3a Jornada de Montanhismo

Inscrições abertas para a III Jornada Cultural e Científica de Montanhismo, em abril

Jornada Cultural e Científica de Montanhismo discute volta de atividades de esportes de aventura em 1º evento presencial desde o início da pandemia, com o objetivo de conectar e capacitar praticantes de atividades ao ar livre como Camping, Hiking, Trekking, Escalada em Rocha, Trail Running e Bikepacking.

Depois de dois anos em meio à covid-19, com trabalho remoto, isolamento e, finalmente, vacina no braço, o circuito de esporte de aventura terá a tão aguardada volta dos eventos presenciais de imersão e atualização: a Jornada Cultural e Científica de Montanhismo Gear Tips acontece de 01 a 03 de abril de 2022, a primeira depois da pandemia.

Com o desafio de debater o mundo e sua reconfiguração necessária depois da chegada da covid-19, a Jornada Científica de Montanhismo vai reunir capacitação, conhecimento, interação e produção científica e cultural do montanhismo em suas diversas modalidades.

O público-alvo abrange desde quem está começando até quem já trabalha na área. A idealizadora da Jornada, Fernanda May, diz que a programação, extensa, foi pensada para a comunidade de praticantes de esportes de montanha de maneira geral.

“O evento é completo, com palestras, aulas e workshops para todos os gostos e níveis de conhecimento diferenciados. Quem já é guia, por exemplo, terá a chance de se atualizar em primeiros socorros, entre outros conhecimentos; empresários vão poder trocar informações sobre novos circuitos e opções que podem ser oferecidos, além do networking; e quem está começando vai ter a chance de se preparar para situações adversas, a lidar com equipamentos de segurança e a produzir impacto mínimo na natureza”, diz May, que é médica e pratica montanhismo há 24 anos.

Já Pedro Lacaz Amaral, co-organizador do evento, destaca a chegada de novos praticantes à cena do montanhismo em todo o Brasil: “O esporte de aventura recebeu muitos novos participantes, muita gente querendo descobrir novas atividades depois de ficar tanto tempo em isolamento, e o mercado, seus profissionais e atletas amadores precisam se atualizar e se informar. É por isso que, nesta edição, teremos uma programação ainda mais completa, com encontros dedicados a debater o que há de mais novo em termos de condicionamento físico e mental, equipamentos e tecnologia e, ainda, habilidades e conhecimento”, diz Pedro Lacaz Amaral, co-organizador do evento.

O evento contempla esportes como bike, escalada, trail running, e trekking, com todas as atualizações dessas áreas, e faz um mergulho também por locais: Rio de Janeiro, Minas Gerais e Patagônia, muito procurados por esportistas profissionais e amadores, ganham destaque. Além disso, a jornada traz o que há de mais novo em termos de equipamentos e segurança, mínimo Impacto e saúde, além de painéis dedicados ao aprofundamento e à análise de artigos e dados científicos. Por fim, a parte cultural do evento trará exposições fotográficas, de mapas e literatura de montanha.

Programação tem especialistas em Bikepacking, Escalada, Trail Running e Trekking 

Uma das atrações é a palestra do especialista em esporte de aventura Guilherme Cavallari. Autor de 19 livros na área e coautor de uma série de filmes documentários, ele vai compartilhar sua experiência com longas viagens de bicicleta por lugares como as serras gaúcha, catarinense e da Mantiqueira, Patagônia e Mongólia em um encontro sobre Bikepacking.

Para Cavallari, o isolamento social afetou a saúde mental das pessoas de maneira muito significativa, e isso está levando muita gente a buscar refúgio e cura no encontro com a natureza.

“Na minha palestra falo de experiências de estar na natureza, de estar na aventura. Falo como foi a travessia que fiz na Mongólia de bicicleta, mas também da experiência da preparação, que é muito importante para quem quer começar a fazer viagens longas.”

Cavallari afirma que a Jornada de Montanhismo é de suma importância para promover a cultura de montanha no Brasil: “Estar na natureza é uma maneira de cuidar da saúde física e mental, mas também uma forma de proteger o meio ambiente. Ninguém cuida daquilo que não conhece, e precisamos que mais gente conheça cada vez mais. Promover a cultura de aventura é fundamental, e esse é um dos papéis da jornada.”

