Ultra Trail Caparaó

POR: VALMIR LANA


Viva o EXTRAORDINÁRIO, esta é a frase que o evento Ultra Trail Caparaó utiliza como guia.

Estivemos presentes no evento para cobrir de dentro, ou seja, correndo a prova maior. Eu, Valmir Lana, estava inscrito nos 100km, sempre gosto de viver tudo que há pra viver, mas a distância foi cancelada então passei para os 50km. O evento tomou todas providências para que todos fossem notificados a tempo da mudança e foi sucesso.

O primeiro ponto que eu analiso é sempre a comunicação do evento para nortear o atleta. Deixo claro que o atleta é o primeiro responsável por seu sucesso no evento e este deve fornecer todos os dados técnicos e necessários para que isso possa acontecer. Neste quesito, acredito que se saíram muito bem, claro que há o que melhorar, mas ninguém ficou sem informação, o GPX foi disponibilizado no dia anterior, mas não vejo problemas nisso, já que o percurso, altimetria e tipo de terreno já havia sido disponibilizado com bastante antecedência.

Como não sou adepto de “super kits”, achei o kit da prova ótimo, não foi um gigante como vi que foi o do ano passado, mas isso não é um ponto de importância para mim, então, se o Kit tiver numero de peito e chip tá ótimo. O da prova tinha uma camisa de tecido de algodão com uma arte lindíssima de uma moradora local, a Iside Perdigão, número de peito, chip, um energético, copo sanfonado e um cupom de desconto para um curso de trail da Bita Lapertosa.

O kit tava ótimo, a arena foi bem planejada, o pórtico inovador, algo com jogo de luzes, bambus e cordas coloridas, achei fantástico fugir do tradicional, aliás, a arena toda é sustentável, tendas, palco, gradil, tudo bem inovador, mas vamos falar mais de arena no fim. O congresso técnico creio que pode ser melhorado, não foi ruim, ainda mais com a presença e condução de Manuel Lago, treinador e atleta renomado no mundo trail, ele ficou responsável por todo percurso e logística “que também trataremos oportunamente”, mas acredito que além da informação falada, poderiam ter colocado imagem e mostrar no mapa altimétrico tudo que os atletas passariam, onde teriam os pontos de abastecimentos, os pontos mais técnicos, em suma, fornecer mais alternativas para entendimento do que nos aguardava.

A prova larga de uma pousada parceira do evento em Alto Caparaó, sobe cerca de 8km até chegar na tronqueira, local que começa mesmo a trilha pra valer, a largada às 3h45min, a princípio, não me agradou, mas pegar o nascer do sol a quase 3000m de altitude me fez agradecer profundamente por aquele momento (valeu, organização, mantenham este horário de largada). Este trecho até o ponto mais alto da ida, é bem técnico, bem técnico mesmo, alguns trechos você consegue desenvolver bem a corrida, mas outros é mão no joelho e seja feliz.

Foto: Fernando Biagioni

A descida do Pico para o lado Capixaba tinha até gente pra ajudar em alguns pontos de tão alto que era o nível, mas as belezas do alto do Brasil me fizeram parar e esquecer a corrida para, simplesmente, admirar e agradecer pela vida e saúde. Foi algo singular, uma visão tão ampla, tão linda, tão reveladora que nos faz sentir o privilégio que temos em estar vivos.

Foram quase 5km de descida técnica e mais 8km de estrada e bloquetes e as descidas eram muito inclinadas, difícil segurar, então aproveita e solta as pernas, porque, na volta, você terá que subir tudo de novo e aí que a coisa fica feia, já com 27km nas pernas e sabendo o que te aguarda é algo que faz você flertar com o pensamento de abandono, mas você segue, forte, determinado e vai.

Subida vencida e enfim, Pico da Bandeira, o cume mais alto (acessível) do Brasil (2.891,32m) e o terceiro no geral, perdendo somente para o Pico da Neblina e 31 de março que ficam na floresta amazônica. Agora a descida é para curtir, terreno típico, bem próximo ao que estou acostumado em BH, então soltei e fui assim até o km 50 quando há o último trecho da prova, são 6km desse trecho, no início uma descida em pasto em ingrime e com 50km nas pernas não é fácil soltar, depois um zigue-zague no cafezal subindo uns 200m para enfim cruzar a linha de chegada com 56km e 3.955m de desnível positivo acumulado.

Foto: Fernando Biagioni

Tenho que falar e elogiar a marcação da prova, as fitas foram feitas uma a uma com refletivos e na cor ROSA, nunca vi algo tão efetivo em termos de marcação quanto este desenvolvido pelo diretor, Klaus Pettersen. A equipe do Manuel Lago fez um brilhante trabalho, não houve nem uma dúvida sequer durante todo o percurso, tudo como deve ser, meus parabéns.

Os pontos de abastecimentos foram suficientes, poderia ter um mais, mas os 3 na ida e os mesmos na volta garantiram que não faltasse nada do básico. Poderia colocar mais um ponto de Coca Cola e mais um com sanduba, ficaria bem “Gourmet” e eu não acharia nada ruim.

