Andrade Galper, com 4h43min22seg.

“É a quinta vez que faço esta prova e a quarta vez que sou campeã. Eu gosto muito da etapa, não pode faltar no calendário. Acho que todo mundo tem que fazer, seja a distância que for”, afirmou a campeã da categoria Full (32km), Ana Paula, que venceu, ainda, a disputa feminina do desafio “WTR Zerando a Montanha by Strava”.

No masculino, Raphael Correa Valverde conquistou o topo do pódio na categoria Full (32km), terminando a prova em 3h25min32seg. Eduardo de Brito Ramos, que foi campeão do ranking 2022 na mesma categoria, terminou a prova na segunda colocação, com tempo de 3h29min26seg. Em terceiro ficou Edivaldo Souza, com 3h43min47seg. O atleta Lucas Lourenço, quinto colocado no geral da categoria, foi o vencedor masculino do desafio “WTR Zerando a Montanha by Strava”.

Já na categoria Ultra (60km) feminina, Beatriz Ferreira superou o percurso em 8h37min55seg. Juliana Garcia Ferreira ficou na segunda posição, com tempo de 8h58min29seg. O terceiro lugar ficou com Rosalia De Camargo Guarischi, que terminou a prova em 9h13min02seg.

Entre os homens, Ernani De Souza foi o primeiro a completar os 60km, com tempo de 6h42min31seg. Ele foi seguido por Cesar Henrique Goldner Picinin, com 6h52min39seg e Hoslany Fernandes Pessoa, que concluiu em 7h06min46seg.

“Sou muito amigo do Ernani, sabia que não dava para brincar com ele. Eu estava liderando o ranking, então tentei fazer a prova para me garantir. Tentei chegar em quarto colocado, mas fui bem na prova e consegui a segunda posição”, afirmou César Picinin.

Todos os resultados da WTR Serra do Mar 2023 estão disponíveis aqui.

A WTR Serra do Mar tem patrocínio da CamelBak, On Running e Cerveza Patagonia, com apoio da Exposis, Mombora, Strava, YoPro, Prefeitura de Petrópolis, My Safe Sport, Oakley e Guaraí. Realização 213 Sports e Speed Eventos Esportivos. Hotel Oficial: Bomtempo II e foto oficial: Foco Radical. Mídia oficial Revista Trail Running. Mais informações no Instagram @worldtrailraces e no site da WTR.

Campeões do Ranking 2023

Os campeões da temporada 2023 serão anunciados ao longo da semana e coroados no WTR Awards, festa de premiação da temporada que acontecerá dia 10 de dezembro, no Rio de Janeiro.

Serão premiados os Top 5 gerais e o Top 3 das categorias por faixa etária de cada distância (short, mid, long, full e ultra). Ao todo serão premiados 200 atletas e mais de 170 mil reais em dinheiro e premiação.

Conforme o regulamento, para concorrer ao ranking o atleta deve ter participado de, no mínimo, duas etapas. Já para quem disputou todas as etapas serão computados os quatro melhores resultados, o restante será descartado.

Resultados da WTR Serra do Mar – Trail Run

Trail Run Short (8km) Feminino

  1. Isis Costa da Silva – 0:37:21.40
  2. Sandra Martins – 0:41:55.10
  3. Iris Ribeiro do Nascimento – 0:43:19.33
  4. Bianca Maria Pereira Ferreira – 0:43:22.68
  5. Patricia Santanna Varela – 0:43:58.35

Trail Run Short (8km) Masculino

  1. André Lima – 0:32:02.56
  2. Leandro Santos de Almeida – 0:33:45.57
  3. Paulo Roberto Mendes De Souza Junior – 0:34:36.57
  4. Vitor Dos Passos Vieira – 0:34:37.30
  5. Marcus Paulo Escrivani Borges – 0:35:36.32

Trail Run Mid (16km) Feminino

  1. Bianca Ferreira Nunes Da Silva – 1:41:42.73
  2. Luanna Marilia Rodrigues Pimentel Teixeira – 1:50:35.75
  3. Louise Souza De Lima – 1:51:51.73
  4. Tatiana De Oliveira Gomes – 1:53:22.74
  5. Luise Magalhaes Valentim – 1:53:30.49

Trail Run Mid (16km) Masculino

  1. Renato Campos – 1:21:54.42
  2. Jorge Montenegro – 1:23:42.68
  3. Rodrigo Mascarenhas Pereira – 1:23:59.94
  4. João Fernando Accioly – 1:24:52.19
  5. Jonathan Hermes – 1:24:53.43

Trail Run Full (32km) Feminino

  1. Ana Paula Oliveira Silveira Peixoto Dos Santos – 4:16:34.45
  2. Clarice Daibert – 4:40:24.49
  3. Paloma Nascimento De Andrade Galper – 4:43:22.25
  4. Isabela Dos Santos Hoelz – 4:56:33.73
  5. Miria Gois – 4:58:22.27

Trail Run Full (32km) Masculino

  1. Raphael Correa Valverde – 3:25:32.08
  2. Eduardo de Brito Ramos – 3:29:26.84
  3. Edivaldo Souza – 3:43:47.11
  4. Bernardo Ramos – 3:56:21.39
  5. Lucas Lourenço – 4:03:13.41

Trail Ultra (60km) Feminino

  1. Beatriz Ferreira – 8:37:55.29
  2. Juliana Garcia Ferreira – 8:58:29.10
  3. Rosalia De Camargo Guarischi – 9:13:02.39
  4. Adriana Pereira Da Silva Rosa – 9:31:33.93
  5. Carla Bianca De Abreu Lopes Oliveira – 9:51:08.98

Trail Ultra (60km) Masculino

  1. Ernani De Souza – 6:42:31.99
  2. Cesar Henrique Goldner Picinin – 6:52:39.80
  3. Hoslany Fernandes Pessoa – 7:06:46.08
  4. Joel Miguel Camilo – 7:13:12.61
  5. Rafael Silva De Souza – 7:13:22.11

Trail Running nos lençóis maranhenses

Quando pensamos em trail running, pensamos de imediato em correr junto da natureza, isso por si só já motiva qualquer um a querer estar lá, seja na serra, na montanha, no cerrado ou floresta, no frio, neve ou no calor escaldante. Mas existem lugares que a natureza caprichou quando preparou, fez e jogou a receita fora. São lugares únicos, que não tem outro igual em nenhuma parte do planeja.