Serviço:

III Jornada Cultural e Científica de Montanhismo Gear Tips

1 a 3 de abril de 2022
Local: Hotel Fazenda Villa Forte, em Engenheiro Passos (RJ)
Inscrições: https://jornadademontanhismo.com.br/inscricao

Palestrantes: André Fatini, Antônio Calvo, Branca Franco, Cláudio Machado, Ed Padilha, Fábio “Tchê” Moralles, Freddy Duclerc, Gabriel Tarso, Guilherme Cavallari, Isadora Martins, Luiz Aragão, Luiz Gadetto, Marcela Tenório, Maria Tereza Ulbrich, Pedro Hauck, Pedro Lacaz Amaral e Ricardo Pina.
Site do Evento:

https://jornadademontanhismo.com.br

Vídeo Institucional da 2a Jornada:
https://www.youtube.com/watch?v=UwHMLCQ_reo

Fotos da 2a Jornada:

II JORNADA

Rocky Mountain Games

Banco Master Rocky Mountain Games distribui R$ 20 mil reais em premiação


Primeira etapa do maior festival de esportes de montanha do país, entre 2 e 3 de abril, na Pedra Grande, em Atibaia, irá premiar corredores e bikers

Fevereiro, 2022 - Maior festival de esportes de montanha do país, o Banco Master Rocky Mountain Games abre sua temporada entre os dias 2 e 3 de abril, na Pedra Grande, em Atibaia, interior de São Paulo. Será um desafio para corredores e bikers, com trilhas técnicas, altimetria variada e um visual de tirar o fôlego. Como se isso já não fosse incentivo suficiente, o evento ainda terá premiação em dinheiro no total de R$ 20 mil. Além de troféus, os três primeiros colocados masculino e feminino nas modalidades Trail Run 21 km,  Mountain Bike 40 km, Uphill (5 km morro acima), Gravel (50km entre asfalto e terra) e os vencedores do Rocky Man e Rocky Woman individual e por equipe voltarão para casa com grana no bolso.

Para os atletas – homens e mulheres – inscritos para correr no Desafio das Serras Trail Run 21 km e Uphill ou pedalar nas provas de MTB 40 km e Gravel, a premiação é a seguinte: campeão - R$ 1.000 + assinatura vitalícia Go Outside; vice-campeão - R$ 700 + assinatura anual Go Outside; 3º lugar - R$ 400 + assinatura semestral Go Outside. Para os vencedores do Banco Master Rocky Man e Rocky Woman solo (categoria que engloba Trail Run 21 km, Mountain Bike 40 km e Corrida Uphill) a recompensa é de R$ 1.000 cada. Na modalidade Rocky Man e Rocky Woman por equipe, o valor é de R$ 1.500,00. Todos os 3 primeiros colocados de todas as modalidades, masculino e feminino também têm inscrição garantida nas próximas etapas do Banco Master Rocky Mountain Games de 2022.

O Banco Master Rocky Mountain Games contará também com várias outras modalidades, como Canicross (prova de 4 km na qual os atletas correm com seus cachorros e que não terá premiação em dinheiro para não aumentar a competição e preservar os animais); Trail Run nas distâncias de 6km, 12km e 42km, Mountain Bike em percursos de 20 km; MTB Downhill (2 minutos de descidas em uma pista nível intermediário) e Hike & Fly (combinação de trekking e parapente). Os cinco primeiros colocados de todos os esportes receberão troféus.

O Banco Master Rocky Mountain Games é aberto a participantes acima de 14 anos de todos os níveis, e está com inscrições abertas. Para garantir presença na etapa de Pedra Grande, basta acessar o site oficial (https://rockymountaingames.com.br/) ou clicar diretamente no link
https://www.ticketagora.com.br/e/rocky-mountain-games-2022---etapa-pedra-grande-30701

Depois da competição em Atibaia, as duas etapas seguintes do Banco Master Rocky Mountain Games serão em Campos do Jordão, entre 17 e 18 de setembro; e Juquitiba, dia 26 de novembro, todas no interior de São Paulo. Outra novidade em 2022 é a parceria com o Desafio das Serras, circuito já consagrado de corrida de montanha, que neste ano assume a chancela e a direção das provas de trail run.

Muito além do esporte – O Banco Master Rocky Mountain Games combina esporte com uma programação múltipla, que envolve música, gastronomia, recreação infantil, cinema, entre outras. Com inspiração em festivais norte-americanos, o evento cria uma atmosfera única para todas as pessoas, de crianças a adultos, amigos e familiares, em uma convivência cultural e esportiva em meio à natureza.

Entre as atividades paralelas à programação competitiva, a  arena do Rocky Mountain Games terá arremesso de machado, slackline, atividades outdoor para crianças, capitaneadas pelo Acampamento Go Outside, shows ao vivo e filmes ao ar livre com a temática esportes ao ar livre e natureza. Toda a estrutura é montada para garantir conforto e segurança tanto aos praticantes das diversas modalidades como para os visitantes interessados em acompanhar a competição e participar dos eventos extras e se envolver no clima de celebração da vida ao ar livre e da cultura de montanha.

Histórico - A primeira edição do evento ocorreu em 2019, em Campos do Jordão, e contou com cerca de 400 atletas. Entre 2020 e 2021 novas edições chegaram a ser lançadas, mas precisaram ser canceladas por conta da pandemia. Agora, em 2022, o maior festival de esportes de montanha do Brasil retorna ampliado, passando de uma para três etapas.

