Catas Altas Vertical

Por: Valmir Dias Lana Júnior

No último fim de semana (29, 30 e 31/07) foi realizado um evento marcante no cenário nacional, o Catas Altas Vertical, pela primeira vez a cidade recebe prova no seu cartão postal, o Pico Horizontes e o Pico Baianinho.

O evento tem a certificação da Skyrunning Brasil e contou com 2 (dois) quilômetros verticais (VK), uma distância de 21km e uma de 12km. No sábado foi dada largada para o VK do Horizontes, 4,8k com 1.100m de desnível positivo, enquanto 30 minutos antes foi dada largada para os 21km da SkyRace.

O VK do Horizontes faz parte do Circuito VK Open mundial e teve a vitória do campeão continental de VK, André Mapa, já no feminino a atleta, Linabel Iramaia, foi a grande campeã. O Percurso é considerado pelos próprios atletas como o mais técnico e difícil do Brasil por ser um terreno muito rochoso com lajes de pedra e muita exposição.

Com a vitória, a atleta, Linabel Iramaia, assegura sua segunda colocação no Mundial Open de VK e poderá ainda melhorar sua colocação com um bom resultado na grande final que acontece em Forno Grande na Insanity no mês de Outubro.

Já no percurso de 21km, os atletas enfrentaram a subida do Pico do Tamanduá, percorreram a crista da montanha até a base do Pico Horizontes e desceram por onde os atletas do VK do horizontes subiram para após cruzarem a linha de chegada. A prova se desenvolveu com belíssimas performances com destaque para o atleta, Hoslany Fernandes, que fechou a prova em, incríveis, 3h05min e pela atleta, Gleycilene Linhares com 4h49min.

O domingo foi marcado pelo VK do baianinho, um percurso de 3,5km com 1.200m de desnível positivo, neste VK o terreno é bem diferente do VK do Horizontes, marcado por muita terra e inclinação ainda maior que o VK do Horizontes.

A prova foi vencida mais uma vez por André Mapa e Linabel Iramaia, desta forma se tornaram, no somatório dos dois VK’s, os campeões da 1ª Copa Minas de VK.

Os resultados estão disponíveis no link abaixo:

Resultados: GPS Control – Cronometragem (gpscontrolcrono.com.br)


O evento em si foi um grande sucesso, em nossa análise levamos em conta a arena de largada, pontualidade, marcação, pontos de apoio, nível técnico das provas, segurança, premiação e pós prova.

A arena foi de tamanho muito bom, com espaço para crianças, recovery para atletas e acompanhantes com massagem, comida e bebida da melhor qualidade, fácil acesso e funcional entrega de kits.

Todas largadas que acompanhamos foram feitas dentro do horário previsto e isso é um ponto crucial para o bom desenvolvimento das provas.

A marcação foi muito eficiente, fitas com cores diferentes para cada percurso e sempre se destacando na vegetação local, não havia como errar o percurso, foi fácil e simples seguir todo trajeto, pontos de apoio em uma prova de pura montanha como essa é algo muito complicado, no percurso de 21km tivemos um ponto de apoio no km 9 e depois não tem a menor viabilidade de se fazer outro ponto de apoio, por isso foi divulgado o perfil autossuficiente da prova.

A prova é ESSENCIALMENTE de Skyrunning e o nível técnico é altíssimo como deve ser, nota 10 para os percursos de Catas Altas, um evento que deve fazer parte do calendário de todos que amam este esporte.

Um dos pontos mais altos da prova foi a segurança e competência do Time CAV (Catas Altas Vertical), o Time Alta Montanha foi formado por Montanhista, escaladores e corredores locais junto com dois integrantes do corpo de bombeiros de Minas Gerais, profissionais com domínio de resgate em áreas remotas deixaram o percurso seguro mesmo em áreas que são muito expostas e com grau muito elevado de dificuldade, haviam pontos de corda, pontos que foram colocados via ferrata (aquelas escadinhas de ferro que vemos em montanhas europeias). Havia ambulância na arena e muitos staffs ao longo de todo percurso dando segurança e sinalização fundamental para que nada acontecesse. E, graças a Deus, não houve nenhum acidente e todos voltaram felizes para suas casas.

Além disso tudo, os campeões (masc/fem) do VK do Horizontes ainda foram premiados com 200 euros ofertado pela “Aquino Mão e Microcirurgia”.

Para o pós prova, muita resenha, comida gostosa, recovery e uma cervejinha gelada.

Não houve nem sequer um ponto em que poderíamos dizer que não foi bom, simplesmente e naturalmente ótimo. Algo difícil de se ver e por isso deixamos nossos parabéns a todos responsáveis pelo belíssimo evento.


Catas Altas Vertical pode ser considerado um dos melhores eventos de skyrunning do Brasil sem dúvidas nenhuma. Tem tudo que todo amante do esporte gosta e com um dos visuais de alto de montanha mais impressionantes do Brasil.

Se ficou curioso, visite a página do evento (AQUI)


Empresas parceiras:
– Vale, Samarco e Sicoob.
– Prefeitura Municipal de Catas Altas e RPPN do Caraça.

 

Campeonato Sul-americano de SkyRunning

No último fim de semana aconteceu o 2º campeonato sul-americano de skyrunning no Brasil, o evento foi sediado pela Insanity Mestre Álvaro na cidade de Serra/ES e contou com as distâncias SkyRace (35km), SkyUltra (50km) e quilômetro vertical (5km – 1000m D+).

As seleções do Brasil, Peru, Equador, Chile e Bolívia fizeram grandes disputas em todas as modalidades, sendo que o Brasil, no fim, foi o grande campeão com 4 medalhas de ouro, 5 de prata e 4 de bronze, somando 13 medalhas.

O evento ainda contou com as distâncias abertas ao público de quilômetro vertical, 12, 21, 35 e 50km e o sucesso foi expressivo em todas modalidades. Em conversa com os participantes era nítida a satisfação com a marcação do percurso e dificuldade do terreno, a Insanity Mestre Álvaro é uma das mais difíceis e temidas provas do Brasil por ser altamente íngreme e técnica. Para se ter uma ideia, os 35km tem incríveis 3.300m de desnível positivo e os 50km tem inacreditáveis 4.500m de desnível positivo, algo único em se tratando de Brasil.

A arena da prova foi cuidadosamente planejada para dar aos atletas e acompanhantes muito conforto, espaço com mesas e cadeiras, guarda-volumes, área do atleta com fartura em comida e bebidas, café da manhã diferenciado, trabalho de mídia muito bem feito, internet e um ambiente muito favorável e propício para todos se alimentarem e apreciarem belíssimas disputas e chegadas alucinantes.

O clima de junho foi fator diferencial em relação aos últimos anos, na sexta-feira, dia do km vertical, o dia estava lindo, mas não foi quente, estava muito agradável. Já no sábado, principal dia do evento, fez um clima de montanha com bastante neblina e frio, o que propiciou grandes performances e emoções até o fim do dia.