Um desse lugares de natureza única são os famosos lençóis maranhenses , uma gigantesca formação de dunas que só pra vocês terem uma ideia é maior que a cidade de São Paulo, a titulo de números, os lençóis tem 1.550 km² e a cidade de São Paulo 1.521km² . Sem falar que dependendo do período do ano a paisagem muda, em épocas de chuvas que vão de janeiro à março formam-se milhares de lagoas entre as dunas, chegando a mais de 36 mil espalhadas por toda aquela imensidão .

Dito isso, esse foi um dos motivos que me levou a correr lá, saber que eu estaria correndo em cima de um lugar único no planeta. Quando soube de um evento de Trail Running que haveria na região de pronto procurei me organizar para ir (pois estava vindo de outro evento totalmente oposto, no Ushuaia) sai do frio extremo com muita neve e em menos de 15 dias estava no sol escaldante e rodeado de dunas. A prova em si não era cheia de pompas nem mega estrutura, tinha o básico necessário. Tiveram quatro distâncias no evento, 10k, 18k, 30k e 55k, eu optei em ir na maior para exatamente vivenciar o máximo possível daquela região fantástica.

Essa prova fazia parte do circuito corridas de montanhas, troféu norte-nordeste que tem várias etapas em locais distintos das duas regiões (achei muito bacana ver que o Trail tá chegando em locais onde antes não existia), além dessa etapa dos lençóis as outras são, Chapada Diamantina, Palmas, Marajó, Serra da Canastra (etapa final) . Isso mostra que nossa modalidade tá adentrando cada vez mais no nosso país , em cidades e regiões onde poucos conhecem mas que tem muita beleza escondida.

Voltando para os lençóis a prova contou com pontos de apoio que tinham em média 7k de distância um do outro, e que contavam com água, isotônico e frutas, os apoios estavam  exatamente nos locais onde foi informado pela organização, e pra dar um toque a mais de pancadaria para os atletas dos 55k a organização nos informou que teria um trecho de aproximadamente 17km sem nenhum apoio e que o local seria 100% de dunas (me senti pela primeira vez andando num deserto) com direito a urubus voando em cima de mim, acho que só esperando alguém dar mole pra terem um lanchinho. Isso deu um toque especial no desafio, pois quem errou na estratégia e levou menos água teve que se socorrer nas lagoas que tinham pelo caminho.

Por fim posso dizer que me surpreendi com o grau de dificuldade dessa prova, subestimei aquelas dunas e achei que seria mais tranqüilo, mesmo sendo acostumado posso dizer que foi uma das provas de praia (e dunas) mais difíceis que já corri. Pra vocês terem uma Idea, 45km dos 55k totais da prova foram literalmente de dunas e areia bem frouxa, até bem próximo da chegada ainda percorríamos estradinhas de areia bem solta.

Pra quem nunca correu em areia de duna (bem fina e solta) se prepare pra duas coisas, 1- sua musculatura vai se desgastar bem mais, e se acelerar vai quebrar  2 – vai entrar muita areia no seu tênis e meias seja ele qual for, e isso vai lixar teus pés formando alguns belos calos (as vezes parar e tirar o excesso é uma boa estratégia). Ah, quase me esqueci de falar de outra coisinha, o calor, que nessa época do ano é maior naquela região, deixando a areia bem mais fina e quente, dando uma sensação de estar em cima de uma panela. O lado bom é que esse período por lá é também de muitos ventos (a turma do kite surf chega em peso por lá) isso ameniza um pouco toda essa sensação de desgaste, ainda mais quando você dá um mergulho nas lagoas pelo caminho (eu particularmente dei vários)

Não sei o que mais motiva vocês no trail running, mas uma das coisas que mais me motiva é poder correr em lugares únicos como os lençóis maranhenses, confesso sem medo que mesmo se não tivesse prova alguma lá eu já tinha planos de fazer a travessia dos lençóis, até mesmo sozinho, só para ter aquela sensação de estar colocando meus pés num lugar tão raro, único e cheio de belezas. Ano que vem quero estar lá novamente, e já soube que a organização pensa em colocar a prova mais para o meio de ano, período pós chuvas onde as lagoas estão ainda mais cheias, e claro bem mais lindas.