O Banco Master Rocky Mountain Games veio para reforçar as conexões entre homem e natureza, inspirando pessoas comuns e atletas a buscarem um estilo de vida mais desafiador, saudável e autêntico. O  Banco Master Rocky Mountain Games é uma realização da Rocky Mountain Sports Content, que desde 2005 imprime em sua produção de conteúdos e eventos a excelência de quem conhece profundamente o universo do esporte, do bem-estar e da vida ao ar livre. A empresa é responsável pelas marcas Go Outside e Hardcore e há 12 anos realiza o maior festival de cinema ao ar livre do Brasil, o Rocky Spirit. O evento tem naming rights do Banco Master, com patrocínio da Legrand Pharma e apoios do Governo do Estado de São Paulo, por meio da Sabesp, da Mynd, confecção de artigos esportivos, Cerveja Patagonia e da Prefeitura de Atibaia.

Mais informações:
Site:
 https://rockymountaingames.com.br/
Instagram : https://www.instagram.com/rockymountaingames/
Fan page - https://www.facebook.com/rmountaingames
Youtube - https://www.youtube.com/channel/UC2Zd1D_1VDhPsOjbKUyFt0Q

Assessoria de Imprensa:
ZDL
Doro Jr. - MTb 13209 - 
[email protected] - F: 11 984579723 
Rafael De Marco - Mtb.: 27556 - 
[email protected] - Cel: 11 976022986 / WhatsApp: 19 997912108 

Site: www.zdl.com.br 
Facebook: 
www.facebook.com/ZDLSports 
Instagram: 
www.instagram.com/zdlsports 
Twitter: 
www.twitter.com/ZDLcomunica


Ciclistas no caminho da Pedra Grande, em Atibaia
(Pedro Lima /@pldrones)
Ciclistas no caminho da Pedra Grande, em Atibaia (Pedro Lima /@pldrones)
A disputa de MTB 40K tem premiação especial aos melhores
(Ricardo Leizer / Rocky Mountain)
A disputa de MTB 40K tem premiação especial aos melhores (Ricardo Leizer / Rocky Mountain)
A corrida de 21K tem premiação em dinheiro
(Ricardo Leizer / Rocky Mountain)
A corrida de 21K tem premiação em dinheiro (Ricardo Leizer / Rocky Mountain)
Pedra Grande, com Atibaia ao fundo
(Pedro Lima /@pldrones)
Pedra Grande, com Atibaia ao fundo (Pedro Lima /@pldrones)
Kit dos atletas
(Divulgação)
Kit dos atletas (Divulgação)

Brasil no VK OPEN Championship da ISF

Brasil no VK Open

Por: Valmir Lana Jr

Pela primeira vez na história o Brasil participa do campeonato mundial de VK (quilometro vertical). O Km Vertical como é conhecido no Brasil teve sua primeira prova homologada pela Skyrunning Brasil no evento “Horizontes SkyRace” em Catas Altas, Minas Gerais, mas a etapa mundial 2022 certificada pela ISF será na “Insanity Mestre Álvaro” com 4,8km e 1.014m de desnível positivo.

O Evento já é reconhecidamente como uma das provas mais Sky do Brasil e agora comprova todo seu potencial com uma legítima prova de VK. Este é um marco para o cenário Skyrunning Nacional e estaremos lá para conferir e trazer para o público da Revista Trail Running tudo que acontecer nas trilhas capichabas.

Segue abaixo uma tradução do anúncio feito pela própria ISF em seu site (https://www.skyrunning.com/like-the-vertical-the-vk-open-championship-is-back/)

Link para o instagram da Insanity (CLIQUE AQUI)


Yuri-Yoshizumi.-Santana-Vertical-Kilometer®.-©Alexander-Vasev

Yuri-Yoshizumi.-Santana-Vertical-Kilometer®.-©Alexander-Vasev

Seja bem-vindo ao VK OPEN Championship, lançado pela ISF no ano passado para destacar o antigo Vertical Kilometer® e altamente popular – para quem gosta de “rápido e íngreme”.

O Campeonato VK OPEN 2022 conta com oito provas em sete países, mais a “Grand Finale” – este ano se estendendo até o Brasil e o Chile, onde pela primeira vez acontece o VK. Na Europa, Montenegro junta-se aos campeonatos com Portugal, Espanha, Bulgária e Itália, reconfirmando a participação do ano passado.

A Grande Final será novamente realizada em Limone, Itália, nas margens espetaculares do Lago de Garda, com o Grèste de la Mughera VK, onde prêmios em dinheiro serão concedidos aos líderes masc/fem do ranking, juntamente com os títulos VK OPEN Champion.

Elousine-Elazzaoui_Italy_Limone-2021.©RobertoDePellegrin

Elousine-Elazzaoui_Italy_Limone-2021.©RobertoDePellegrin

Especialistas verticais de todo o mundo competirão pelos títulos, que no ano passado foram para o japonês Yuri Yoshizumi e o suíço Roberto Delorenzi, medalhista de bronze no Campeonato Mundial Skyrunning 2020.