Na disputa do km vertical, o Brasil estava muito bem representado e garantiu a Prata e o Bronze na disputa feminina com Maria Clara Hillmann e Mirlene Picin, sendo que o Chile foi medalha de ouro com a atleta Valéria Correa. Já no Masculino, André Mapa fez uma belíssima disputa e alcançou o bronze para nossa seleção, com dois peruanos nas duas primeiras posições, ouro para Jhoseph Mamani e a prata para Emerson Trujillo.

Com largada às 4h da manhã, os 50km da SkyUltra foram de muita paciência para os atletas, muitas horas na trilha e muito desnível acumulado, nosso fantasma (Cleverson Del Secchi) liderou grande parte da prova, mas o Peruano Emerson Trujillo, que já havia sido prata no km vertical, conquistou o ouro com o emocionado fantasma com a prata e para fechar o pódio de maneira brilhante, Felipe Silva, o mais versátil atleta brasileiro fez uma prova consistente e conquistou o bronze para nossa seleção. No feminino, brilho da atleta rio-grandense, Ivania Rambo, que venceu e garantiu a medalha de ouro, seguida pela peruana, Lorena Ricalde, que ficou com a medalha de prata e a brasileira, Mariana Scarpelli, que garantiu mais uma medalha para o Brasil, bronze.

Nos 35km da modalidade Sky, os brasileiros Sandro Arcanjo e André Mapa, ambos mineiros, confirmaram o favoritismo e fizeram dobradinha no sul-americano com ouro e prata respectivamente, para fechar o pódio o equatoriano, Christopher Guevara conquistou a medalha de bronze. No feminino assistimos mais um show da chilena, Valéria Correa, fechando a prova com o ouro, a brasileira, Francielle Kiekow, que liderou grande parte da prova ficou com a medalha de prata e em uma disputa por centímetros a equatoriana, Nancy martinez ficou com a medalha de bronze.

Houve também a premiação para o combinado das distancias km vertical e sky e André Mapa levou a medalha de ouro, o peruano, Jhoseph Mamani com a prata e o também peruano, Marcos Salinas, fechou com o bronze. No feminino a atleta chilena, Valéria Correa, recebeu sua terceira medalha dourada, a prata ficou com a brasileira Maria Clara Hillmann e o bronze com a peruana, Lucy Mejia.

O sucesso do evento foi muito notório e nós da Revista Trail Running saudamos todas as seleções e especialmente toda delegação brasileira que mais uma vez executaram um grande trabalho, não somente nas trilhas, mas todo o trabalho pela Skyrunning Brasil ao longo dos anos. Estamos no caminho certo.


Resultados da corrida

VERTICAL

Men

Gold – Jhosep Mamani Palomino (PER) 52’07”

Silver – Emerson Robert Trujillo Flores (PER) 53’35”

Bronze – André Luiz Mapa (BRA) 54’28”

Women

Gold – Valeria Correa (CHI) 1h01’31”

Silver – Maria Clara Ruschell Hillmann (BRA) 1h04’43”

Bronze – Mirlene Picin (BRA) 1h05’17”

SKY

Men

Gold – Sandro Arcanjo (BRA) 6h13’44”

Silver – André Luiz Mapa (BRA) 6h20’16”

Bronze – Christopher Guevara (ECU) 6h37’47”

Women

Gold – Valeria Correa (CHI) 7h04’59”

Silver – Francieli Kiekow (BRA) 7h09’00”

Bronze – Nancy Martinez (ECU) 7h32’56”

SKYULTRA

Men

Gold – Emerson Trujillo Flores (PER) 8h50’25”

Silver – Cleverson Del Secchi (BRA) 8h55’57”

Bronze – Felipe Costa (BRA) 9h14’06”

Women

Gold – Ivania Rambo (BRA) 10h03’16”

Silver – Lorena Ricalde (PER) 10h43’52”

Bronze – Mariana Pipolo Scarpelli (BRA) 11h30’18”

COMBINED

Men

Gold – André Luiz Mapa (BRA)

Silver – Jhosep Mamani Palomino (PER)

Bronze – Marcos Salinas (PER)

Women

Gold – Valeria Correa (CHI)

Silver – Maria Clara Ruschell Hillmann (BRA)

Bronze – Lucy Mejia (PER)


Medal count

VERTICAL results

SKY results

SKYULTRA results

Zegama de novos recordes

Os bascos esperaram dois anos pela Zegama – a corrida mais famosa do mundo – e voltou neste domingo, 29 de maio, com uma formação de sonho masculino e feminino. Sol, condições secas e temperaturas amenas, tudo se encaixou para a corrida perfeita, e com 30.000 espectadores ao longo da subida Sancti Spiritu, todos os corredores estavam ansiosos!

Kilian, para vencer pela 10ª vez.

@jsaragossa

Nove vezes vencedor em Zegama, Kilian Jornet (Team Nnormal, Espanha) chegou ao País Basco com o desejo de arrancar com um décimo sucesso. A impressionante formação na linha de partida não o incomodou em nada, pois ele assumiu o controle da corrida, aumentando gradualmente a diferença no antigo recorde de Stian Angermund.

Apenas Davide Magnini (Team Salomon, Itália) conseguiu acompanhá-lo até ser deixado para trás na descida final. "Foi uma grande corrida, hoje o ambiente estava espetacular, com um clima incrível, confidenciou Kilian Jornet na linha de chegada. Faz 16 anos que vim aqui pela primeira vez e voltar e ver os organizadores e espectadores foi o maior vitória para mim. Esta décima vitória também prova que continuei a melhorar e que o meu nível não diminuiu, é nisso que estou mais interessado! Também mostra que ainda posso enfrentar os jovens." Ele diz rindo.

Para Davide Magnini, este segundo lugar é como uma vitória "Eu estava me sentindo em forma após a temporada de esqui, mas, no entanto, ficar em segundo lugar atrás de Kilian com este tempo é incrível. Em nenhum momento pensei que poderia vencê-lo, ele é muito forte, especialmente na descida, mas eu gosto muito de fazer essa subida com ele e compartilhar com os espectadores."

Manuel Merillas (Team Scarpa, Espanha) completa o pódio masculino. Depois de sair cautelosamente, ele alcançou a seção técnica e a descida. "Estou muito satisfeito com este resultado. Zegama não é um formato que me caia muito bem com a sua primeira secção muito rápida, onde fiquei feliz por manter o foco e correr. Depois, na secção técnica e na descida pude realmente deixar solto, e comecei a pegar e ultrapassar. No final, quando vejo meu tempo, fazer 3h45 no Zegama é uma loucura!"

Nienke, a nova rainha de Zegama

@jsaragossa

No lado feminino, esperávamos um duelo, ou mesmo uma luta a três, entre Nienke Brinkman (Team Nike Trail, Holanda), Maude Mathys (Team Salomon, Suíça) e Sara Alonso (Team Salomon, Espanha). Isso aconteceu, mesmo que a Holandesa Voadora rapidamente assumisse o controle da corrida e nunca mais olhasse para trás. Pela primeira vez em Zegama, Nienke Brinkman não apenas derrotou Maude Mathys, mas, mais importante, bateu o recorde da corrida feminina.