WTR – Campos do Jordão

WTR: ETAPA DE CAMPOS DO JORDÃO DE TRAIL RUN E MTB CHEGA COM NOVIDADES NESTE FIM DE SEMANA 

–  Com inscrições esgotadas, a WTR chega a Campos do Jordão pelo 2º ano 

– Para a penúltima etapa, WTR e Paraty Brazil by UTMB fecham parceria para fomentar o Trail Run no país 

– Largada para o Trail Run será no sábado (2), a partir das 7 horas, e do Mountain Bike no domingo (3), às 8 horas 

– Arena WTR será aberta ao público com várias atrações e entretenimento para a família, no Parque Capivari


Penúltima etapa da temporada da WTR, em Campos de Jordão, terá provas de Trail Run e Mountain Bike (Crédito Pedro Brandão)

São Paulo, agosto de 2023 – A partir da tarde de sexta-feira, 1º, o Parque Capivari, tradicional ponto turístico de Campos do Jordão (SP), começa a receber centenas de atletas que participarão, neste fim de semana, da penúltima etapa da World Trail Races, a maior liga de esportes de montanha do país. A etapa paulista do calendário, a WTR On Campos do Jordão, já está com inscrições esgotadas e contará com provas de Trail Run, no sábado, e de Mountain Bike, no domingo, e é realizada pela 213 Sports, vertical de esportes da V3A, e pela Speed Eventos Esportivos.  

Desde que entrou para o calendário da WTR no ano passado, a etapa na Serra da Mantiqueira tem atraído vários atletas do Estado de São Paulo, assim como atletas do Rio de Janeiro, amantes da WTR, que viajam para a cidade paulista para competir e conhecer a região. Para o Trail Run estão programados quatro percursos: Ultra (50km), Full (34km), Long (18km) e Short (6km). Já para o Mountain Bike serão dois: MTB Pro (47km) e MTB Light (27km). Além da tradicional Kids Race para a criançada, que acontece no sábado. 

A organização do evento sempre inova com parcerias e novidades a cada temporada. A boa nova para a etapa de Campos do Jordão é a parceria com a Paraty Brazil by UTMB, primeira etapa da UTMB World Series no Brasil. 

Por meio desta parceria, os campeões gerais, no feminino e masculino, das provas de Trail Run Full 34km e Ultra 50km, ganharão inscrição para disputarem a Paraty Brazil by UTMB, no dia 23 de setembro, em Paraty (RJ). 

“Somamos forças para fomentar o Trail Run no Brasil pois, apesar de provas distintas, temos o mesmo objetivo: que o esporte de montanha tenha cada vez mais adeptos. Nosso país tem um potencial enorme no Trail Run, estamos vendo atletas talentosíssimos ganhando cada vez mais espaço a nível nacional e internacional, e, no final do dia, é esse o resultado que tanto buscamos com o nosso trabalho. Esperamos que com essa iniciativa os organizadores se unam em prol do esporte e do atleta”, explica Gabriela Corrêa, Head de Produto da WTR na 213 Sports. 

Desafio WTR para Trail Run e MTB – Para os corredores e bikers que competem nos percursos mais longos haverá um estímulo a mais e uma premiação diferenciada no Desafio WTR Zerando a Montanha by Strava, no qual a participação é através do próprio aplicativo do Strava. No Trail Run, será durante a prova Ultra de 50km, já no Mountain Bike poderão participar atletas da Pro de 47km. Em ambas as provas serão registrados os tempos em um trecho específico de aproximadamente 4,5km. O homem e a mulher mais rápidos nos trechos das respectivas modalidades serão premiados com troféu e kits da Strava e Mombora.  

Atrações abertas ao público – Não só os atletas poderão desfrutar das atrações da Arena WTR, que neste ano está localizada dentro do Parque Capivari, que já oferece teleférico, roda gigante, park kids, pedalinho, trenó de montanha, carrossel, entre outros. Quem estiver na cidade poderá acompanhar as largadas, no sábado, a partir das 7 horas e, no domingo, às 8 horas. Serão dois shows por dia com bandas locais, food park, além de ativações de várias marcas parceiras. Haverá ainda, uma área de recovery com massagem e crioterapia gratuita para todos os presentes. 

Mais informações sobre a etapa e os percursos no site oficial da etapa.  

A WTR On Campos do Jordão tem patrocínio da On Running e Cerveza Patagonia, apoio da Prefeitura de Campos do Jordão, Exposis, Mombora, YoPRO, Strava, My Safe Sport e Guaraí. Hotel oficial: Rede Nacional Inn. Foto oficial: Foco Radical. Mídia oficial do evento: Revista Trail Running. 

Sobre a 213 Sports – Fundada por Pedro Dau de Mesquita, Yuri Binder, Bernardo Montenegro e Marcelo Montenegro, a 213 Sports nasceu no ano de 2012. Em 2021, a agência foi adquirida pela V3A e, desde então, responde como vertical de esportes, que integra o pilar de Ventures da companhia. Focada em marketing esportivo, a 213 Sports já realizou mais de 70 projetos para marcas globais e locais, impactando mais de 50 milhões de pessoas no Brasil e no mundo. A 213 Sports vê o esporte como uma plataforma de engajamento e conexão com forte apelo emocional entre as marcas e consumidores, resultando em uma experiência única de sportainment. Insights estratégicos alinhados com o posicionamento da marca, excelência na execução e resultados mensuráveis com retorno social, sempre que possível, são as bases que sustentam a excelência da 213 Sports. Responsável por inúmeros cases, a agência se destaca com os projetos: Oi Rio Pro, Sephora Beauty Run, Ceará Kite Pro, WSL House, CamelBak Mountain Race, Casa On Running, Praia Para Todos, Pelé Academia, Saquarema Surf Festival, WTR, Red Bull Pool Clash, SLS Super Crown World Championship, entre outros.