Arena da prova como antecipei, ficou muito boa, com opções de hamburguer, churrasco, açaí, cerveja, refrigerante, cadeiras e mesas pra galera, show no final pra todos e muita festa.

Tenho que pontuar duas coisas que servem de análise da equipe:

1- ouvi muita gente reclamando que não teve premiação de categoria, eu entendo a importância disso, não sou defensor de categoria de idade, mas podem repensar isso, de todo o caso, bastava os atletas lerem o regulamento e veriam que não há premiação de categoria de idade, então não tem do que reclamar.

2- a parte final, descida no pasto e subida em zigue-zague no cafezal, no meu ver é desnecessário e digo o porque: a prova é essencialmente de montanha, com 50km o atleta está 100% feliz com a prova, afinal ele está prestes a cruzar a linha de chegada e poderá descansar, se alimentar, às vezes tomar aquela merecida cervejinha e aqueles 6km adicionais jogam este sentimento e expectativa fora, eu senti exatamente assim, a prova daria 53km com mais de 3.800m D+, alcançando o topo da 3ª mais alta montanha do Brasil 2 vezes, não há argumento que me convença que aquilo é uma boa ideia. Sei que a organização quer oportunizar uma vivencia dentro do cafezal, mas creio que haveria outras formas disso acontecer, pois uma vivencia acrescida no trail tem que ser uma vivencia boa e não um martírio.

Resumo: A Ultra Trail Caparaó é uma baita corrida em montanha, essencialmente de montanha, lindíssima, muito bem organizada, com alguns pontos que podem ser avaliados e explorados melhor, mas são pontos pequenos, eles acertaram na maioria e mais importantes coisas que se pode avaliar num percurso.

Vale a pena? CLARO QUE VALE!!! Um evento imperdível, eu diria, tem que estar no calendário de todos atletas que amam uma boa competição, tenham certeza que, se Deus me permitir, estarei lá outras vezes para sentir a mesma sensação de PRAZER EM ESTAR VIVO que senti durante esta prova.

Parabéns aos organizadores, aos atletas, staffs, exército e a Deus por me permitir viver o EXTRAORDINÁRIO!

Foto: Fernando Biagioni

Entenda as diferenças entre corrida de trilha e corrida de montanha

Com a unificação dos mundiais de trail running e corrida de montanha em apenas um evento, que está marcado para novembro deste ano que que já foi assunto de reportagem da Revista Trail Running, voltaram à tona as discussões sobre a diferenciação entre corrida de trilha e corrida de montanha, já que o mundial terá provas das duas modalidades.

A recé-fundada Associação Brasileira de Corrida em Trilha (ABCT) publicou um conteúdo explicando as diferenças e as características de cada modalidade.

Características da Corrida em Trilha

De acordo com a ABCT, Trail, que significa trilha em inglês, é uma competição pedestre aberta a todos, em ambiente natural, com no máximo 20% do total dos caminhos pavimentados ou calçados. A extensão dos percursos pode varias de curtas distâncias, chegando a provas de ultramaratona com mais de 300 km, por terrenos dos mais variáveis, como florestas, montanhas, bosques, praias, campos, desertos, entre outros, muitas vezes incluindo grandes ganhos e perdas de elevação, o que caracteriza o conceito de altimetria.

Confira, abaixo, alguns destaques do World Trail Running Championships 2019

Características da Corrida em Montanha

São corridas que ocorrem em ambientes off-road, assim como o trail running. Em princípio, são duas formas básicas de corrida em montanha: uphill e uphill & downhill (misto de subidas e descidas). Quando é apenas uphill, a corrida é ponto a ponto (largada em um local e chegada em outro); quando é uphill & downhill, a corrida pode ser ponto a ponto, ter percurso com volta, ou até mesmo bate-volta. Como no trail, menos de 20% do trajeto pode ser em estrada calçada ou asfaltada e o ponto mais alto não pode ultrapassar 3000m de altitude. O percurso deve ser o máximo corrível, não possuindo trechos perigosos nas subidas, nem nas descidas e, quando não puderem ser evitados, precisam ser muito bem demarcados e controlados, assim como todo o percurso. Outra diferença para o trail, é que a inclinação média não pode ultrapassar 20% a cada 500m de percurso, ou seja, não pode ter mais de 100m de ganho de elevação a cada 500m. As competições oficiais têm distâncias de até 42 km e os atletas recebem hidratação ao longo do percurso.

Outra diferença da montanha pro trail é a permissão de equipamentos. Na corrida de montanha é permitido utilizar tênis, short, bermuda ou calça de compressão, camiseta, corta-vento, bonés ou viseira, bandana e relógio GPS. Não é permitido o uso de trekking poles (bastões) e mochila de hidratação.

Confira, abaixo, os destaque da Copa do Mundo de Corrida de Montanha de 2019

Órgãos reguladores do trail e montanha: O órgão regulador é o World Athletics; o ente gestor das corridas de montanha é a WMRA – World Mountain Running Association e das corridas em trilha é a ITRA (International Trail Running Association); o órgão regulador nacional é a CBAt – Confederação Brasileira de Atletismo, com as federações estaduais como reguladoras em nível de estado.