"Estou muito feliz, mesmo estando totalmente exausta. Não queria ir muito duro nas subidas, mas achei que a segunda mulher estava muito perto, então dei força mesmo nos últimos quilômetros, não quero perder o ritmo. Esta corrida é simplesmente incrível. Os espectadores gritam tão alto que você ainda os ouve em seus ouvidos quando sai desta escalada. Se eu for realmente honesta, não esperava vencer, dei tudo de mim desde o início porque sabia que combinava com o meu perfil e me sentia muito bem, mas estava menos preparada para as subidas. Eu vinha treinando para isso nas últimas semanas, mas tinha feito tanto treino de maratona de estrada que eu não tinha ideia do que aconteceria.

A Marathon du Mont-Blanc está se aproximando e é ótimo para mim porque é uma longa distância e isso me serve perfeitamente. Esse resultado definitivamente me dará confiança e, acima de tudo, um pouco menos pressão para as outras corridas porque quero muito ir para a Madeira e não podia perder esta primeira corrida."

Maude Mathys coloca seu segundo lugar em perspectiva. "Eu vim aqui com poucos quilômetros de treino nas pernas por causa de uma lesão no tendão. Até o km 25 estava tudo bem, e depois foi muito mais difícil. Eu sofri muito e meu tendão estava doendo na descida. No final das contas, estou feliz com este resultado e é ótimo para o nosso esporte ter mulheres de alto nível."

A basca, Sara Alonso, estava eufórica quando cruzou a linha em terceiro lugar. "Era o que eu sonhava e se tornou realidade! O público me carregou gritando meu nome durante toda a corrida. Eu vi minha família várias vezes também e isso me motivou muito. Estava muito animada para começar a temporada porque eu estava me sentindo muito bem. Começou de forma brilhante e estou tranquila porque agora sei que esta pode ser uma grande temporada. Eu estava planejando minha vingança por El Hierro, e agora está consumada!"


Depois desta primeira corrida da temporada, no dia 26 de junho o Golden Trail World Series vai para Chamonix (França) para a Maratona do Mont-Blanc. Esta é outra oportunidade para alguns corredores ganharem pontos e para outros iniciarem suas séries.

Resultados

Homens

1 – KILIAN JORNET (ESP – NNORMAL): 03:36:40 (+200 pts)

2 – DAVIDE MAGNINI (ITA – SALOMON): 03:39:31 (+176 pts)

3 – MANUEL MERILLAS (ESP –SCARPA): 03:45:43 (+156 pts)

4 – ELHOUSINE ELAZZAOUI (MAR – PINI MOUNTAIN RACING): 03:47:53 (+144 pts)

5 – ROBERT PKEMBOI MATAYANGO (KEN – SKY RUNNERS KENYA): 03:48:35 (+136 pts)

Mulheres

1 – NIENKE BRINKMAN (NLD – NIKE TRAIL): 04:16:43 (+200 pts)

2 – MAUDE MATHYS (CHE – SALOMON): 04:26:03 (+ 176 pts)

3 – SARA ALONSO (ESP – SALOMON): 04:26:40 (+ 156 pts)

4 – PATRICIA PINEDA CORNEJO (ESP – LA SPORTIVA): 04:36:31 (+144 pts)

5 – FABIOLA CONTI (ITA – SALOMON): 04:36:43 (+136 pts)

 

Confira todos os rankings da Zegama 2022 aqui:
https://www.kronoak.com/live/2022/zegamaaizkorri/

Confira o ranking geral da Golden Trail World Series:

https://goldentrailseries.com/series/gtws.htm


A Golden Trail World Series destaca-se como o mais impressionante espetáculo de trail running do mundo! Este circuito acontece nas corridas de trilha mais bonitas do mundo, respeitando valores únicos como paridade, equidade, transparência e honestidade. As corridas foram escolhidas para destacar os eventos mais emblemáticos deste esporte hoje. A Série visa promover os corredores de trilha profissionais como os atletas de classe mundial que eles são, para mostrar e proteger a natureza e os ambientes inspiradores onde jogamos e competimos, e reconhecer os fãs incríveis e apaixonados como um ingrediente essencial no esporte. . Cada uma das seis corridas da Série foi selecionada especificamente por causa do cenário, desafios, história e atmosfera que oferecem aos corredores e ao público. Estas são as corridas que todo corredor quer experimentar e algumas das primeiras escritas na lista de desejos de qualquer corredor.

Brasil no VK OPEN Championship da ISF

Brasil no VK Open

Por: Valmir Lana Jr

Pela primeira vez na história o Brasil participa do campeonato mundial de VK (quilometro vertical). O Km Vertical como é conhecido no Brasil teve sua primeira prova homologada pela Skyrunning Brasil no evento “Horizontes SkyRace” em Catas Altas, Minas Gerais, mas a etapa mundial 2022 certificada pela ISF será na “Insanity Mestre Álvaro” com 4,8km e 1.014m de desnível positivo.

O Evento já é reconhecidamente como uma das provas mais Sky do Brasil e agora comprova todo seu potencial com uma legítima prova de VK. Este é um marco para o cenário Skyrunning Nacional e estaremos lá para conferir e trazer para o público da Revista Trail Running tudo que acontecer nas trilhas capichabas.

Segue abaixo uma tradução do anúncio feito pela própria ISF em seu site (https://www.skyrunning.com/like-the-vertical-the-vk-open-championship-is-back/)

Link para o instagram da Insanity (CLIQUE AQUI)


Yuri-Yoshizumi.-Santana-Vertical-Kilometer®.-©Alexander-Vasev

Yuri-Yoshizumi.-Santana-Vertical-Kilometer®.-©Alexander-Vasev

Seja bem-vindo ao VK OPEN Championship, lançado pela ISF no ano passado para destacar o antigo Vertical Kilometer® e altamente popular – para quem gosta de “rápido e íngreme”.

O Campeonato VK OPEN 2022 conta com oito provas em sete países, mais a “Grand Finale” – este ano se estendendo até o Brasil e o Chile, onde pela primeira vez acontece o VK. Na Europa, Montenegro junta-se aos campeonatos com Portugal, Espanha, Bulgária e Itália, reconfirmando a participação do ano passado.

A Grande Final será novamente realizada em Limone, Itália, nas margens espetaculares do Lago de Garda, com o Grèste de la Mughera VK, onde prêmios em dinheiro serão concedidos aos líderes masc/fem do ranking, juntamente com os títulos VK OPEN Champion.

Elousine-Elazzaoui_Italy_Limone-2021.©RobertoDePellegrin

Elousine-Elazzaoui_Italy_Limone-2021.©RobertoDePellegrin

Especialistas verticais de todo o mundo competirão pelos títulos, que no ano passado foram para o japonês Yuri Yoshizumi e o suíço Roberto Delorenzi, medalhista de bronze no Campeonato Mundial Skyrunning 2020.