Programação WTR On Campos do Jordão

Local: Arena WTR (Parque Capivari: Rua Engenheiro Diogo José de Carvalho, 1291, Capivari, Campos do Jordão) 

– Sábado 2/9 – Provas de Trail Run

7h: LARGADAS – Trail Run Ultra 50km, Full 34km e Long 18km
 7h30: LARGADA – Trail Run Short 6km
 8h30 às 10h: Show
 10h às 12h: Premiação Trail Run Short 6km e Long 18km (geral e categoria)
 12h às 13h: Kids Race
 13h às 14h: Show
 14h às 15h: Premiação Trail Run Full 34km, Ultra 50km (geral e categoria) e Desafio Strava 

– Domingo 3/9 – Provas de Mountain Bike
 8h: LARGADAS – MTB Light 27km e Pro 47km
 9h30 às 11h: Show
 11h30 às 12h: Premiação MTB Light 27km
 12h às 13h: Show
 13h às 14h: Premiação MTB Pro 47km (geral e categoria) e Desafio Strava
 14h: Encerramento da WTR On Campos do Jordão 

P.S. – Programação sujeita a alterações

A Maior do Brasil

Por: Valmir Lana Jr.

Poderia assim dizer o que é a La Misión Brasil 2023, A MAIOR DO BRASIL! Mas digo isso não pelos, inéditos, 2600 atletas inscritos na prova, pois este número de atletas é somente o resultado de anos de planejamento, execução e uma vontade infinita de melhorar. Isso só é possível com a experiência adquirida e a confiança conquistada ano após ano.

Quando temos um evento em sua primeira edição e se tem muitos inscritos, isto, na verdade, é um baita perigo para o organizador, já entrar no mercado com um grande número de atletas sem passar por alguns anos de aprendizagem sobre a preparação específica, sobre onde deve ser mudado, onde pode melhorar e onde não deu certo é certeza de ter uma margem de risco do evento muito alta.

O que vivemos com a La Misión 2023 foi a consolidação de um trabalho que se iniciou lá em 2017, reestruturando a prova que em 2015 não foi boa, um 2016 vacante e o mais importante era o planejamento para os próximos 5, 10 anos da prova e focar em entregar o básico bem feito.

Então dizer que a La Misión Brasil é o maior do Brasil não é pelo número de atletas e sim pela consolidação do projeto que levou a números impressionantes e da mesma proporção a qualidade do evento em questão estrutural, organizacional e complexidade. A equipe La Misión Brasil, liderada por Paulo Lamin, foi exímia em todos os quesitos que avaliamos.

Estive (Valmir Lana Jr.) presente no evento e pude avaliar de forma completa tudo que aconteceu, desde a recepção, estrutura, planejamento de Cronograma, horários e até mesmo pontos de apoio, marcação, resgate em montanha, pude viver um pouco de tudo do evento.

Tudo no evento foi muito bem pensado, planejado e executado, inclusive no que diz respeito a comunicação e informação do evento. A organização não deu sopa para o azar e entregou muito mais informação do que qualquer um poderia precisar, em todos formatos, em todos canais, tudo estava de lambuja para qualquer um conseguir todas informações.

A cobertura do evento foi um show a parte, fico com um pesar grande de ver que a maioria dos eventos não fazem o mesmo, deveriam olhar para a La Misión e usar como exemplo de como trabalhar mídia e comunicação, haviam muitos, mas muitos mesmo Filmmakers por lá, cada um fazendo um tipo de trabalho, mídias, influencers, todos reunidos para fazer o que já é grande se tornar ainda maior para os próximos anos.

A arena foi muito bem planejada para que a cidade fosse o palco, não um só lugar, mas ambientes diferentes, funções distintas e uma só atmosfera, algo nunca antes vivenciado no Brasil, realmente imponente e bem pensado.

A programação do evento foi bem distribuída e completa, as largadas bem pensadas, inclusive adorei a largada dos 80k na sexta feira 9h da manha, possibilitou fazer a travessia da serra praticamente toda na luz do sol e pegar um entardecer de parar tudo e apreciar.

Quanto a marcação, PA’s (Pontos de Apoio), segurança e resgate foi impecável, por mais que seja uma prova essencialmente “autossuficiente”, ou seja, você é responsável por toda sua alimentação e hidratação, o evento ainda disponibilizou diversos pontos de apoio com um cardápio incrível, com opção para vegetarianos, intolerantes a lactose e glutem e até para veganos.

A competitividade foi incrível, os maiores nomes do Trail Nacional estava em Passa Quatro para competir em alguma das distâncias, inclusive com atletas estrangeiros. Vimos um show a parte de atletas locais como Wellington Noronha e João Luiz Silva, vencendo os 80 e 53km respectivamente, bem como todos atletas que conseguiram se superar e cruzar aquela, linda, linha de chegada ao som da voz inconfundível do maior locutor Trail do Mundo, Depa, reconhecido por ser a voz das principais provas trail do mundo, dividindo o microfone com a espetacular, Fabi e Sidney Togumi.

Foi a primeira vez que um evento privilegiou o público feminino, o conselho “Las Misioneiras” (podcast com Las Misioneiras CLIQUE AQUI)surgiu de uma demanda delas e a La Misión ouviu e aderiu a causa, foram várias ações para promulgar o trail no mundo feminino e com diversos benefícios, como absorventes nos PA’s, prova de 7km exclusiva para as mulheres, cobertura igualitária entre homens e mulheres, ou seja, a mesma atenção para ambos os sexos e tudo isso culminou com uma adesão massiva da mulherada na prova, quase dividindo a porcentagem de Homens e Mulheres nas provas.

Houve, inclusive, premiação robusta em dinheiro para os campeões, foram mais de 50mil reais em dinheiro e vale compras da Salomon.