Todas as corridas têm duas coisas em comum: o ISF Certified Course Label e os parâmetros que se enquadram no Vertical Kilometer®, a disciplina ISF VERTICAL: subida vertical de 1.000m em cinco quilômetros de distância. O único caminho é para cima!

Como o nome sugere, o VK OPEN é aberto a todos os atletas. Como o presidente da ISF, Marino Giacometti afirma:

“O VK é curto e doce, mas o esforço é enorme e a competição é dura – é por isso que todos adoram! Estamos ansiosos para receber especialistas em VK de todo o mundo, desta vez incluindo a América do Sul, onde a disciplina acaba de decolar.”

O *ranking é baseado em duas corridas mais a final. Todas as corridas concederão pontos até a 20ª posição, enquanto a Grand Finale concederá pontos em dobro até a 40ª posição.

Montenegro_Prokletije.-©Marko-Nikolic

Montenegro_Prokletije.-©Marko-Nikolic


Calendário do Campeonato VK OPEN 2022

5 de março – KM Vertical de Câmara de Lobos, Portugal – 3,3 km / 1.000m+
15 de abril – Insanity Mestre Alvaro VK, Brasil – 4,8 km / 1.014m+
24 de abril – Mahuida Vertical Kilometer®, Chile – 4,5 km / 1.050m+
27 de maio – Santana Vertical Kilometer®, Portugal – 4,8 km / 1.003m+
2 de junho – Orobie Vertical, Itália – 4 km / 1.000m+
4 de junho – Parangalitsa VK, Bulgária – 4,7 km / 960m+
3 de julho – KV Sierra Nevada, Espanha – 4,7 km / 1.050m+
14 de agosto – Prokletije Vertical Kilometer®, Montenegro – 3,5 km / 1.100m+
15 de outubro – Grèste de la Mughéra Vertical Kilometer® – GRAND FINALE, Itália – 4 km / 1.094m+


*Classificação
Provas com largada em massa podem ter apenas um vencedor. Eventuais empates podem ser quebrados com base em uma imagem técnica ou outro sistema de controle. Caso nenhuma das opções anteriores seja resolvida, a decisão final será tomada pelo júri.
As corridas que cronometrarem cada corredor ou que tenham uma partida individual podem ter um empate.
Todos os vencedores da corrida receberão entrada e acomodação gratuitas na final.
Em caso de empate, o melhor resultado na final será considerado para o prêmio em dinheiro.

México by UTMB

Por: Valmir Lana Jr


Puerto Vallarta, localizada na costa do Pacífico do México, sediará um novo evento de 28 a 30 de outubro de 2022. Uma cidade definida pelo charme natural de suas praias cercadas pelas notáveis montanhas de Sierra Madre, Puerto Vallarta México by UTMB® destacará o melhor que a região tem a oferecer. Levando os corredores em uma jornada das profundas florestas de pinheiros através da impressionante selva e antigas cidades coloniais, enquanto seguem rios sem fim até a bela baía de Puerto Vallarta, este novo evento terá um autêntico espírito mexicano com 20km, 55km, 100km e 100 milhas.

 

ERENO - 20km

Ereno é uma corrida de 20 km com 940 D+ e um tempo limite de aproximadamente 6h 00 min. A partida e chegada será no Malecón em Puerto Vallarta. Os corredores percorrerão a cidade, entrando na selva com suas florestas densas, seu grande número de plantas e trepadeiras. A rota corre ao longo do rio Cuale no final até encontrar o Oceano Pacífico para cruzar a linha de chegada.

  • Data: 30 Outubro 2022
  • Distância: 23km
  • Ganho de elevação: 940 D+
  • Categoria da prova: 20K
  • Largada: Malecón Puerto Vallarta, Jalisco, México
  • Tempo máximo: 6hrs
  • Running Stones: 1
Microsoft_Teams_image_132_b141562385
ZAM_OSM_UTMB_San_Sebastiandel_Oeste_D1_Canon6_D_t1_MG_2239_1_b3e9dbb9ed

NAKAWÉ - 50km

Nakawé é uma prova de aproximadamente 50 km com 2.000D+ e tempo limite de 12h 00min. A largada e chegada estarão localizadas no Malecón de Puerto Vallarta. O trecho final do percurso atravessa a ilha do rio Cuale, repleta de lojas de artesanato e restaurantes. De lá, os corredores correrão em direção ao Oceano Pacífico e percorrerão o belo calçadão da praia cercado por esculturas artísticas até a linha de chegada.

Data: 29 de outubro de 2022
Distância: 50km
Ganho de elevação: 2000 D+
Categoria de corrida: 50K
Largada: Puerto Vallarta, Jalisco, México
Tempo máximo: 12h
Running Stones: 2

HIKURI - 100km

Hikuri é uma corrida de 100km com 3.000D+ e tempo limite de 22 horas e 00minutos. Começa na pequena aldeia de Mascota e termina no Malecón de Puerto Vallarta. O percurso atravessa as montanhas de Cerro del Cabro e Piedra Bola e depois desce até o leito do rio Cuale e atravessa a selva até Puerto Vallarta.