Todas as corridas têm duas coisas em comum: o ISF Certified Course Label e os parâmetros que se enquadram no Vertical Kilometer®, a disciplina ISF VERTICAL: subida vertical de 1.000m em cinco quilômetros de distância. O único caminho é para cima!

Como o nome sugere, o VK OPEN é aberto a todos os atletas. Como o presidente da ISF, Marino Giacometti afirma:

“O VK é curto e doce, mas o esforço é enorme e a competição é dura – é por isso que todos adoram! Estamos ansiosos para receber especialistas em VK de todo o mundo, desta vez incluindo a América do Sul, onde a disciplina acaba de decolar.”

O *ranking é baseado em duas corridas mais a final. Todas as corridas concederão pontos até a 20ª posição, enquanto a Grand Finale concederá pontos em dobro até a 40ª posição.

Montenegro_Prokletije.-©Marko-Nikolic

Montenegro_Prokletije.-©Marko-Nikolic


Calendário do Campeonato VK OPEN 2022

5 de março – KM Vertical de Câmara de Lobos, Portugal – 3,3 km / 1.000m+
15 de abril – Insanity Mestre Alvaro VK, Brasil – 4,8 km / 1.014m+
24 de abril – Mahuida Vertical Kilometer®, Chile – 4,5 km / 1.050m+
27 de maio – Santana Vertical Kilometer®, Portugal – 4,8 km / 1.003m+
2 de junho – Orobie Vertical, Itália – 4 km / 1.000m+
4 de junho – Parangalitsa VK, Bulgária – 4,7 km / 960m+
3 de julho – KV Sierra Nevada, Espanha – 4,7 km / 1.050m+
14 de agosto – Prokletije Vertical Kilometer®, Montenegro – 3,5 km / 1.100m+
15 de outubro – Grèste de la Mughéra Vertical Kilometer® – GRAND FINALE, Itália – 4 km / 1.094m+


*Classificação
Provas com largada em massa podem ter apenas um vencedor. Eventuais empates podem ser quebrados com base em uma imagem técnica ou outro sistema de controle. Caso nenhuma das opções anteriores seja resolvida, a decisão final será tomada pelo júri.
As corridas que cronometrarem cada corredor ou que tenham uma partida individual podem ter um empate.
Todos os vencedores da corrida receberão entrada e acomodação gratuitas na final.
Em caso de empate, o melhor resultado na final será considerado para o prêmio em dinheiro.

Regulamento da Super Copa Trail 2021 – by Revista Trail Running

Regulamento Super Copa Trail

A “Super Copa Trail” será realizada em território Nacional nas modalidades Assessoria/Treinador, Grupos de Atletas, Equipe de Performance e Individual. As disputas serão definidas por livre competição com ranking Nacional e Regional, adulto e juvenil, tanto para atletas do sexo masculino quanto feminino.

1.Rankings:

Art. 1º: Haverá somente um ranking para todas as distâncias, onde a disputa seguirá as seguintes regras:

Parágrafo 1. Haverão quatro rankings nacionais, por equipes de performance, assessorias/treinador, grupos de atletas e individual, sendo que o individual se dividirá em Adulto e Juvenil e em cada um serão premiados atletas masculinos e femininos.

Parágrafo 2. Os Rankings Nacionais serão os principais e deles serão extraídos os todos os outros resultados de ranking.

Parágrafo 3. Haverão, ainda, os rankings Regionais, equipes de performance, assessorias/treinador, grupos de atletas e individual, sendo que o individual se dividirá em Adulto e Juvenil e em cada um serão premiados atletas masculinos e femininos.

Parágrafo 4. As equipes de performance, assessorias/treinador, grupos de atletas e atletas individuais poderão se cadastrar na Super Copa Trail a qualquer tempo, sendo certo que sua pontuação, bem como sua classificação no ranking somente será válida após o pagamento da taxa anual de filiação pertinente dos atletas.

Parágrafo 5. Os atletas deverão efetuar o pagamento da taxa até o último dia do mês de novembro de 2021 para que seus resultados anteriores ao pagamento sejam validados, após esta data, os atletas que efetuarem o pagamento somente terão os resultados válidos e aplicados no ranking a partir da data do pagamento da taxa.

1.1 Ranking – Assessorias e treinadores

Art. 2º: Toda assessoria e treinadores poderão se habilitar para a Super Copa Trail preenchendo o formulário constante no site da Revista Trail Running (https://www.rtrailrunning.com.br/cadastro-assessorias/).

Parágrafo 1. Qualquer Assessoria/treinador poderá se cadastrar desde que tenha no mínimo 2 atletas habilitados no site da Revista Trail Running. As Assessoria/treinador não terão limite de atletas.

Parágrafo 2. Todo atleta, para se habilitar na Super Copa Trail Trail, deverá se cadastrar e pagar a taxa anual de filiação, ou se tornar assinante da Revista Trail Running.

Parágrafo 3. Toda equipe habilitada formalmente na Super Copa Trail terá um cupom¹ exclusivo para que seus atletas possam se tornar ASSINANTES da Revista Trail Running.

Parágrafo 4. Os atletas somente poderão correr por uma Assessoria/treinador durante o ano, sendo que a janela para mudança de Assessoria/treinador se dará entre os dias 16/12 a 16/01 de cada ano.

Parágrafo 5. O atleta que sair de uma Assessoria/treinador no decorrer do ano desfalcará sua Assessoria/treinador e não poderá somar pontos para uma nova Assessoria/treinador, seus resultados e pontos somente valerão para a premiação individual, equipe de performance e/ou para seu e para sua Assessoria/treinador caso permaneça nele.

Nota 1: O cupom somente será válido para nova ASSINATURA, não será válido para o atleta que quiser pagar somente a taxa anual de filiação.

Art. 3º: A classificação do Ranking por Assessoria/treinador NACIONAL será obtida através da pontuação dos atletas de cada Assessoria/treinador (masculino/feminino) independente da distância, ressalvado o peso de cada faixa de distância.

Art. 4º: A classificação do Ranking por Assessoria/treinador REGIONAL será obtida através da pontuação dos atletas de cada Assessoria/treinador (masculino/feminino) independente da distância, ressalvado o peso de cada faixa de distância.

Parágrafo único: Sendo certo que as Assessoria/treinador poderão competir e somar pontos em provas em todas as regiões do Brasil, entretanto, o ranking Regional será somente entre Assessoria/treinador da região onde a assessoria tem sede.

Ex. Assessoria/treinador da Região Norte competem no ranking da Região Norte, enquanto Assessoria/treinador da Região Sudeste competem com Assessorias/treinadores da Região Sudeste.

Art. 5º: Serão premiadas as 10 (dez) melhores Assessoria/treinador do Ranking Nacional.

Art. 6º Serão premiadas 3 (três) Assessoria/treinador do Ranking Regional.