Por falar em Salomon, preciso falar da sua atuação na produção do evento e como eles atuaram para transformar a La Misión no maior evento trail do Brasil. Não só a Salomon, mas todos patrocinadores e apoiadores, bem como a comunidade de Passa Quatro que abraçou o evento e nos recebeu muito bem. Voltando pra Salomon, eu posso falar pois vi de perto, eles estavam realmente empenhados em fazer um grande evento, trouxeram os atletas da marca, criaram a Vila Salomon, local para todos os atletas, inclusive estive hospedado por lá com o repórter da Revista, Wanderson Nascimento, além de todas ações que a marca proporcionou. Tenho que parabenizar a Carolline Gomes, Diretora de MKT da Salomon por ter feito um brilhante trabalho e por ter nos oportunizado tamanha experiência.


Em suma, como exposto acima, não é o número de atletas inscritos que faz um evento ser grande, no caso da La Misión Brasil, o maior, mas o conjunto de Planejamento, erros, acertos, melhoras, aprendizado, consistência, paciência, persistência, competência e visão. Fazendo jus ao mantra do Diretor do evento, Paulo Lamin, #NãoÉSóCorrer.

Parabenizo a toda organização na pessoa do Diretor, Paulo Lamin e meus parceiros de viagem, Fernando Biagioni e Eduardo Saliba, foi mais uma viagem incrível e que venham outras tantas.

Em 2024 estaremos lá novamente para registrar e CORRER este que é, sem dúvidas o MAIOR EVENTO DO BRASIL.

Mundial de Mountain e Trail Running

Aconteceu nas cidades de Innsbruck e Stubai, na Áustria, o segundo mundial unificado da WMRA (World Mountain Running Association) e ITRA (International Trail Running Association).

O evento contou com as modalidades Vertical, Trail Short, Trail Long e Classic Trail, sendo que a delegação brasileira levou apenas 4 atletas, um masculino e um femininos para as modalidades Trail Short e Trail Long.

A seleção brasileira foi convocada por um instrumento convocatório mal escrito que acabou gerando muitas controvérsias nas mídias digitais.

Sem dúvidas este mundial foi o de maior nível competitivo de todos os tempos, reunindo a grande maioria dos melhores atletas do mundo, cada um por suas seleções. Claro que sempre haverão controvérsias sobre os selecionados de cada país, mas não cabe a nós julgar o pontuar seja de que país for.

Em se tratando de percursos, há que salientar a dureza relatada pelos atletas em todas modalidades, para se ter uma ideia e como forma de análise, o mundial de 2019 em Portugal, a prova foi de 42km com 2.100m D+, enquanto a deste ano foi de 45km com 3.300m D+, cerca de 1.200m + a mais, uma prova bem mais lenta.

Tanto foi mais dura que nosso representante brasileiro, Rogério Silvestrin, que em 2019 chegou em 38º com um sub 4h, desta vez ele ficou em 57º com 5h05’42”.

Pra curiosidade, em 2019 Silvestrin tinha sido o primeiro brasileiro a chegar antes da primeira mulher, este ano o feito não se repetiu, ficando atrás das duas primeiras.

Vimos um show de performances dos europeus, demonstrando a supremacia no que tange nosso esporte, apenas nas distancias Vertical e Classic que tivemos a presença de Africanos no pódio.

Nossa participação no mundial foi modesta e, ainda, longe de ser um bom resultado, primeiro por não termos levado atletas suficientes para ser considerado o resultado por equipes.

Nosso maior destaque e melhor resultado foi da atleta, Giovanna Martins, que participou da modalidade Trail Long, 86,9km e 6.500m D+.

Giovanna ficou na 37º posição com 13h27’05”. Um resultado de ótima qualidade, sendo a melhor sul-americana a completar a prova.

Nossa representante feminina no Trail Short, Letícia Saltori, foi a 80º colocada com 6h32’22” entre 114 atletas.

Já o atleta, Célio Augusto (Celinho), que participou da modalidade Trail Long, vinha fazendo uma belíssima prova até que a desidratação o impossibilitou de seguir na prova e foi retirado pela equipe médica.

Temos que salientar e parabenizar a organização pelo trabalho de comunicação e principalmente de Streaming, com transmissão ao vivo de todas as modalidades e com atualização de colocação em tempo real para qualquer pessoa que quisesse ter informação. Foi realmente um show este mundial em transmissão.

Nossa seleção confirma o que já era esperado, não estamos em nível mundial de performance, estamos ainda engatinhando no esporte, esta é nossa segunda geração e atletas de performance apenas e não há como exigir muito além do que foi feito. Temos que seguir o caminho que estamos traçando, com muito cuidado e atenção a nova geração que vem por aí.

Nossa terceira geração, com promessas (realidades) como Ayslan, João Luiz, Vicente, João Muniz, João Ratinho entre tantos outros, com o passar do tempo tendem a obter resultados melhores e com o crescimento do esporte e o empenho REAL da CBAt (Confederação Brasileira de Atletismo), nossa seleção poderá ir a mundiais com representantes em todas modalidades e com resultados cada vez melhores.

Estamos no caminho certo, não é um caminho fácil, não será sem dor, haverá momentos ruins e outros bons. O certo é que colocamos mais um ano nossa bandeira entre os melhores do mundo.

Parabéns, ao Sidney Togumi pelo empenho, Raphael Bonatto pelo trabalho como técnico e aos fantásticos atletas que levantaram nossa bandeira em terras Austríacas.

O próximo mundial será na Espanha em 2025 e esperamos estar com o time completo.

Cambiando las reglas

Tecnologia – Cambiando Las Reglas. Salomon abre o debate sobre o uso de fones de ouvido em provas.

Na última edição do CCC (2022), o corredor espanhol, Aritiz Egea, utilizou um fone de ouvido para se comunicar com sua equipe (Salomon), e

receber referências dos rivais e conseguir uma melhor performance na competição. 