Data: 29 de outubro de 2022
Distância: 100km
Ganho de elevação: 3.000 D+
Categoria de corrida: 100K
Largada: Mascota, Jalisco, México
Tempo máximo: 22h
Running Stones: 3

ZAM_OSM_UTMB_San_Sebastiandel_Oeste_D1_Mavic_Pro2_t1_DJI_0199_1_7391b07e63
ZAM_OSM_UTMB_San_Sebastiandel_Oeste_D1_Canon6_D_t1_MG_1746_1_b28ccd3068

WIXÁRIKA - 100 milhas

Wixárika é uma pista de corrida emblemática que começa na Sierra Madre Ocidental, desce para entrar na selva e continua até os corredores encontrarem o Oceano Pacífico. É uma corrida de aproximadamente 170 km com 6.500D+ e um tempo limite de 40 h 00min, que começa na pequena vila de San Sebastián del Oeste e termina no coração de Puerto Vallarta. Com todos os tipos de terreno, vegetação e clima, os corredores desfrutarão de trechos técnicos, estradas largas e fáceis de seguir e trilhas complexas através de plantações de agave, rios e selva.

Data: 28 de outubro de 2022
Distância: 170km
Ganho de elevação: 6.500 D+
Categoria de corrida: 100M
Largada: San Sebastián del Oeste, Jalisco, México
Tempo máximo: 40h
Running Stones: 4

COMO ACESSAR AS FINAIS DA SÉRIE MUNDIAL UTMB®

As finais da UTMB® World Series acontecerão todos os anos nas três principais corridas do UTMB® Mont-Blanc – o OCC, o CCC® e o UTMB® – que se tornam, respectivamente, as Finais Mundiais dos 50K, 100K e 100M.
Para acessar as Finais da World Series, os corredores terão várias possibilidades:

  1. A loteria através da coleção de Running Stones
  2. Desempenho esportivo
  3. O programa de fidelidade

A LOTERIA ATRAVÉS DA COLEÇÃO DE Running Stones

Os corredores devem ter coletado pelo menos 1 Running Stone nos últimos dois anos para entrar na loteria para uma das três finais da UTMB® World Series - OCC, CCC® e UTMB®. Os corredores também precisarão ter um Índice UTMB® válido para a distância de sua escolha.

Running Stones

Running Stones se acumulam ao longo do tempo, não têm validade, e cada Running Stone dá uma chance adicional de ser selecionado através da loteria. As Running Stones são concedidos exclusivamente aos finalistas do UTMB® World Series Events e UTMB® World Series Majors na categoria 20K, 50K, 100K ou 100M:

One Hundred – Rio Special Stage Caminho do Ouro

Por: Valmir Lana Jr.


Um fim de semana para se lembrar para sempre!

Assim foi o dia 14 de agosto de 2021! A One Hundred chegou no mercado do Ultra Trail com um projeto audacioso e vem fazendo a diferença no cenário em tudo que se propõe a fazer.

No ano passado pudemos acompanhar de casa o “fantasminha” por 4 semanas seguidas e tivemos um grande evento para poucas pessoas e muito entretenimento, mesmo em momento de pandemia.

Para este ano a empresa deu mais um passo e fez mais um evento para privilegiados 50 atletas na belíssima e histórica cidade de Parati, no Rio de Janeiro.

A prova era de 10km subindo 1.070m e 10km descendo 1.070m com alguns pontos que dão o ar de inovação no nosso cenário, como por exemplo a premiação que chegou a R$ 7.000,00 para os três melhores de cada percurso e ainda uma viagem para a Itália com todos os custos pagos (aéreo, hospedagem, alimentação e mais 100 libras) para a disputa da grande final da One Hundred.

Mas, na minha opinião, o que mais foi inovador foi a transmissão “ao vivo” da competição com uma mega estrutura tecnológica nunca antes vista e que sem dúvidas é um marco, uma virada de página em nosso cenário trail nacional.

Quem pode acompanhar pelo canal One Hundred TV no YouTube pôde acompanhar um show de transmissão com narração, comentarista, entrevista e algumas imagens do percurso. Infelizmente o mal tempo e a chuva impediram que o show fosse ainda maior com muito mais imagens do percurso, como acompanhamento dos atletas em atividade, drones e as parciais de tempo, entretanto o teste foi muito bem sucedido e temos certeza e total confiança que a etapa Brasil do World Series será um novo marco para o nosso cenário.

Profissionalização do esporte, valorização dos atletas, retorno de mídia para os patrocinadores e parceiros, isso são alguns dos ganhos e virtudes da One Hundred para o Brasil e o mundo Trail.


Seguem os resultados

Classificação Geral – Masculino
1° lugar: Rogerio Silvestrin (1h48m22s);
2° lugar: Cleverson Secchi (1h55m14s); e
3° lugar: Genilson Souza (1h56m37s).