OBS. Será disponibilizado VIRTUALMENTE as 10 (dez) melhores Assessorias/Treinadores de cada Estado, entretanto, não haverá premiação presencial.

1.2 Ranking – Grupos de Atletas

Art. 7º: Todo Grupo de Atleta poderá se habilitar para a Super Copa Trail preenchendo o formulário constante no site da Revista Trail Running (www.rtrailrunning.com.br).

Parágrafo 1. Qualquer Grupo de Atleta poderá se cadastrar desde que tenha no mínimo 2 atletas habilitados no site da Revista Trail Running. Os Grupos de Atletas não terão limite de atletas.

Parágrafo 2. Todo atleta, para se habilitar na Super Copa Trail Trail, deverá se cadastrar e pagar a taxa anual de filiação, ou se tornar assinante da Revista Trail Running.

Parágrafo 3. Todo Grupo de Atleta habilitado formalmente na Super Copa Trail terá um cupom¹ exclusivo para que seus atletas possam se tornar ASSINANTES da Revista Trail Running.

Parágrafo 4. Os atletas somente poderão correr por um “Grupo de Atleta” durante o ano, sendo que a janela para mudança de Equipe se dará entre os dias 16/12 a 16/01 de cada ano.

Parágrafo 5. O atleta que sair de um Grupo de Atleta no decorrer do ano desfalcará seu Grupo de Atleta e não poderá somar pontos para uma novo Grupo de Atleta, seus resultados e pontos somente valerão para a premiação individual, equipe de performance e/ou para sua Assessoria/treinador caso permaneça nela.

Nota 1: O cupom somente será válido para nova ASSINATURA, não será válido para o atleta que quiser pagar somente a taxa anual de filiação.

Nota 2: O atleta somente precisará pagar a taxa de filiação uma única vez para participar de todos os rankings da Super Copa, exceto o ranking exclusivo para assinantes da Revista Trail Running.

Art. 8º: A classificação do Ranking por Grupo de Atleta NACIONAL será obtida através da pontuação dos atletas de cada Grupo de Atleta (masculino/feminino) independente da distância, ressalvado o peso de cada faixa de distância.

Art. 9º: A classificação do Ranking por Grupo de Atleta REGIONAL será obtida através da pontuação dos atletas de cada Grupo de Atleta (masculino/feminino) independente da distância, ressalvado o peso de cada faixa de distância.

Parágrafo único: Sendo certo que os Grupos de Atletas poderão competir e somar pontos em provas em todas as regiões do Brasil, entretanto, o ranking Regional será somente entre Grupos de Atletas da região específica.

Ex. Grupos de Atletas da Região Norte competem no ranking da Região Norte, enquanto Grupos de Atletas da Região Sudeste competem com Grupos de Atletas da Região Sudeste.

Art. 10º: Serão premiados os 10 (dez) melhores Grupos de Atletas do Ranking Nacional.

Art. 11º Serão premiados os 3 (três) Grupos de Atleta do Ranking Regional.

OBS. Será disponibilizado VIRTUALMENTE os 10 (dez) melhores Grupos de Atletas de cada Estado, entretanto, não haverá premiação presencial.

1.3 Ranking – Equipes Performance

Art. 12º: Toda equipe poderá se habilitar para a Super Copa Trail preenchendo o formulário constante no site da Revista Trail Running (https://www.rtrailrunning.com.br/cadastro-equipes/).

Parágrafo 1. Qualquer Equipe poderá se cadastrar desde que tenha no mínimo 2 atletas habilitados no site da Revista Trail Running.

As Equipes terão limite máximo de 10 atletas, entre homens e mulheres.

Parágrafo 2. Todo atleta, para se habilitar na Super Copa Trail Trail, deverá se cadastrar e pagar a taxa anual de filiação, ou se tornar assinante da Revista Trail Running.

Parágrafo 3. Toda equipe habilitada formalmente na Super Copa Trail terá um cupom¹ exclusivo para que seus atletas possam se tornar ASSINANTES da Revista Trail Running.

Parágrafo 4. Os atletas somente poderão correr por uma Equipe durante o ano, sendo que a janela para mudança de Equipe se dará entre os dias 16/12 a 6/01 de cada ano.

Parágrafo 5. O atleta que sair de uma Equipe no decorrer do ano desfalcará sua equipe e não poderá somar pontos para uma nova Equipe, seus resultados e pontos somente valerão para a premiação individual e para sua Assessoria/treinador caso permaneça nela.

Nota 1: O cupom somente será válido para nova ASSINATURA, não será válido para o atleta que quiser pagar somente a taxa anual de filiação.

Nota 2: O atleta somente precisará pagar a taxa de filiação uma única vez para participar de todos os rankings da Super Copa, exceto o ranking exclusivo para assinantes da Revista Trail Running.

Art. 13º: A classificação do Ranking por equipes de performance NACIONAL será obtida através da pontuação dos atletas de cada Equipe de performance (masculino/feminino) independente da distância, ressalvado o peso de cada faixa de distância.

Art. 14º: A classificação do Ranking por Equipe de performance REGIONAL será obtida através da pontuação dos atletas de cada equipe (masculino/feminino) independente da distância, ressalvado o peso de cada faixa de distância.

Parágrafo único: Sendo certo que as Equipes de performance poderão competir e somar pontos em provas em todas as regiões do Brasil, entretanto, o ranking Regional será somente entre Equipes de performance da região específica.

Ex. Equipes da Região Norte competem no ranking da Região Norte, enquanto Equipes da Região Sudeste competem com Equipes da Região Sudeste.

Art. 15º: Serão premiadas as 5 (cinco) melhores Equipes do Ranking Nacional.

Art. 16º Será premiada 1 (uma) Equipe do Ranking Regional.

OBS. Será disponibilizado VIRTUALMENTE as 10 (cinco) melhores Equipes de Performance de cada Estado, entretanto, não haverá premiação presencial.

1.3 Ranking EXCLUSIVO ASSINANTES DA REVISTA TRAIL RUNNING

Art. 17º: Haverá um ranking exclusivo para assinantes da Revista Trail Running com premiação dos 10 melhores atletas masculinos e femininos a nível nacional e dos 5 melhores atletas masculinos e femininos em cada região do Brasil.

Parágrafo 1. Para participar do Ranking EXCLUSIVO DE ASSINANTES DA REVISTA TRAIL RUNNING Os atletas deverão efetuar o pagamento da ASSINATURA até o último dia do mês de NOVEMBRO de 2021 para que seus resultados anteriores ao pagamento sejam validados, após esta data, os atletas que efetuarem o pagamento somente terão os resultados válidos e aplicados no ranking a partir da data do pagamento da taxa.

1.4 Ranking – Individual

Art. 18º: Todo atleta para se habilitar na Super Copa Trail deverá se cadastrar e pagar a taxa anual de filiação, ou se tornar assinante da Revista Trail Running.