Para quem acompanha as grandes voltas de ciclismo, a comunicação entre o atleta e sua equipe já fazem parte da competição. Os fãs mais saudosistas

e clássicos afirmam que tal tecnologia acabou com a emoção. Os pilotos não arriscam mais seguir seus instintos com fugas e ataques, mirabolando estratégias

pessoais para conseguir a vitória. No entanto, apenas seguem as ordens dos chefes de equipe, fazendo o papel de um bom gregário ou líder de equipe. Até que ponto a tecnologia ajuda ou atrapalha esses supostos peões no tabuleiro de batalha? 

O ex-ciclista profissional, Joaquim ‘Purito’ Rodríguez, 43 anos, viveu os dois momentos no esporte. O espanhol que viveu o esporte clássico, teve que se adaptar a nova comunicação durante a carreira. Joaquim alega que a transmissão via rádio entre atletas e assistentes veio por uma questão de segurança, para não ter de cruzar carros e atrasar ciclistas no meio de um pelotão com mais de 150 ciclistas próximos e minimizando movimentos que poderiam levar a quedas, mas que sempre foi utilizado para desenvolver táticas de corrida.

E mesmo assim, o ex-ciclista não acredita que isso tenha matado a essência do seu esporte – “mas te informa como vão os outros e você procura o momento, a sensação. Por mais que te digam, você sabe se tem força ou não”. defende Purito, que já assessorou Biel Ràfols e a equipe Salomon em um experimento que abre um debate: O uso de fone de ouvido no Trail Running. 

Nas brechas do regulamento. Foi assim que a equipe Salomon junto ao corredor Aritz Egea, aproveitaram a oportunidade para testar a tecnologia na Ultra Trail Du Mont-Blanc, precisamente na prova CCC. Egea terminou em 9º lugar, nos 100km e mais de 6.000D+ em menos de 11 horas, e se muniu de fones de ouvido conectados ao celular que trocavam informações com o carro de Ràfols, o responsável da equipe, durante todo o teste. Para Biel, isso pode ser um divisor de águas no esporte. “Acho que isso pode ser um antes e um depois no trail”. O vídeo publicado no dia 28 de dezembro, feito com uma super produção, é uma clara tentativa da marca de defender a regulamentação dessa tecnologia no esporte

Quais seriam as vantagens desse utensílio para o atleta?

Sem dúvidas os benefícios pelo uso do fone são notáveis. O corredor receberá informações constantes sobre a diferença de tempo do adversário a frente, ou que esteja na perseguição. Organização imediata nos postos de abastecimento. Aritz relatou durante o percurso que suas roupas estavam molhadas e que precisavam ser trocadas ao chegar no posto. Com isso, a equipe teve tempo de preparar todo equipamento necessário para uma troca rápida do corredor. Todo final de prova é sofrido. Ainda mais se falando de 100km e 6.000D+. Nos últimos quilômetros de competicão, Biel Ràfols colocou o filho de Aritiz no telefone para dar um ânimo ao pai, para que o corredor pudesse espremer ao máximo seu último esforço.
A proposta de Salomon, porém, tem opiniões conflitantes entre os atletas da marca. O francês Thibaut Baronian reconhece as vantagens de ter referências de tempo com os restantes corredores em provas de ultradistância em que se perde o contacto visual com os rivais, enquanto a americana Courtney Dauwalter opta pelo método mais clássico: “Prefiro não ter referências porque gosto de ficar calada na montanha, tendo problemas e resolvendo sozinha”, explica.

Será que veremos essa nova tecnologia ser introduzida na próxima edição do UTMB e em outras provas? Para já, o regulamento de 2023 diz o mesmo de sempre: “um smartphone faz parte do material obrigatório e a assistência pessoal só é tolerada exclusivamente em alguns pontos do abastecimento”. Todavia, esse tipo de comunicação continua num limbo regulamentar.

Chegou a vez do Trail Running

Por: OneHundred


Com o objetivo de nos tornarmos um importante player no mercado de trail running organizando o primeiro World Series, estamos felizes por termos concluído nossa primeira edição de 2022 com o Gran Finale que aconteceu nas montanhas de Gran Sasso, na Itália, entre os 21 e 23 de outubro.

Na final da Gran Sasso World Series 2022, os atletas correram horas antes de cruzar a linha de chegada em frente à Basílica de San Bernardino, no centro histórico de L’Aquila, após o sprint final na sugestiva escadaria.

Com nossas corridas da World Series, a One Hundred pretende tirar proveito de um mercado, com cerca de 20milhões de corredores de trilha em todo o mundo, crescendo em média 12% ao ano ao longo da última década. Acreditamos que o esporte de corrida em trilha precisa de uma competição global baseada em desempenho com prêmios em dinheiro, marketing e transmissões de alta qualidade para atrair os profissionais e as massas.


Por isso, aplicamos esta receita no evento internacional “One Hundred Gran Sasso World Series Final 2022”, que se aventurou em uma jornada imersa no coração do Parque Nacional Gran Sasso d’Italia e Monti della Laga. Quatro distâncias: de 100 milhas (160 quilômetros) e 100 quilômetros, depois 30 e 15 km.

Prêmio em dinheiro, transmissão ao vivo, mídia, atletas, tivemos tudo para o deleite dos fãs de trail running em todo o mundo. O último dia de domingo foi mais dedicado ao público em geral, com corridas na distância mais curta que esperamos atrair cada vez mais corredores para a próxima edição.

No próximo ano, planejamos corridas de trilha de ultra montanha de 100 milhas e 100 km, e distâncias mais curtas, em montanhas deslumbrantes e parques nacionais em todo o mundo, incluindo Brasil, Portugal, EUA e Itália.