Classificação Geral – Feminino
1° lugar: Letícia Saltori (2h09m24s);
2° lugar: Ana Santos (2h26m57s); e
3° lugar: Rosangela Faria (2h34m32s).

King of the Hill – Masculino
1° lugar: Rogerio Silvestrin (1h06m37s);
2° lugar: Douglas Correa (1h07m37s); e
3° lugar: Genilson Souza (1h10m32s).

Queen of the Hill – Feminino
1° lugar: Letícia Saltori (1h19m37s);
2° lugar: Ana Silveira (1h26m23s); e
3° lugar: Rosangela Faria (1h26m49s)

Mountain Goat – Masculino
1° lugar: Rogerio Silvestrin (41m44s);
2° lugar: Cleverson Secchi (44m26s); e
3° lugar: Genilson Souza (46m4s).

Mountain Goat – Feminino
1° lugar: Letícia Saltori (49m46s);
2° lugar: Ana Silveira (1h00m34s); e
3° lugar: Linabel Araújo (1h03m2s).

Classificação por idade – Masculino
18 a 29 anos: Igor Reis;
30 a 39 anos: Renato Campos;
40 a 49 anos: Gleiciomar Santos; e
50 a 59 anos: Valdecir Santos.

Classificação por idade – Feminino
30 a 39 anos: Sabrina Freitas;
40 a 49 anos: Solange Mariano; e
50 a 59 anos: Maria Rodrigues.

A maior prova do Brasil

capa desafio das serras

Por: Plauto Holanda (@plautoholanda)


No final do mês de julho, bem no meio da região serrada do estado da Paraíba, mais precisamente na cidadezinha de Bananeiras, surge a maior prova de trail running já feita aqui no Brasil. Isso mesmo, nunca uma corrida por trilhas aqui no nosso país levou tantos atletas, foram 1.500 de várias partes, sendo em sua maioria da região nordeste.

O desafio das serras é um circuito, este ano composto por quatro etapas. Essa, a de Bananeiras-PB, é a 2° etapa desse grande circuito que roda o Nordeste. Ela tem uma mística muito especial, pois muitos atletas se atraem por ela e vamos descobrir o porquê.

Talvez um dos motivos seja por conta da própria região, que carrega um clima de serra gostoso, um friozinho bacana, que para todo nordestino já é de muito agrado; em torno de 17 graus pela manhã (mas ao meio-dia o calor aperta mais). Outro motivo é o fato de não ser muito longe da capital, João Pessoa, aproximadamente 130 km, facilitando muito o acesso.

A prova contou com 4 distâncias, 6,6 km com 300m D+ , 13 km com 400D+ , 27 km com 930m D+ e 50,5 km com 1.830m D+ . Para trail runners experientes pode parecer pouco, pois a prova permite imprimir ritmos mais rápidos, mas aí que mora o perigo, pois o percurso muda de cenário a todo instante, variando sempre entre estradas e single tracks e, em alguns outros momentos, um trecho mais plano. Outra coisa que pode pegar muitos atletas é o clima, que começa bem ameno no início da manhã, mas no decorrer vai esquentando bastante.

Os locais nos levam desde a estradões estilo tobogã, até trilhas úmidas e fechadas de mata, passando por singles abertos e com visuais fantásticos de lagos e rochas; cruzamos até com uma igrejinha charmosa no alto de uma colina, que era um dos pontos de apoio da prova. Outro ponto bacana é que passamos por diversas localidades de moradores, gente simples, raiz, ali daquela terra, que vive no meio da serra, com a pura alma nordestina.

Todos os pontos de apoio estavam sempre bem abastecidos, com frutas, azeitonas, água, energéticos e refri gelado, e com staffs sempre recebendo bem todos os atletas.

Por fim, para os que correram a prova mais longa vem um grand finale: a 1 km da chegada, os atletas se deparam com uma mega rampa, isso mesmo, uma subida insana, com inclinação surreal e bem longa, numa ruazinha de paralelepípedos que esfria qualquer tentativa de um sprint final de qualquer atleta.

A prova é simples em sua essência, sem grande fama, mas já guarda uma aura de grande evento, uma energia única, que tem atraído sempre mais e mais atletas para o trail running, e o mais fantástico: ela atinge dois grandes pontos, chama a atenção de muitas pessoas novatas para a trilha, agregando novos adeptos para a modalidade, e também atrai excelentes atletas competitivos, revelando assim grandes talentos para o esporte.


Números da prova:

1500 atletas
Ultra = 90 atletas
Half = 370 atletas
Fast = 550 atletas
Light = 490 atletas

Faixa etária predominante 31 a 48 anos

53% Masculino
47% Feminino

83% se hospedaram na região, na cidade e em cidades vizinhas.

Ultra 51km e 1850m D+;
Half 27km e 900m D+;
Fast 13km e 360m D+;
Light 6,6 e 215m D+.