Parágrafo único: Pessoas que já sejam assinantes da Revista Trail Running, antes do lançamento da Super Copa Trail estarão, automaticamente, habilitas para as disputas, entretanto, caso a pessoa queira integrar alguma assessoria/treinador, Grupo de Atleta ou Equipe de Performance, ela deverá entrar em contato com a Revista Trail Running pelo email ([email protected]) e solicitar a inclusão da assessoria/treinador, Grupo de Atleta e Equipe de Performance em seu cadastro.

Art. 19º: A classificação do Ranking individual NACIONAL será obtida através da pontuação nas provas da Super Copa independente da distância, ressalvado o peso de cada faixa de distância.

Art. 20º: A classificação do Ranking individual REGIONAL será obtida através da pontuação nas provas da Super Copa, independente da distância, ressalvado o peso de cada faixa de distância.

Art. 21º: A classificação será dividida por sexo, masculino e feminino.

Art. 22º: Serão premiados os 10 melhores atletas Nacionais masculinos e femininos.

Art. 23º: Serão premiados os 5 (cinco) melhores atletas de cada região do Brasil (masc/fem).

OBS. Será disponibilizado VIRTUALMENTE os 10 (dez) melhores Atletas (masc/fem) de cada Estado, entretanto, não haverá premiação presencial.

Parágrafo 1: Serão premiados, ainda, os 3 melhores atletas masculinos e femininos de cada categoria de idade no Ranking Nacional.

Parágrafo 2: CATEGORIAS DE IDADE

  • 1- Menores de 23 anos (juvenil) – Categoria à parte;
  • 2- 24 a 35 anos;
  • 3- 36 a 45 anos;
  • 4- 46 a 55 anos;
  • 5- 56 a 65 anos;
  • 6- acima de 65 anos.

Art. 24º: Haverá premiação dos 3 melhores atletas de cada Região do Brasil masculino e feminino.

Art. 25º: Haverá classificação específica para atletas juvenis.

Parágrafo único. Considera-se juvenil o atleta masculino e feminino menor de 23 anos até a data da última competição da Super Copa.

Art. 26º: Serão premiados os 5 primeiros atletas juvenis Nacionais masculinos e femininos.

Art. 27º Haverá premiação do melhor atleta juvenil de cada Região do Brasil masculino e feminino.

OBS. Será disponibilizado VIRTUALMENTE os 5 (cinco) melhores Atletas Juvenis de cada Estado, entretanto, não haverá premiação presencial.

  1. Competições duplas, trios e quartetos.

Art. 28º: As competições que tiverem disputas com duplas ou mais pessoas, estes pontuaram para suas assessorias e equipes normalmente desde que os atletas participantes sejam da mesma equipe ou assessoria. Caso os atletas sejam de equipes ou assessorias diferentes, não serão creditados pontos para nenhuma das assessorias grupos ou equipes.

Art. 29º: Os atletas que competirem em duplas ou maior número de atletas pontuarão normalmente no ranking individual, desde que TODOS tenham feito o percurso inteiro, caso seja em revezamento, os atletas pontuarão com o peso das faixas de distâncias correspondente a distância executada.

3.Pontuação e pesos das faixas de distâncias.

3.1. Pontuação:

Art. 30º: A Super Copa Trail “by” Revista Trail Running distribuirá pontos para todos atletas FINISHERS em todas as provas da Super Copa (masc/fem) como segue:

1º = 50 pontos;
2º = 45 pontos;
3º = 40 pontos;
4º = 35 pontos;
5º = 30 pontos;
6º = 25 pontos;
7º = 20 pontos;
8º = 18 pontos;
9º = 16 pontos;
10º = 14 pontos;
11º = 12 pontos;
12º = 10 pontos;
13º = 8 pontos;
14º = 7 pontos;
15º = 6 pontos;
16º = 5 pontos;
17º = 4 pontos;
18º = 3 pontos;
19 = 2 pontos;
20º em diante = 1 ponto.

3.2 Pesos por faixas de distâncias.

Art. 31º: As distâncias das provas terão diferentes pesos para cada faixa de distâncias.

Parágrafo 1: O intuito em adotarmos o sistema de pesos é pelo fato de um atleta que corre distâncias menores ter condições de participar de um número de provas muito maior que um atleta que corre uma distância mais larga como 100km ou 160km. Enquanto um atleta de 10km ou 21km poderia correr praticamente todo fim de semana, um atleta que corre uma prova de 160km correrá no máximo 4 provas no ano.

Art. 32º: Os pontos conquistados por cada atleta em sua classificação serão multiplicados pelo valor do peso de sua faixa de distância e este será o valor que constará em todos os rankings, seja por equipes ou individual.

    • Até 21km – peso 1;
    • Entre 22km até 49km – peso 2;
    • Entre 50km até 99km – peso 3;
    • Acima de 100km – peso 4.

Parágrafo 1: Não será considerado para efeito de “peso por faixa de distância” o quilômetro/esforço – que é o cálculo feito entre a relação distância e ganho/perda de altimetria.

Parágrafo 2: A distância a ser considerada para efeito e aplicação dos “pesos por faixa de distância” será o divulgado oficialmente pela organização da prova, sendo descartado qualquer prova em contrário oferecida por um ou mais atletas, mesmo que por associações, grupos de atletas ou assessorias esportivas.

  1. Organizadores e eventos da Super Copa 2021

Art. 33º: Os eventos participantes da Super Copa Trail serão aqueles realizados por organizadores registrados previamente e que obedeçam a seleção em qualidade organizacional, percursos e estrutura.

Art. 34º: Fazem parte da Super Copa Trail as seguintes organizações: (SUJEITO A MUDANÇAS)

  • Ultra do Céu
  • KTR (Kailash Trail Run)
  • La Misión Brasil
  • WTR (Serra do Mar e Arraial do Cabo)
  • Camelbak Mountain Race
  • Indomit (Mantiqueira, Pedra do Baú, Serra da Mantiqueira)
  • XC Run (Búzios e Itaipava)
  • Desafio das Serras (Brasil, Ultra)
  • Circuito das Serras
  • UT Eventos (Jaraguá SkyMarathon, Extreme Winter, Odisseia Ultra e Rota das Águas)
  • Ultramaratona dos Perdidos
  • Xtreme Run Gramado
  • Evolution
  • Pedra grande Ultra Trail
  • Mountain Do (Costão do Santinho, Lagoa da Conceição, Fernando de Noronha)
  • Run Brasil Ride
  • Insanity (Mestre Álvaro, Buenos Aires, Polenta Off Road, Venda Nova)
  • Mons Ultra Trail
  • Ladeiras da Penha
  • Xterra Brasil (Estrada Real, Costa Verde e Búzios)
  • UltraMacho (Senta a Púa, Vale das Águas, Águas do Cerrado, Toroari e Rondonópolis)
  • Desafio das Serras Off Road (Monte das Gameleiras, Bananeiras, Bonito e Fernando de Noronha)
  • Desafio Serra dos Matões
  • To Goal (Circuito trilha e praia (4 etapas), Desafio espírito do guerreiro da selva, Viva+ Trail Run e Ultra Trail Amazônica)
  • Desafio Delta do Parnaíba
  • Desafio Raiz Tapera
  • Beach Run
  • Gantuá (Gantuá e Ultra Trail Chapada Diamantina)
  • Forrest Run
  • Desafio Serra da Bodoquena
  • Bocaina Park Trail
  • Horizontes SkyRace
  • Desafio Loucos por Trail

Art. 35º: As datas e regulamentos são de encargo de cada evento.