Continuaremos realizando transmissões ao vivo por meio de nosso canal do YouTube, One Hundred TV, que nos ajudou a construir uma audiência de milhares de fãs engajados em todo o mundo, e isso continua crescendo.

Cobrando corredores de até £300 para se inscrever, temos parcerias com Sponser Nutrition, Michelob Beer e Emotionstore; nosso parceiro oficial de viagens global, permitindo-nos desenvolver um Programa de Viagens para gerar outro fluxo de receita. Além disso, fazemos parcerias com governos locais, prefeituras e muitos outros.

Nosso objetivo é expandir por meio de patrocínios e publicidade em torno de transmissão ao vivo.

A One Hundred está procurando capitalizar o lançamento de nossa World Series inaugural, reforçando nossas equipes de gerenciamento de eventos, expandindo nossa oferta em 2023 e criando um produto atraente para atrair os melhores atletas e patrocinadores globais.

A comunidade Crowdcube é especial, e somos muito gratos àqueles que valorizam o que estamos construindo e estão tão empolgados com nossos planos de crescimento quanto nós.

Também esperamos que nossa campanha bem-sucedida leve a uma virada positiva, ajudando na profissionalização do esporte Trail Running.

Esperamos arrecadar mais fundos acima de 100% para impulsionar nossos empolgantes planos de expansão e desbloquear nosso potencial na World Series!


Visite nossa página no Instagram onde você pode conferir tudo sobre a recente final da Gran Sasso World Series 2022: https://www.instagram.com/onehundred.run/


Obs.: Investimentos dessa natureza trazem riscos ao seu capital. Por favor, invista consciente.

Paraty Brazil by UTMB

O UTMB World Series chega à América do Sul pela primeira vez com dois novos eventos confirmados para 2023


– Um novo evento, Paraty Brazil by UTMB, fará a estreia da UTMB World Series no Brasil.

Os organizadores do UTMB® World Series confirmam que o circuito global de 2023 dará aos corredores a chance de explorar alguns
dos cenários mais épicos da América do Sul pela primeira vez, em Valhöll Argentina by UTMB e Paraty Brazil by UTMB.

Paraty Brazil by UTMB acontecerá de 22 a 24 de setembro de 2023 e Valhöll Argentina by UTMB acontecerá de 12 a 14 de maio.

O anúncio vem logo após a confirmação de um novo evento na França, Trail Alsace Grand Est by UTMB, e segue o lançamento de um novo evento no sul da Tailândia, Amazean Jungle Thailand by UTMB, que foi confirmado no início deste ano.

 

O UTMB World Series visa dar a todos os corredores, da elite aos amadores apaixonados, a chance de experimentar a aventura UTMB nos melhores locais de corrida do mundo. A inclusão de dois novos eventos na América do Sul, será saudada pelos milhares de corredores da região, bem como viajantes exigentes que desejam explorar novos territórios e trilhas como parte da busca pela qualificação para as finais do UTMB World Series.

A presidente e co-fundadora do Grupo UTMB, Catherine Poletti, disse: “U T M B são 4 letras que unem uma grande comunidade de corredores, amigos e voluntários em todo o mundo, conectando pessoas com a natureza e compartilhando aventuras. Estamos entusiasmados em poder confirmar dois eventos na América do Sul em belos destinos, e estamos animados em poder expandir nossa oferta para ainda mais corredores, dando-lhes a chance de descobrir a aventura do UTMB.

No UTMB, nosso propósito é dar brilho a territórios, culturas, homens e mulheres, e o UTMB World Series oferece a todos, não importa onde estejam, a possibilidade de conhecer o seu extraordinário. Estamos empolgados em desenvolver ainda mais a família UTMB em 2023 e convidamos todos os corredores para conhecer Valhöll Argentina by UTMB e Paraty Brazil by UTMB”.

UTMB World Series chega ao Brasil pela primeira vez com Paraty Brazil by UTMB.

A charmosa e acolhedora cidade de Paraty, localizada entre as cidades do Rio de Janeiro e São Paulo, no litoral sudeste brasileiro, sediará o mais novo evento Paraty Brazil by UTMB, de 22 a 24 de setembro de 2023, com apoio do Governo do Estado do Rio de Janeiro, da Prefeitura de Paraty e do ICMBio.

Rodeada por grandes montanhas e florestas, Paraty promete uma recepção calorosa para os corredores, com seu famoso centro histórico colonial, primorosamente preservado, e suas ruas de paralelepípedos que abrigam edifícios dos séculos XVII e XVIII. Com mais de 50 praias exuberantes, pertencentes à famosa Costa Verde, Paraty é um dos destinos mais visitados do Brasil.

A cidade é rodeada pelo Parque Nacional da Serra da Bocaina, Patrimônio Mundial da UNESCO com mais de 106.000 hectares, compostos em sua maioria por Mata Atlântica nativa.

Os corredores descobrirão as diferentes paisagens da região, desde praias ao redor de Paraty até uma das serras mais imponentes do Brasil – com picos de até 1840m de altitude – , através de trilhas que conectam o litoral às matas nativas, montanhas e vilarejos locais.

Sobre o Paraty Brazil by UTMB, Catherine Poletti disse: “Os corredores terão a oportunidade de descobrir uma área de beleza natural exuberante, ao redor do Parque Nacional da Serra de Bocaina. E, além de não vermos a hora de explorar as novas trilhas da região, esperamos também ressaltar a importância de proteger e trabalhar em harmonia com esta região prioritária de conservação global.”