Aditivo 02 ao regulamento 2021

Aditivo 02 ao regulamento 2021

ADITIVO 02/2021 AO REGULAMENTO DA SUPER COPA TRAIL 2021

Preâmbulo:

Em virtude das consequências dos adiamentos e cancelamentos de provas neste ano de 2021, divulgamos as novas regras da Super Copa Trail no ano de 2021:

Justificativa:

Com o baixo número de provas no ano corrente, a probabilidade de termos muitos atletas com apenas uma competição e consequentemente o mesmo número de pontos é muito grande, o que inviabiliza e se perde o sentido de se ranquear atletas e suas performances.

Entretanto, não deixaremos que isto nos impeça de trabalhar com foco no mérito e performance dos atletas, portanto, utilizaremos a forma de classificação para a Cambotas Marathon as regras a seguir e lembrando que tais regras se aplicam somente para o ano de 2022.

Art. 1º. Estas regras se aplicam imediatamente e se sobrepõe às regras do regulamento da Super Copa no que couber, inclusive valendo para provas já realizadas no ano de 2021.

Art. 2º. De acordo com o artigo 37 do regulamento da Super Copa Trail os campeões gerais (masc/fem) de percursos acima de 30km em qualquer prova da Super Copa Trail terão o “Vale Dourado.

Parágrafo único: Estenderemos para os 3 (três) primeiros colocados (masc/fem).

Art. 3º. Caso o atleta já tenha sua vaga garantida por outra forma, o próximo na sequência terá direito a vaga direta até o 10º colocado geral, após esta posição, não haverá extensão de vaga para o 11º colocado.

Art. 4º. Assessorias Esportivas e Grupos de atletas terão direito a 4 (quatro) vagas na Cambotas Marathon (2 masc/2 fem) prerencialmente.

Parágrafo 1º:     Somente poderão ter uma equipe, tornando inválido o que diz no regulamento sobre poderem ter, ainda, uma equipe de performance.
Parágrafo 2º:     O cadastro de Assessoria Esportiva e Grupos de Atletas deve ser feito no site com indicação dos atletas selecionados.
Parágrafo 3º:     Serão disponibilizadas 20 (vinte) vagas para Assessoria Esportiva e 20 (vinte) vagas para Grupos de Atletas.
Parágrafo 4º:     Caso haja mais de 20 Assessorias Esportivas e mais de 20 Grupos de Atletas cadastrados, haverá uma avaliação OBJETIVA de pontos ITRA dos atletas da Assessoria Esportiva e Grupo de Atleta, sendo que os com maiores índices somados serão escolhidos.
Parágrafo 5º:     Se ainda assim houver empate, o desempate se dará pelo maior índice ITRA do atleta da Assessoria Esportiva ou Grupo de Atleta.

Art. 5º. Não haverá vagas para equipe de performance.

Art. 6º. Haverá sorteio de 10 (dez) vagas para assinantes da Revista Trail Running no dia 01/10/2021 (primeiro de outubro de dois mil e vinte e um).

Art. 7º. Haverá um sorteio no dia 01 de outubro de 2021 de APENAS 50 (CINQUENTA) VAGAS abertas ao público e que esteja cadastrado efetivamente na Super Copa Trail e independente de classificação no ranking.

Art. 8º: As vagas destinadas a atletas do entorno de Barão dos Cocais será diminuída para 10 (dez) vagas e estes deverão estar cadastrados efetivamente na Super Copa Trail e independente de classificação no ranking.

Parágrafo 1º: Caso haja mais de 10 cadastrados solicitantes a participar da prova, realizaremos sorteio no dia 01 de outubro de 2021.
Parágrafo 2º: Este artigo suspende o artigo 47 do regulamento geral da Super Copa Trail.

Art. 9º: Todos os Rankings serão cancelados.

Art. 10º: Estas serão as novas condições de participação na prova final chamada “Cambotas Marathon” em Barão dos Cocais, Minas Gerais em dezembro de 2021.

 

A prova que o Brasil precisa conhecer!

Capa Matões

Por: Valmir Lana Jr.


O nordeste do Brasil vem se mostrando uma grande promessa dentro do cenário Trail, muitas provas com muita qualidade organizacional e variados tipos de trilha. Além disso, o público nordestino tem crescido vertiginosamente e com uma paixão muito grande por correr em trilhas.

São muitos eventos que vem tendo suas vagas esgotadas bem no início das inscrições e isso nos mostra o quanto podemos fazer o trail nacional atingir todas as regiões do Brasil.

No último fim de semana estivemos presente no "Desafio Serra dos Matões" em Pedro II no Piauí, local de uma beleza incrível, uma serra com muita história, cultura e pessoas carismáticas e acolhedoras.

Sem "rasgar seda", vamos a análise do evento como um todo.

A organização presta um serviço de qualidade desde o momento pré-inscrição até o pós evento, isso fica nítido nas "Lives" feitas pela organização, as quais acompanhamos e notamos a preocupação do organizador, Luciano Ushôa, em passar o máximo de informações possíveis para os atletas. Todos os pontos são tratados e esclarecidos e o que percebi é que os atletas da prova participavam das "lives" ativamente, para uma prova que não passa de 250 atletas (limite da prova), haviam mais de 120 (média) pessoas online.