Art. 36º: Assinantes da Revista Trail Running têm descontos exclusivos em todas etapas de quaisquer eventos acima citados, basta, para tanto, requisitar seu cupom no site da própria Revista Trail Running no endereço (www.rtrailrunning.com.br/eventos).

  1. Do Vale Dourado.

Art. 37: Os campeões gerais (masc/fem) de percursos acima de 30km em qualquer prova da Super Copa Trail terão o “Vale Dourado”.

Parágrafo único: O “Vale Dourado” é o direito imediato a uma vaga na Cambotas Marathon, independente de classificação nos Rankings da Super Copa Trail, a se realizar entre os dias 15 e 18 de dezembro de 2021.

Ex. Na “Mons Ultra Trail”: as distâncias de 55k, 85k e 104k darão vagas para os campeões (masc/fem).

Ex 2: A “Insanity Mestre Álvaro” 30k dá vaga para os campeões (masc/fem).

  1. Cambotas Marathon

Art. 38: O Evento Cambotas Marathon será realizado na cidade de Barão dos Cocais, em Minas Gerais, entre os dias 15 e 18 de dezembro de 2021. Trata-se de um percurso único de 45km com características de Montanha, o terreno por ser muito técnico e por ter uma relação distância/ganho de elevação muito acentuado se apresentará como uma chave de ouro da Super Copa Trail.

Parágrafo único: Para os atletas juvenis haverá o percurso de 21km onde somente estes poderão competir.

6.1 Como participar

Art. 39. As 25 melhores Assessorias/Treinadores da Super Copa Trail estarão classificadas e cada Assessorias/Treinadores terá direito a inscrever 3 (três) atletas masculinos e 3 (três) atletas femininos, desde que tenham participado da Super Copa Trail e não tenham corrido por outra Assessorias/Treinadores no ano vigente.

Art. 40. Os 25 melhores Grupos de Atletas da Super Copa Trail estarão classificadas e cada Grupo de Atleta terá direito a inscrever 3 (três) atletas masculinos e 3 (três) atletas femininos, desde que tenham participado da Super Copa Trail e não tenham corrido por outro Grupo de Atleta no ano vigente.

Art 41. As 25 melhores Equipes de Performance da Super Copa Trail estarão classificadas e cada Equipe terá direito a inscrever 3 (três) atletas masculinos e 3 (três) atletas femininos, desde que tenham participado da Super Copa Trail e não tenham corrido por outra Equipe no ano vigente.

Parágrafo 1º: Não será necessário que os atletas sejam os maiores pontuantes da Assessorias/Treinadores ou Equipes, eles poderão ser selecionados de acordo com os critérios de cada Assessoria/treinador ou Equipe.

Parágrafo 2º: Caso algum atleta da equipe de performance inscrito na Cambotas Marathon não possa comparecer, o chefe da equipe deverá indicar substituto até o último dia de novembro de 2021, o atleta indicado deverá estar inscrito na Super Copa Trail, mas não necessariamente precisa fazer parte da equipe de competição. Caso o substituto não faça parte da equipe de performance, seus pontos, em hipótese nenhuma, serão contados para a equipe, ele meramente poderá competir a Cambotas Marathon no lugar do atleta indicado inicialmente pela equipe de performance.

Art. 42. Com o intuito de ampliar a participação de atletas juvenis, será admitida a inscrição e participação de atletas que não tenham participado da Super Copa Trail.

Art. 43. O atleta juvenil que se classificar no ranking adulto poderá abrir mão de participar da prova juvenil e competir na prova adulto desde que seja maior de idade no sentido legal. Esta decisão deverá ser comunicada a organização com no mínimo 30 dias de antecedência.

Art. 44. Os 50 primeiros atletas da classificação geral (masculino e feminino) terão vaga garantida na final na Cambotas Marathon em Barão dos Cocais.

Parágrafo único: Caso algum atleta da lista dos 50 primeiros já tenham sua vaga no evento por conta de sua Assessoria/Treinador, Grupo de Atleta ou equipe o ter escalado, serão chamados os próximos da classificação até que se completem as vagas.

Art. 45. Os 10 primeiros atletas (ASSINANTES DA REVISTA) da classificação geral (masculino e feminino) terão vaga garantida na final na Cambotas Marathon em Barão dos Cocais.

Parágrafo único: Caso algum atleta (ASSINANTES DA REVISTA) da lista dos 10 primeiros já tenham sua vaga no evento por conta de qualquer outra escalação, serão chamados os próximos da classificação até que se completem as vagas.

Art. 46. Serão reservadas 50 vagas para atletas de elite (masculino e feminino) independente de participação no Ranking.

Parágrafo único: Considera-se atleta de elite os atletas com os seguintes pontos ITRA:

    • Masculino: 700 pts
    • Feminino: 600 pts

Art. 47. Atletas, comprovadamente, residentes nas cidades do entorno da Serra de Cambotas como, Catas Altas, Barão de Cocais e Santa Bárbara, terão até 20 (vinte) vagas na Cambotas Marathon.

Parágrafo único: caso tenha mais de 20 intenções de participação, haverá sorteio das vagas.

A eleição de melhores do ano da RTR Awards será feita em paralelo e a premiação realizada no mesmo evento de premiação da Super Copa Trail.

 

Posso voltar aos treinos normalmente depois que peguei COVID-19?

Covid 19 Posso voltar?

Por: Fernanda Rizzo


A corrida é uma das atividades físicas mais praticadas no Brasil e promove inúmeros benefícios para a saúde. Praticar corrida imerso na natureza, ou seja, correr em trilhas, pode trazer benefícios adicionais, principalmente para a saúde mental.

Quando precisamos interromper os treinos, no caso, por causa do COVID-19, temos que tomar alguns cuidados durante o retorno.

Os sintomas são parecidos com o de uma gripe, além de sintomas respiratórios e em alguns casos, pode acometer múltiplos órgãos, inclusive lesão cardíaca. Os sintomas variam entre as pessoas e mesmo entre atletas, alguns apresentam sintomas mais graves, enquanto outros não apresentam nenhum sintoma.

O destreinamento reduz as capacidades aeróbicas, força muscular e flexibilidade. A combinação desse destreinamento mais os sintomas pós-viral, por exemplo, síndrome da fadiga, podem dificultar o retorno aos treinos e aumentar o risco de desenvolver lesão.

O QUE DEVO FAZER?