As inscrições serão abertas em dezembro de 2022, e os corredores poderão escolher entre 23km, 35km, 55km e 110km para esta primeira edição, explorando uma das áreas naturais mais ricas do planeta, repleta de espécies endêmicas de fauna e flora.

Rafael Miranda, CEO do Paraty Brazil by UTMB disse: “Trazer o UTMB World Series para o Brasil é um sonho. A emoção de organizar este evento é a mesma que senti na largada do meu primeiro CCC. O Brasil está pronto para sediar uma corrida extraordinária! Tenho certeza que o Brasil vai surpreender até os atletas mais experientes, com sua hospitalidade, natureza exuberante e percursos desafiadores. Em setembro de 2023 vamos tornar esse sonho realidade!”

Rafael Miranda conheceu o fundador do grupo UTMB, Michel Poletti, em 2019 durante o evento Oman by UTMB, onde correram juntos parte do percurso de 100 milhas daquele ano. Na ocasião, Michel Poletti compartilhou seu sonho de realizar uma etapa do UTMB no Brasil com Rafael, e a partir daquele dia, o brasileiro que também tinha esse desejo, começou a se dedicar para tornar este sonho realidade.

Percursos desenhados por atletas
Quem assume a direção técnica do Paraty Brazil by UTMB é o atleta e organizador de eventos esportivos Rafael Campos.

Atleta de corridas de aventura, fundador e líder da equipe Quasarlontra, com participação em 7 mundiais e muitas vitórias ao longo da carreira, Rafael Campos traz para o evento toda a sua experiência técnica organizando eventos esportivos de alta complexidade há mais de 10 anos.

Além das exímias habilidades em navegação, resgate e técnicas verticais, Rafael Campos tem se destacado no cenário brasileiro dos esportes outdoor como Diretor Técnico do Brasil Ride, o maior evento de Mountain Bike do país.

Rafael Campos disse: “As expectativas para a primeira edição do UTMB no Brasil são muito boas. O local escolhido é um local épico, com uma logística de fácil acesso dos grandes centros, onde conseguiremos receber muito bem os atletas brasileiros e também muitos atletas estrangeiros.

Paraty é uma região linda que fica perto do mar, mas também está muito próximo da montanha. Nós conseguiremos sair do nível do mar e atingir picos com quase 2.000m de altitude, com diferentes tipos de vegetação e trilhas bastante desafiadoras. Tenho certeza que vamos surpreender os corredores e suas famílias aqui em Paraty. A cidade é muito acolhedora e é palco perfeito para grandes eventos.”

Seu caminho mais fácil para Chamonix

A partir de 2023, pelas novas regras do circuito UTMB World Series, os atletas que desejarem correr a UTMB Finals (UTMB®, CCC® e OCC®), na famosa e icônica cidade de Chamonix, na França, precisarão buscar seu índice qualificatório, além de coletar Running Stones nos 29 eventos do circuito ao redor do mundo.

Paraty Brazil by UTMB será, portanto, a única prova do país que permitirá aos atletas somarem as desejadas Running Stones, possibilitando seu ingresso no sorteio para o UTMB® Mont-Blanc, na França.


Para mais informações, acesse www.utmb.world.

Eventos confirmados do UTMB World Series 2023 em 4 de outubro de 2022:

• Tarawera™ Ultramarathon by UTMB® (Nova Zelândia), 11 a 12 de fevereiro
• Amazean Jungle Thailand by UTMB (Tailândia), 17-19 de fevereiro
• Istria 100 by UTMB® (Croácia), 13-16 de abril
• Canyons Endurance Runs by UTMB® (EUA), 28 a 29 de abril
• Transvulcania by UTMB® (Espanha), 4-6 de maio
• Ultra-Trail Snowdonia by UTMB® (País de Gales), 12 a 14 de maio
• Trail Alsace Grand Est by UTMB® (França), 19 a 21 de maio
• Ultra-Trail Australia™ by UTMB® (Austrália), 11-14 de maio
• Trail du Saint-Jacques by UTMB® (França), 3-4 de junho
• mozart 100™ by UTMB® (Áustria), 17-18 de junho
• Valhöll Argentina by UTMB® (Argentina), 12-14 de maio
• La Sportiva® Lavaredo Ultra-Trail® by UTMB® (Itália), 22-25 de junho
• Trail 100 Andorra™ by UTMB® (Andorra), 24-25 de junho
• Western States® 100-Mile Endurance Run (EUA), 24 a 25 de junho
• Val d’Aran by UTMB® (Espanha), 6 a 9 de julho
• Restonica Trail by UTMB® (França), 6-8 de julho
• Trail Verbier Saint-Bernard by UTMB® (Suíça), 7 a 9 de julho
• Eiger Ultra Trail by UTMB® (Suíça), 12 a 16 de julho
• Speedgoat Mountain Races by UTMB® (EUA), 21-22 de julho
• Finais do UTMB® World Series; UTMB® Mont-Blanc (França, Itália, Suíça),
28 de agosto a 3 de setembro
• Wildstrubel by UTMB® (Suíça), setembro
• Paraty Brazil by UTMB® (Brasil), 22-24 de setembro
• Julian Alps Trail Run by UTMB® (Eslovênia), setembro
• Nice Côte d’Azur by UTMB® (França), setembro
• Puerto Vallarta México by UTMB® (México), outubro
• Kullamannen by UTMB®, (Suécia) novembro
• TransLantau™ by UTMB® (Hong Kong), novembro
• Doi Inthanon Tailândia by UTMB® (Tailândia), 9-11 de dezembro
• Ultra-Trail Kosciuszko by UTMB® (Austrália), dezembro