A retirada de kit foi feita na capital, Teresina na quinta-feira e também no condomínio "Serra dos Matões", bem próximo a arena da prova na sexta-feira. Esta forma de trabalhar muito me agrada pois dá oportunidade das pessoas pegarem seus kits com calma.

Devemos destacar o cumprimento dos protocolos estabelecidos para retirar os kits, todos atletas foram devidamente testados contra COVID 19 antes da retirada do kit e felizmente não houve nenhum caso reagente. Palmas e mais palmas para a organização.

O Congresso técnico foi feito na sexta-feira na parte da noite garantindo a informação ampla e sem aglomerações.

A presença de atletas de renome nacional como Sílvia Durigon e Carla Lugaresi abrilhantaram o evento pois aproxima atletas do nordeste e faz com que o nível competitivo fique ainda maior na prova.

O dia da prova

Arena dos 45km e 10km eram no mesmo local com muita estrutura e bem pensada, havia restaurante, locais protegidos do sol, somente poderíamos entrar e permanecer na arena com uso de máscaras e havia banheiros atender os atletas e convidados. O visual era o diferencial, uma vista panorâmica da Serra, realmente fascinante.

A prova tinha largada programada para 10h da manhã e assim partimos para os 45km na certeza de viver um dia feliz nas trilhas piauienses. Dividimos a prova em 3 partes, na primeira até o km 13 a prova foi muito técnica, muita descida com pedras, um verdadeiro teste de fogo para os tornozelos, a progressão era muito difícil e a corrida não era fácil mesmo para os mais experientes.

Apesar de não ser uma prova com muito ganho altimétrico em comparação com outras provas com a mesma distância, não se engane, a prova não será tão rápida quanto se espera... o nível técnico, no geral, a coloca, em nossa visão, entre as 5 mais técnicas do Brasil facilmente.

A passagem pelo "Apertado da hora", uma espécie de fenda na montanha me lembrou muito a famosa "Table Mountain" em Cape Town, África do Sul, claro que a subida não é tão grande, porém é muito mais técnica, teve trecho que tive que abraçar a pedra para me jogar para cima. Um momento que guardarei na memória por muito tempo.

Corremos pelo topo da montanha, bem próximo ao precipício, mas sem risco algum, somente o visual a perder de vista.

O posto de controle do Km 21 era a linha de chegada dos 21km e uma base para os 45km, creio que foi o ponto que salvou muitas pessoas, pelo menos eu fui salvo pela água geladinha, coca cola e um chuveiro para me refrescar do sol de 38º. A partir daí corremos muito, subimos muito e descemos bastante por trilhas variadas e por povoados como o do "Fundão" que hoje todos moradores foram retirados pois o acesso era muito difícil e inviável para atendimentos, por exemplo.

Os últimos kms da prova, após os 30km nós descemos toda a montanha e por volta do km 40 subimos para a chegada, uma subida menos inclinada, mais longa e que permitia, a quem ainda tinha perna, correr e fechar com chave de ouro.

Uma das marcas da prova é o trabalho cultural feito pela organização, são mais de 40 artistas no percurso mostrando a cultura piauiense, entretendo os atletas e os conectando com o local de uma forma fantástica e que nos impulsiona a continuar na trilha a espera da próxima atração. Neste quesito merece reverências, foi realmente fantástico ver tanto capricho e tantos artistas talentosos durante o percurso.

As premiações foram feitas assim que se completavam os pódios gerais e de categorias evitando aglomerações e dando agilidade ao evento.

Outro ponto que deve ser ressaltado é o número de fotógrafos estrategicamente espalhados no percurso para que o atleta tenha o registro deste momento tão singular de seu desafio e sua conquista.

Único ponto que pra mim não foi bom é o horário da largada, mas isso é uma coisa pessoal e que nada interferiu no andamento do evento e lembro que o calor que fez no dia é demasiado para mim, Valmir Lana, mas sei que isto é somente mais um ingrediente da prova e nunca irei reclamar ou fugir disso, afinal eu vivo o trail na sua amplitude e com o pacote completo, esse é o espírito.

Considerações finais

Um evento de primeira qualidade organizacional, com muita atenção aos protocolos de segurança, pontos de apoio suficientes para você fazer uma grande prova, muito carinho e cuidado com cada atleta, realmente um evento diferenciado e que vemos em cada atleta a satisfação de estar ali, de viver aquele momento, todos da organização trabalham felizes, me impressionou muito ver isso novamente, pois já tinha vivenciado isso em dezembro de 2020 no "Desafio Delta do Parnaíba" e sinto uma gratidão muito grande de ter feito parte novamente destes momentos.

Evento: Desafio Serra dos Matões
Distâncias: 45k, 21k e 10k
Local: Pedro II, Piauí
Organização: Luca Eventos.