Tenha paciência!!

O recomendado é você realizar uma consulta com médico ou cardiologista do esporte para realizar exames específicos, como ecocardiograma, exames de teste cardiopulmonar e exames de sangue.

Retorne aos treinos de forma gradual e respeitando os sintomas de fadiga, observando o tempo de recuperação entre os treinos e conversando com seu treinador!!

Você deve começar pela caminhada e gradativamente aumentar tempo e pace.

A recuperação pode ser lenta e precisar de acompanhamento médico por um período, cerca de 70 dias, segundo documento desenvolvido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia e Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte. Este documento possui orientações sobre o retorno às atividades físicas após infecção pelo vírus, sem colocar o coração em risco (http://www.medicinadoesporte.org.br/wp-content/uploads/2020/10/POSICIONAMENTO-SOBRE-APP-POS-COVID.pdf).

Siga as orientações do seu médico e bons treinos!!

Covid 19

Review Salomon Slab Sense 8 SG

Salomon Sense Slab 8

Avaliamos o novo tênis Salomon Slab sense 8 SG (soft Ground) e o que significa “soft ground”?

É a designação para o qual o tênis foi desenvolvido, em tradução literal seria “terreno macio” em tradução livre seria “terreno elamaçado ou com charcos. Os cravos são mais altos e também tem drenos na biqueira para que toda a água que entrar saia facilmente.

A maior novidade é a meia embutida no cabedal – a qual substitui as polainas “anti-detrito”.

Testamos nos mais diversos pisos, com pedras secas, molhadas, charcos, lama, tudo em trilha “single track” para que pudéssemos avaliar ao máximo.

Mas o que a marca francesa diz sobre este tênis?

Desenvolvida pelos principais atletas, o icônico SLab Sense 8 SG da Salomon, apresenta um amortecimento mais suave na parte frontal do pé e um novo sistema “anti-detrito”. Oferece a mesma sensação de solo, precisão, apoio para os pés, o calçado agora é ainda mais leve, com garras mais profundas que a versão “Hard Ground” para ancorá-lo em terrenos macios e molhados.

Pesando apenas 205g, o calçado é minimalista, mantendo todas as características chave como filtro de solo e o apoio preciso.

Biqueira e arco rígido acrescentam uma camada extra de proteção, enquanto o amortecimento mais macio sob a frente do pé aumenta o conforto.

Com meia de malha elástica integrada diretamente na parte superior mantém os resíduos fora, enquanto as aberturas facilitam a evacuação da água.

Nota-se que o tênis realmente foi desenvolvido para terrenos úmidos e se manter muito leve.

Um fator que ajuda muito nos treinos é provas é que ele não tem costuras no cabedal, diminuindo muito a possibilidade de bolhas.

Os drenos na biqueira foi muito bem pensado, ajuda a água sair e seu pé não fica nadando lá dentro quando atravessar um rio ou estiver correndo na chuva, por exemplo.

A entressola é feita com a tecnologia “Energycell” que ao mesmo tempo que ela proporciona conforto na pisada, ela te devolve em impulsão pra frente e sem perder a característica do tênis de sentir o solo.

Na estrutura notamos nitidamente os traços “SenseFit”, que você percebe uma espécie de espuminha dos dois lados e também uma estrutura na língua do tênis que o mantém intacto.

A amarração é muito conhecido e fantástico, o “Quick Lace” que você aperta ou afrouxa muito fácil e acaba com aquela velha história de tênis desamarrado.

No teste que fizemos foi interessante que a meia elástica não deixou entrar detritos, pedras nem nada, foi uma boa experiência e ela não incomoda em nada o tornozelo, parece realmente uma meia.

Em nosso teste o Slab Sense 8 SG se saiu muito bem em quase todos os tipos de terrenos, e este “quase” se deve a um fator clássico, em pedra molhada ele escorregou – e até levei um baita tombo, vale conferir no vídeo do review que fizemos – mas não há tênis no mundo que não escorregue em pedra molhada, então já sabe, redobre a atenção neste tipo de terreno.

Com apenas 4mm de drop este modelo faz jus ao minimalismo, são 19,5mm no calcanhar e na parte frontal são 15,5mm.

Conclusão:

Um tênis muito leve, apenas 205g, com ótimo grip em todo tipo de terreno, especialmente terrenos com lama e charco, ótimo e muito bem pensado sistema de drenagem, não possui palmilha, o que contribui muito para a leveza do tênis, sistema “sense fit” que proporciona a sensação de vestir uma meia e garante estabilidade e segurança nas passadas. Drop de apenas 4mm, meia elástica anti-detrito, conforto e responsividade sem perder a sensação de solo.

E você sabe onde encontrar este e toda linha para o trail running, acesse www.equilibrioesportes.com.br e utilize o cupom “equilibriortr” para garantir seu desconto exclusivo.

E você é assinante da Revista Trail Running, aproveite e peça seu cupom exclusivo de 20% de desconto na compra deste ótimo equipamento.

Se ainda não é assinante, não perca tempo e assine, garanta descontos exclusivos em eventos esportivos, equipamentos e muito mais vantagens.

Insanidade à prova no Espírito Santo

A Insanity Mestre Álvaro e a Buenos Aires fazem parte do Circuito Brasileiro de Skyrunning e dispensam apresentação, estando entre as provas mais duras de todo o Brasil!

A etapa do Mestre Álvaro, que é realizada no município de Serra – ES, está marcada para os dias 03 e 04 de abril e, até o momento, está confirmada.

Com um percurso principal de pouco mais de 30 km e 3.000m de ganho de elevação, a prova figura entre as mais duras do Brasil, com o recorde de 5h03″21, de Chico Santos. Ele é uma das seletivas para o mundial de Skyrunning e, além do Trail Running, tem as modalidades Mountain bike Cross Country Marathon, Cross Duathlon, Corrida kids e Caminhada Guiada (travessia).

O Mestre Álvaro é considerado uma das maiores elevações litorâneas (planalto) da costa brasileira e abriga uma das últimas áreas de Mata Atlântica de altitude do Espírito Santo. É um maciço costeiro que possui formato semicircular em planta, estruturado em um corpo de rocha intrusiva granítica com cerca de 833 metros de altitude no Estado do Espírito Santo.

Tem-se uma vista panorâmica de toda a Região Metropolitana de Vitória e região de montanhas, e de lá avista-se os municípios de Vitória, Vila Velha, Serra, Cariacica, Santa Leopoldina, Fundão, Viana, e parte de Domingos Martins, além de uma bela vista do oceano Atlântico.

O Mestre Álvaro é um maciço granítico que, devido à sua altura e posição, tem servido à navegação marítima há séculos. Ele é citado em documentos cartográficos do século XVI. Possui um bosque rico em fauna e flora nativas e algumas cavernas.

————————–
Faça o download gratuito do guia da Super Copa Trail clicando aqui.

Confira o Regulamento completo da Super Copa clicando aqui.

Confira, abaixo, como foi a edição 2019: